quinta-feira, 31 de julho de 2014

Tesouro

Deixar a mão na superfície, só. Outros se aprofundariam, sob a instigação dos dedos. A ele basta esse tesouro ruivo, esses fios de ouro que se umedecem ao contato de sua palma reverente e receosa.

A face cruel

Não há droga que possa perverter tanto os nossos sentidos quanto o amor. Quando ele se insinua em nossa vida, deveriam estar bem visíveis em seu rosto, ao lado do sorriso com que nos ganha e escraviza, todas as advertências que há nos maços de cigarros sobre os seus efeitos letais, e mais uma, que nos alertasse para sua extrema crueldade: o amor só nos mata quando não pode mais arrancar um gemido de nós.

Concisão

Escrevo para alguns. Tenho poucas lágrimas, talvez uma para cada um deles - se não vierem todos juntos.

Preservação

Tratei o amor como um bibliófilo trataria um livro conseguido a muito custo. Toquei-o com luvas e coloquei-o na estante longe dos outros, para não contaminá-lo. Nunca o abri. Tive receio de que se desmanchasse em minhas mãos pecadoras. Olhei-o dia e noite com meus olhos zelosos. Conservei-o para os outros.

Fernanda Lima

Para mim, Flip quer dizer Fernanda Lima Poesia.

Fernanda Lima

Fernanda Lima, se estivesse no dicionário, seria encontrada entre as palavras fada e flor.

O nome

Então chega uma época em que a memória, cansada de estar ao nosso dispor, não reconstitui mais a mulher cujas formas conhecíamos em cada detalhe. E, assim como velhos capitães que em viagens nostálgicas não se lembram mais de certos golfos e marés que os haviam encantado na juventude, e tentam reavivá-los invocando erradamente seus nomes, também nós, nessa fase derradeira, não nos recordamos de como chamávamos aquela que personificava a vida em seu matiz mais belo: o amor.

Solenidade

Morrer deve ser mesmo um ato muito importante, já que se faz esperar tanto.

Anacronismo

Tweeter? Nunca usei. Continuo no suéter.

Recado para Pâmela

Haveremos de ser inconvenientes. Todos os que passarem por nós receberão a incumbência de descobrir onde está Pâmela Marísia Melgaço e dizer-lhe que a esperamos na esquina da Direita com a Sé todas as tardes, das duas às três, e aqui continuaremos até que ela venha nos explicar por que há mais de trezentos e tantos dias vem faltando ao encontro que marcou conosco. Se ela não quer vir por causa dos terríveis sonetos com que julgamos homenageá-la, que ela não se preocupe. Nós a dispensaremos de ouvi-los. Por mais amor que tenha à poesia, um homem há de ser minimamente sensato e reconhecer que nenhum poema há de se igualar e sobrepor à beleza de uma mulher, se essa mulher for Pâmela Marísia Melgaço.

Um poema de Ademir Assunção

"A LIRA NO LIXO

               para Cazuza

pensam o poeta
um ente otário
doente, sem dinheiro
um falsário
profeta picareta
um prego enferrujado
espalmado
na mão direita

pensam o poeta
um junkie solitário

trama o poeta em seu nicho
palavras mágicas
sendas ocultas
senhas surdas
risca um risco no disco
cisca um cisco preto
no mármore preto
e cata iguarias no lixo."

(Do livro LSD nô, publicado pela Iluminuras.)

Cotação do dia (IV)

Com o tempo, as dores de amor mortificam menos, são suportáveis, quase doces. É a época em que a vida perde todo o sentido.

Cotação do dia (III)

"Aquele ali é o velho que eu falei, o que tem um, como é que se chama?, um blog que só trata de amor. Aquele que só fala de coxas, bundas, peitaria."
"Ele tem netos?"
"Tem, três."
"Coitados. Dizem que essas coisas são hereditárias."

Cotação do dia (II)

Talvez gostar de poesia e sofrer por amor renda alguns bônus algum dia, em algum lugar. Quem sabe eu possa, então, tirar da cabeça este chapéu de papelão em que escreveram toscamente as seis letras: idiota.

Cotação do dia

Bato até à porta das duas casas que derrubaram no mês passado. Vão construir ali um prédio. Talvez daqui a dois anos, ou um, conforme a habilidade dos pedreiros e o preço dos materiais, eu tenha melhor sorte.

Meninos da escola bombardeada

Poderíamos ter sido
Alguma coisa importante,
Capitão ou almirante,
Mas já tínhamos morrido.

No asilo

O motorista do carro preto acenou para o porteiro:
"Ói eu aqui de novo."
O porteiro se benzeu:
"É a segunda vez esta semana, né?"
"É, eu vim anteontem. O que vocês andam fazendo aí? Algum médico novato?"
"É o frio."
"Em dezembro?"
"Sabe como é. Para os velhos é sempre junho."

No asilo

A enfermeira abriu a porta do quarto e chamou a moça no corredor:
"Você me traz mais um cobertor? O seu Duílio, coitadinho, está gelado."
"Outro? Eu trouxe um faz meia hora", disse a moça, entrando no quarto e aproximando-se do homem. "Eu mesma cobri ele, não foi, seu Duílio? Seu Duílio? Ah, seu Duílio. Ah, pobrezinho."

Soneto do último pedido

Mais uma vez eu queria
Sentir tudo que senti
Quando eu era o teu guri
E tu a minha guria.

Ah, com que prazer eu via
Tudo que vinha de ti.
Contigo, guria, eu ri,
Como com ninguém eu ria.

Quem mais, numa lanchonete,
Teria esse teu topete
De ao gerente perguntar

Se, após uma hora tardar,
Nosso bife à parmesã
Viria hoje ou amanhã?

Soneto do amor indiferente

A caravana passou.
Ecoa ainda além o ruído,
Aquele alegre alarido
Que do sono nos tirou.

Quando ela se aproximou,
Lançamos nosso pedido,
Mas não nos deram ouvido,
Ninguém sequer nos olhou.

Foi triste. Latimos tanto,
Latimos alto, e no entanto
Não nos adiantou latir.

O amor passou. Imploramos
Por um sorriso, choramos.
Foi humilhante pedir.

Soneto do amor demasiado

Que bom poder estar assim, sentado,
Como um homem qualquer, vulgar, bisonho,
Feliz por não ser mais espicaçado
Por ideia nenhuma, nenhum sonho.

Que bom estar assim, tão resignado,
Não mais desesperado nem tristonho,
Encarando já quase com enfado
O que me parecia tão medonho.

Que bom, depois de tanto me enganar,
Ao amor finalmente saber dar
A sua verdadeira dimensão

E dar graças porque ele já morreu,
Porque no fundo nunca mereceu
O que foi pago pelo seu caixão.

Um trecho de Julian Barnes

"O que procuramos em um parceiro? Alguém como nós, alguém diferente? Alguém como nós, porém diferente, diferente mas como nós? Alguém que nos complete? Oh, eu sei que não podemos generalizar, mas mesmo assim. O x da questão é: se nós estamos procurando alguém que tenha a ver conosco, por que só pensamos nas partes que têm a ver? E as partes que não têm a ver? Será que somos atraídos por pessoas que têm os mesmos defeitos que nós?"

(Do livro Pulso, tradução de Christina Baum, publicado pela Rocco.)

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Mordomo

Depois de tudo apurado,
Desde a maneira de agir
Ao requinte no ferir,
O amor é sempre o culpado.

Fernanda Lima

Fernanda Lima tem o domínio de muitas outras artes, embora lhe bastem o da simpatia e o da beleza.

Tréguas

Cochilar é o que faz melhor, agora. De manhã e à tarde, acha sempre um tempo para deixar-se levar por essas agradáveis pequenas mortes diárias. Volta delas atordoado, mas feliz, ao menos até o momento em que começa a reconhecer os objetos e lembra, além do nome deles, o próprio.

Bruxa

A panela fumegava na cozinha quando ela me chamou. Olhou fixamente para mim, como se a fumaça me tornasse estranho, e passou a língua nos lábios. Eu quis ver nisso o indício de uma luxúria que ela talvez pretendesse partilhar comigo, mas, quando tentei me aproximar, ela destampou a panela e aspirou profundamente. "Que delícia", suspirou, e senti que só lhe causaria alguma impressão se eu fosse um ingrediente com o qual ela pudesse enfeitiçar um pouco mais a sopa.

No asilo

Amor será uma das palavras que ele babará sobre o prato de sopa.

Soneto da incondicional entrega

Não te preocupes. Sou teu,
Não sou das outras mulheres.
Me usa como bem quiseres,
Quem te permite sou eu.

Não tenhas nenhum pudor.
Me pega, sacode, espanca,
Minha pele inteira arranca,
Quem te dá licença é o amor.

Se todo teu sou, me parte,
Em mil partes me reparte
E guarda cada uma delas.

Se mãos terão de as guardar,
Não consigo imaginar,
Salvo as tuas, mãos mais belas.

Um poema de Eugenio Montale

"O que de mim soubeste
não foi mais que a aparência,
a túnica que reveste
nossa humana aventura.

E talvez além do pano
o azul tranquilo estivesse;
tapava o claro céu
um simples sigilo.

Ou era de fato a estapafúrdia
mudança de minha vida,
o abrir-se de uma terra
incendiada que jamais verei.

Restou assim esta casca
minha real substância;
o fogo que não se amortece
para mim chamou-se: ignorância.

Se divisas uma sombra, não é
sombra - mas eu próprio.
Pudesse eu arrancá-la de mim
e te ofereceria de presente."

(Do livro Poesias de Eugenio Montale, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, publicado pela Record.)

Associação com fins amorosos

Ontem à noite ele pensou seriamente em criar uma associação que se dedicaria apenas a um assunto: o amor (o dele). Dormiu imaginando como seria essa associação, quais seriam seus estatutos. Hoje, quando acordou, foi, como todos os dias, tomado tão irresistível e totalmente pelo amor, que se esqueceu da associação.

Cotação do dia (VI)

Ele imagina que, se gritar amor com todas as forças, não se fará ouvir pela destinatária, mas derrubará pelo menos três bem-te-vis.

Cotação do dia (V)

Tornar as lamúrias amorosas tão frequentes que se confundissem com manifestações de autismo. E ficar numa dessas alamedas paulistanas, sempre a mesma, dizendo sempre as mesmas palavras, das quais só se distinguisse uma (amor), até que uma autoridade qualquer, estadual ou municipal, o tirasse dali antes de ele se tornar uma atração turística.

O recipiente

Toda vez que a vê entrando ou saindo da enorme casa sempre cercada por pelo menos meia dúzia de homens, ele, menino que conhece da vida só o que leu em romances antigos, imagina se ela será como as famosas rameiras que, solicitadas a todo instante pela urgência dos fregueses, para não perder tempo mantinham, debaixo da cama, aquele recipiente de metal de nome tão prosaico. Se ela aceitasse, ele se ofereceria para esvaziá-lo sempre que necessário, e o lustraria caprichadamente, antes de devolvê-lo. Sua boca saliva quando ele pensa nisso.

Cotação do dia (IV)

A mulher nua, escarrapachada na cama, faz estourar cascas de amendoins. Mastiga-os com lentidão e volúpia. Na porta, ele espera. Ela diz, afinal: o próximo. Assim que ele entra, ela tem um acesso de riso que a faz engasgar. Um grão de amendoim salta de sua boca. Cortês, ele o apanha e o leva até ela. Quer agradar. Ela tem novo surto de riso, estrebucha em mil e trezentas gargalhadas. Quando recupera a respiração e as palavras, grita: "Quem deixou esse menino entrar aqui? O orfanato é na rua de cima." Alguém põe a mão no ombro dele e o tira bruscamente do quarto. Devolvido à noite gelada, ele sente afrouxar-se aos poucos sua luxúria.

Cotação do dia (III)

Ter conseguido erguer a escada até o ponto. Ter gasto anos na tarefa. Desdenhar a lua, que se oferta impudicamente. Chegar a um palmo da estrela ansiada. Tocá-la, reverente. E ler, no verso: made in...

Cotação do dia (II)

Sente-se como aquele idiota que, contando sempre a mesma história, pula a parte que lhe foi favorável e se fixa nas desgraças de que foi vítima, aumentando-as sempre, com aquele estúpido sorriso de mártir.

Cotação do dia

Assim como a raposa, fazer pouco da carne e dos tentadores formatos que ela assume. Pensar em espiritualidades, misticismos. Olhar para o outro lado quando certas mulheres são apanhadas no meio da avenida pelo tendencioso clique do sol. Ou, olhando-as, meter-lhes defeitos, achar incongruências na sua intolerável perfeição.

Na teia

Tentando acariciar-lhe as coxas, ter a mão subitamente presa entre elas e, como inesperado e venturoso castigo, ser forçado a render, com o prestimoso dedo médio, tributo à fonte salina cujo caminho é indicado por fios de ruivo sol.

Fernanda Lima

Fernanda Lima, da rosa
Tem toda a delicadeza,
A incomparável beleza
E a concepção primorosa.

Utilidade pública

Se um furacão
ou ventania
causar confusão
e correria

não há tempo a perder:
no mesmo momento
abra o seu PC
e clique em e-vento.

Soneto dos modos de morrer

Há quem morra de tristeza,
De solidão, desamor,
E há também quem morra por
Não lhe sorrir a beleza.

Não tem a morte avareza,
Está ao nosso dispor
Seja em qual ocasião for,
Sempre com total presteza.

No seu catálogo tem
O final que nos convém,
Mas dispõe também do pior.

Morrer de doença é penoso,
Morrer dormindo é ditoso,
Morrer de amor é o melhor.

Vinte anos depois

Roçá-la ali onde o homem que ela mais amou deixou, vinte anos antes, a lembrança de sua mão. E, com a ajuda do acaso ou de uma feliz intuição, repetir a sabedoria dos dedos e a aptidão que tinha esse homem para fazer aflorar nela seu mel mais íntimo.

Zelo

Um dia antes, ele deixara a gata na casa do irmão. Temia que vê-lo pendurado na corda prejudicasse os gatinhos que ela levava no ventre.

Exclusividade

O suicídio é uma dessas pequenas coisas que ninguém pode fazer por nós.

A ideia de beleza

Sou outro agora

Não me inquieta mais
a palpitação dos frutos
nem me instiga
a cobiça dos usufrutos

Minha ideia de beleza
é casta como uma flor
ainda não lambida pelo vento
e assim me basta
e há de sempre bastar

Ideias são sonhos
essência

Ideias o vento
não comete a indecência
de meter a mão e despetalar.

De Virginia Woolf sobre Shakespeare

"Pois embora afirmemos nada saber sobre o estado de espírito de Shakespeare, no momento mesmo em que o afirmamos estamos dizendo algo sobre o estado de espírito de Shakespeare. A razão, talvez, por que saibamos tão pouco sobre Shakespeare - em comparação com Donne ou Ben Jonson ou Milton - é que seus ressentimentos e rancores e antipatias nos são ocultados. Não somos interrompidos por alguma 'revelação' que nos faça lembrar do escritor. Todo o desejo de protestar, de pregar, de proclamar alguma injúria, de desforrar-se de algo, de fazer o mundo testemunhar algum revés ou injustiça foi descarregado dele e eliminado. Assim, a poesia flui dele livre e desimpedida. Se algum dia um ser humano expressou completamente seu trabalho, esse foi Shakespeare. Se algum dia uma mente se mostrou brilhante e livre, pensei eu, voltando-me novamente para a estante, essa mente foi Shakespeare."

(Do livro Um teto todo seu, tradução de Vera Ribeiro, publicado pela Editora Nova Fronteira.)

terça-feira, 29 de julho de 2014

A busca

Convencê-la de que há no umbigo dela um fiozinho ou um cisco. Fingir procurá-lo com o dedo mais carinhoso e de repente, sem aviso, com o pretexto de ter arranjado um instrumento melhor, engajar a língua na busca. E usá-la com tanta arte que, ao parar para readquirir o fôlego, a voz dela sussurre, conspiratória: "Já? Você procurou direito?"

Comparação (para o Verissimo)

Não adianta chorar
ir à sacada e bradar
O tempora! O mores!

Não somos maus
só temos o azar
de os outros serem melhores.

Aquele?

Um dia, alguém te avisará que morreu quem te pôs nas mãos a vida: "É tua." "Ah", dirás, "aquele?" E não te lembrarás dele, ainda que a memória te sugira vários nomes.

Soneto da mútua compaixão

Talvez um dia saibamos
O que de fato ocorreu
Com o afeto que alimentamos
E tão depressa morreu.

Jamais nós nos explicamos
Como foi que aconteceu,
Onde foi que nós erramos,
Se és tu a culpada ou eu.

Aquele amor declarado
E tantas vezes jurado
Terá sido só ficção?

Se foi, é hora de assumir
E de nunca mais mentir.
Tenhamo-nos compaixão.

Soneto dos dias tristes

Que tristes são esses dias
Em que sais buscando amor
E voltas com o dissabor
De trazer as mãos vazias.

Que amargas as ironias
Que com todo o despudor
Te lançam seja onde for,
Além de outras vilanias.

Até quem por quem sofreste
E por quem quase morreste
Te olha com sumo desdém.

E pensar que é só por ela
Que manténs a vida e aquela
Tola esperança também.

... se lhe parece

Conforme seja o seu gosto
Ou o seu modo de ver,
Morrer é um modo suposto
De continuar a viver.

Um poema de Allan Poe

"Desejas ser amada? Leva então
pelo mesmo caminho o coração.
Sê tudo o que és e nada
sejas do que não!
Assim, terás o mundo aos pés
e, com a graça, a beleza inigualada,
serás sem fim louvada em toda parte
nada mais sendo que um dever - o amar-te."

(Tradução de Oscar Mendes, extraído de Obras completas, publicação da Companhia Aguilar Editora.)

Cotação do dia (VII)

Não abrirei o skype, não te verei. Não te mandarei mensagens, cartas, bilhetes. Talvez acredites, então, que morri, mesmo, naquela tarde, embora, por um perverso desígnio dos deuses, continue falando, me movimentando pelas ruas e fazendo versos que nunca lerás.

Cotação do dia (VI)

Se o amor lhe ordenar que se afogue, não hesite. O amor há de ser atendido prontamente. Se não houver rio perto, lembre-se de tudo de triste, amargo e insuportável que você já viveu. Se não bastar, recorde-se dos amigos que morreram cancerosos, das crianças que foram soterradas, dos cães envenenados. E chore por você e por seus sonhos malogrados, e chore por eles, os amigos, as crianças e os cães, e deixe-se afogar venturosamente no rio dessas lágrimas abençoadas.

Cotação do dia (V)

O amor foi se afastando de mim. Era noite, já, e, quando dei por mim, estava sozinho. Havia um abismo à frente, convidativo. Era só deixar-me cair. Covarde, recuei e voltei para a minha vida tola e vergonhosa. Bem sabia o amor que eu não o merecia. Essa foi a prova definitiva.

Cotação do dia (IV)

São de autoria do amor as mais belas incitações que recebi, tanto para viver quanto para morrer. Eram falsas, todas.

Cotação do dia (III)

Deveria ter saltado do viaduto na Vergueiro, naquela tarde. Nunca mais seu coração atormentado pelo amor lhe apresentará motivos mais sólidos que os daquele dia.

Cotação do dia (II)

Conhece já seu futuro: terá ainda uns anos de vida medíocre e morrerá de morte natural.

Cotação do dia

Compara-se com o pano de chão e vê mais utilidade nele. Continuará escrevendo versos em que clamará pela morte, mas tem consciência, já, a esta altura do ano da graça de 2014, que jamais terá coragem de levar o livre-arbítrio à última consequência. As cordas, os venenos e as lâminas de barbear já sabem que ele é um poltrão.

Script

Ela é nobre, e ele é um bosta.
É a trama escolhida a dedo,
Aquele tipo de enredo
De que todo mundo gosta.

Aula de beijo

Ela disse que ia ensiná-lo a beijar. Três meses depois, ele perguntou se já sabia. Ela lhe respondeu que ele era muito impaciente e pouco aplicado. Ele contra-argumentou, achando ter evoluído bastante. Ela lhe disse que além de impaciente e pouco aplicado ele era presunçoso. A professora ali era ela, e ele devia comportar-se como aluno. E havia outro dado que ele precisava tomar como irrefutável sinal de que a razão estava com ela: ele tinha quinze anos; ela, trinta e sete.

Fernanda Lima

Ontem à noite, na aula, uma das estrelas menores, do maternal, perguntou à professora a diferença entre Fernanda Lima e a Lua. A professora não soube responder.

Soneto da desnecessidade do amor

Se a cama geme e balança,
Se a carne ferve e palpita,
Se o sexo, quando se excita,
Do seu labor não se cansa.

Se a mulher de prazer grita,
Festiva como uma criança,
E dentro dela o homem lança
A insana febre que o agita,

Quem há de o amor invocar,
Quem dele irá precisar,
Se tudo corre tão bem?

Se quer participação,
Que o amor enxugue o colchão
E o lençol limpe também.

Soneto do amor que se encena como uma farsa

Importa-me pouco, já,
Talvez nem importe nada,
Saber onde parará
Esta nossa patacoada.

Quem a sério levará
Uma garota pancada
Que nunca sabe se está
Com tédio ou apaixonada?

Quem há de confiar em mim,
Tão tolo, inseguro assim,
E quem confiará em ti?

O amor, em nós, é um brinquedo,
Um passatempo, um folguedo,
De uma guria e um guri.

Caçada

Por um defeito qualquer do pintor ou da tinta, o homem com a espingarda envelhece dia a dia na tela. Talvez a lebre se salve.

Crítica

Não tendo sido convidada para a pré-estreia, a Morte chegou sub-repticiamente ao teatro, acompanhou a peça até o final e - desgostosa com os personagens - matou-os todos, fazendo desabar o teto sobre os atores.

Futuro

Os suicidas nos deram seu recado.
Com sangue eram escritos seus bilhetes.
Sérios, tomamos notas dos lembretes,
Mas temos o projeto postergado.

Gato por lebre

Pelo andar da carruagem, isto aqui é uma carroça.

Dúvida cruel

Não sei porque eu ainda vivo,
Se é tão desanimador:
Viver é tão cansativo,
Morrer é tão tentador...

Um trecho de Márcia Denser

"Vivien o conheceu em maio de 1948 numa matinê dançante do Trianon.
   Naquela época, Álvaro fazia um gênero misto de Humphrey Bogart e Carlos Gardel, secretamente considerando-se irmão gêmeo de Bogie, não lhe importando a mínima que fosse parecido com Tyrone Power, galã romântico e pouco másculo na sua opinião.
   Vestia-se rigorosamente no Minelli como um gângster de Chicago: ternos risca de giz, ombreiras largas, gravata branca/camisa preta e um laborioso topete conquistado sabe Deus a poder de quantas lágimas, suor e brilhantina, além de uma foto de Clark Gable como modelo grudada no espelho do banheiro.
   Só esse sujeito tão ingênuo, vaidoso, briguento e fanfarrão, somente ele poderia ter sido fisgado."

(Do livro Toda prosa, publicado pela Nova Alexandria.)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Messalinas

Havia nas mulheres que se davam por dinheiro uma aura de pecado, de coisa suja, de danação. Eram chamadas de perdidas, e deitar-se com elas era invocar também para si a perdição. Hoje esse fascínio se perdeu. Elas passaram a ser prestadoras de serviço e, se lhes for pedido um recibo ou uma nota, elas certamente puxarão da bolsa um talão. Não bebem, não fumam, não se drogam e frequentam diariamente a academia. Saudade das Dalilas, das Messalinas, que guardavam na língua e no sexo um pouco do cheiro e das chamas do inferno.

A loja anterior

Manequim, venderam-na quando foi fechada a loja de moda feminina, e ela foi para outra, maior e mais bonita, no shopping. Vestem-lhe agora roupas melhores, mas ela sente falta do guarda-noturno que na loja antiga, com as portas fechadas, passava-lhe batom antes de beijá-la, abraçá-la e cutucá-la com o sexo em brasa, categórico quanto um cassetete.

A esquerda

Que tua mão esquerda não saiba o que a direita faz quando percorre o teu corpo naquelas noites em que a tua solidão é exasperada por lembranças que se deitam contigo nessa cama em que outrora o amor te impunha o agradável jugo e vertia leite morno em tuas entranhas. Que ela não saiba, ou que, sabendo, ajude a direita na ordenha.

Se vossos olhos

Se teus olhos, jovem tolo, olhassem mais para ti mesmo, se teus olhos, jovem tola, olhassem mais para ti mesma, eles alcançariam melhor proveito do que fixando-se no horizonte. Há em ti, jovem tolo, há em ti, jovem tola, uma região abaixo do umbigo que, se explorada com arte pelos vossos dedos, vos livrará de encherdes de súplicas o ar como fazeis e valorizardes como ouro o que de carne não passa. Mãos à obra.

Soneto em que um súdito louva o seu senhor

Enquanto a boca tiver
Nos lábios algum calor,
Aquilo que ela disser
Há de proclamar o amor.

Enquanto forças houver,
Que eu seja merecedor,
Se o amor assim o quiser,
De ser seu fiel servidor.

E, se ele não me aceitar,
Que eu possa me resignar
E jamais o maldizer,

Porque, quando doeu ou não,
Foi ele sempre a razão
De eu respirar e viver.

Preconceito

Não sei por que aos da minha idade não agradam as motos. Tenho simpatia por elas, quando montadas por amazonas cujos cabelos de fogo escapam com ímpeto do capacete.

Agenda

Coxas - apalpá-las.
Seios - mordiscá-los.
Mamilos - mamá-los.
Nádegas - gozá-las.

O plano

Hoje furtará três ou quatro fios de ouro. Não farão falta ao tufo ruivo, que permanecerá como se inteiro, guardando e adornando com imponente beleza a entrada da fonte em cuja água salgada tantos homens gostariam de se afogar.

Objetos de prazer

Volta às quartas-feiras porque lhe agrada a opulência das coxas e dos seios da mulher e a habilidade mercenária com que ela se mexe debaixo dele, e às vezes em cima, até lhe extrair a derradeira gota de prazer. Mas volta também pela cama, que emite sons de luxúria todo o tempo. E volta pelo criado-mudo, que por alguma razão se solidariza com a cama e geme com ela e estremece como se a ele se dirigissem as estocadas amorosas. Depois do último espasmo, sempre estende a mão e acaricia o móvel lamuriento de nome servil como se ele tivesse pelos sedosos e hospitaleiros como os da mulher, assim como faz festinha para o poodle que invariavelmente dá um jeito de abrir a porta do quarto e enciumado acompanha cada movimento, cada noite de quarta-feira.

O leme

"Dirige você agora", disse o menino, soltando o leme. A menina ajeitou-se melhor, porque o menino estava sentado no seu colo, esticou a mão e assumiu o comando. Era a primeira vez que fazia aquilo, mas parecia estar indo tudo bem. O menino só se queixava, mas não muito, quando, para uma manobra, ela torcia o leme bruscamente demais para leste ou para oeste.

Fernanda Lima

Nas manhãs em que Fernanda Lima custa a abrir a janela, o bem-te-vi muda as sílabas do seu canto e pede: vem-a-brir, vem-a-brir, vem-a-brir.

Soneto do fantoche nas mãos do amor

Eu vivo como um fantoche,
Ridículo e desgracioso,
E em vez do aplauso glorioso
Recebo o torpe deboche.

Quando me ponho a pensar
E uma mudança me tenta,
O amor, que me movimenta,
Me impede de começar.

Meus passos é ele quem dita,
E minha dor e desdita
Ele concebe e planeja.

Que eu tropece até cair,
Que eu me quebre e faça rir,
É o que ele de mim deseja.

"Annabel Lee", de Edgar Allan Poe

"Há muitos, muitos anos, existia
 num reino à beira-mar, em que vivi,
uma donzela, de alta fidalguia,
chamada Annabel Lee.
Amava-me, e seu sonho consistia
em ter-me sempre para si.

Eu era uma criança, ela era uma criança
no reino à beira-mar, em que vivi.
Mas tanto o nosso amor ultrapassava
o próprio amor, que até senti
os serafins celestes invejarem
a mim e a Annabel Lee.

Por isso mesmo, há muitos, muitos anos,
no reino à beira-mar, em que vivi,
gélido, de uma nuvem, veio um vento
matar Annabel Lee.
E seus nobres parentes se apressaram
em tirá-la de mim; encerrarem-na vi
num sepulcro bem junto ao mar, que chora
eternamente ali.

Foi inveja dos anjos; mais felizes
éramos nós aqui.
Sim, foi por isso (como todos sabem
no reino à beira-mar, em que a perdi)
que veio um vento, à noite, de uma nuvem
matar Annabel Lee.

Mas nosso amor, imenso, era mais forte
do que o tempo e que a morte,
do que a própria esperança em que o envolvi.
E nem anjos celestes nas alturas,
nem demônios dos mares abissais
jamais minha alma afastarão, jamais,
da bela Annabel Lee.

Pois, quando surge a lua, em meus sonhos flutua,
no luar, Annabel Lee.
E, quando se ergue a estrela, o seu fulgor revela
o olhar de Annabel Lee.
E junto a ela eu passo, assim, a noite inteira,
junto àquela que adoro, a esposa, a companheira,
na tumba, à beira-mar, do reino em que vivi,
junto ao mar que por ti
soluça eternamente Annabel Lee."

(Tradução de Oscar Mendes, extraído de Obras completas, publicação da Companhia Aguilar Editora.)

Soneto da minha perdida pureza

Eu sei, agora, que o escuro
Perdeu comigo a paciência,
Não me dará mais clemência
E já transpôs o meu muro.

Ninguém mais me julga um puro,
Nem eu, e a minha indecência
Merece toda a inclemência
E o julgamento mais duro.

Os olhos com que pequei
E a pureza deturpei
Logo baços estarão.

As coisas belas que vi
E enodoei, e poluí,
Severas o cegarão.

Soneto do amor insano

Só pode ser um sandeu,
Um abobado, um demente,
Um homem se, assim como eu,
Confiou no amor cegamente.

Quem ao amor se rendeu
Tão tola e completamente
Ter perdido mereceu
A honra, o respeito, a alma e a mente.

Nós, amantes desse vício,
Se não estamos no hospício,
É por uma falha só

De quem nos examinou
E nada diagnosticou,
Porque de nós teve dó.

Luvas

Não há mais mulheres enluvadas, a não ser, ainda, nos filmes bem antigos. Quando ele vê um par delas numa dessas reprises, estremece quando o protagonista roça os lábios naquele tecido fino embaixo do qual adivinha outro, ainda mais fino e palpitante. É sempre belo aquilo, ainda que nas cenas seguintes o homem e a mulher se engalfinhem e se atirem ao sexo como cães empenhados em cavar e aprofundar. Por mais grosseiros que venham a se mostrar na cama ou seja onde for que rolarem enganchados, aquele momento em que a boca pousa na luva sempre os redime previamente, como um violino assobiando antes do toque do tambor.

Soneto que diz quem tu és

Quem, afinal, foi que disse
Que és o que tu pensas ser,
Quem pôde essa ideia ter,
Essa completa tolice?

Quem haverá de em ti ver
Novidade onde há mesmice,
Calor onde há casmurrice,
Quem nisso haverá de crer?

És mísero, abominável,
Grosseiro, tosco, execrável,
Nojento, reles e abjeto.

Quem há de os olhos abrir
E um dia em ti descobrir
Um homem digno de afeto?

Um poema de Omar Khayyam

"Vem, enche a Taça e à chama azul da Primavera
Atira o Manto frio do Arrependimento.
O Pássaro do Tempo ei-lo que não espera.
Está quase a voar! Aproveita o momento!"

(De Rubaiyat, tradução de Jamil Almansur Haddad, publicado pela Biblioteca Universal Popular.)

domingo, 27 de julho de 2014

Fernanda Lima

Um domingo sem Fernanda Lima é só um do, um min, um go, três partes de uma maravilha sem a faísca que as una e proclame.

Sinopse

Da vida, a qualquer momento,
Pode-se esperar de tudo,
Drama, desgraça, tormento,
Nenhuma essência ou conteúdo.

Limiar

Vivemos já o bastante.
Agora já tanto faz
Se dermos um passo adiante,
Ou se dermos dois atrás.

Os sentenciados

Alguns estrebucharam, agonizaram feiamente, bradaram que era injustiça. Os outros aproveitaram os últimos instantes para louvar o amor e a suprema honra de morrer por ele.

De Virginia Woolf sobre a mulher

"Um ser muito estranho, complexo, emerge então. Na imaginação, ela é da mais alta importância; em termos práticos, é completamente insignificante. Ela atravessa a poesia de uma ponta à outra; por pouco está ausente de história. Ela domina a vida de reis e conquistadores na ficção; na vida real, era escrava de qualquer rapazola cujos pais lhe enfiassem uma aliança no dedo. Algumas das mais inspiradas palavras, alguns dos mais profundos pensamentos saem-lhe dos lábios na literatura; na vida real, mal sabia ler, quase não conseguia soletrar e era propriedade do marido."

(Do livro Um teto todo seu, tradução de Vera Ribeiro, publicação da Editora Nova Fronteira.)

Soneto do amor e seus cativeiros

O amor e suas correntes,
O amor e seus cativeiros
Em mim são tão recorrentes
Como abelhas em vespeiros.

Há muito já não consigo
Em outro tema pensar
Senão nele e no castigo
Que ele me obriga a penar.

Que castigo doce é esse!
Tomara eu o merecesse
Até meu último dia.

E que ele nunca deixasse
Que a tristeza me falhasse
Ou me faltasse a agonia.

Cartada

Morrer é um lance arriscado.
Quem há de nos convencer
De que é impossível haver
Vida também do outro lado?

Vapt-vupt

Raramente o sexo é mais do que um ato fálico.

Regência

O objeto indireto, quando vê o objeto direto, jamais o poupa das insinuações de que facilita demais as coisas para os verbos, até para os menos aristocráticos. Basta uma piscada e você já vai abrindo as pernas, ele diz.

Emergência

O poeta parnasiano, quando precisa de empréstimo, leva seus dodecassílabos à casa de penhores.

Soneto da hora certa da morte

É coisa mais que sabida,
Mas convém sempre lembrar
Que, custe ou não a chegar,
A morte é um fato da vida.

Conforme venha a calhar,
É bem ou mal recebida,
E suplicada ou temida
Segundo a hora e o lugar.

Não querem que ela se apresse
Aqueles que o amor aquece
Com seu festivo fulgor.

Os outros, os desamados,
Aguardam, esperançados,
Que venha quanto antes for.

Soneto das artimanhas do amor

As sugestões que o amor dá
Ou são instigações fúteis
Ou são conselhos inúteis,
Nenhum valor nelas há.

Teriam valor somente
Se provas nós não tivéssemos
E há muito já não soubéssemos
Que ele sempre trai e mente.

Quando pede que confiemos
De novo nele e nos demos,
Devemos nos convencer?

Quem uma vez nos traiu,
Quem uma vez nos mentiu,
Que fé pode merecer?

Acessórios principais

Tudo que a veste ou adorna é, para ele e os seus sentidos exaltados, parte do corpo dela. Como se lhe apalpasse a carne, ele passa os dedos na sua blusa xadrez, avança com seu cauteloso cavalo pelas casas sem temer o bispo, procura a rainha, e seus ouvidos se excitam com o farfalhar do tecido, e suas narinas aspiram inebriadas o aroma deixado pelos cabelos na gola, enquanto os lábios adivinham o gosto que terão as pérolas dos brincos e o ouro da correntinha no pescoço.

A perda, capítulo 1

Quis que um cometa passasse
Sem registro nos jornais.
Eras preciosa demais
Para que ninguém notasse.

"Vogais", de Rimbaud

"A negro, E branco, I rubro, U verde, O azul, vogais,
Ainda desvendarei seus mistérios latentes:
A, velado voar de moscas reluzentes
Que zumbem ao redor dos acres lodaçais;

E, nívea candidez de tendas e areais,
Lanças de gelo, reis brancos, flores trementes;
I, escarro carmim, rubis a rir nos dentes
Da ira ou da ilusão em tristes bacanais;

U, curvas, vibrações verdes dos oceanos,
Paz de verduras, paz dos pastos, paz dos anos
Que as rugas vão urdindo entre brumas e escolhos;

O, supremo Clamor cheio de estranhos versos,
Silêncios assombrados de anjos e universos:
- Ó! Ômega, o sol violeta dos Seus olhos!"

(De Rimbaud livre, tradução de Augusto de Campos, publicado pela Perspectiva.)

sábado, 26 de julho de 2014

Cotação da noite

Desistir, abdicar, renunciar. Nada querer, nada sonhar, nada almejar. Não berrar, não espernear, não clamar. Assumir a nulidade finalmente, não como posição filosófica nem como atitude sensata, mas porque o corpo está cansado, doente, derrotado.

Se

Se um dia decidir fazer aquilo, e resolver que será com um revólver, encherá de algodão os ouvidos, para se livrar nem tanto do estrondo, mas dos comentários que farão sobre seu corpo sentado no sofá.

Último minuto do terceiro ato

A plateia agora nem respira. Ele vai dizer amor, minha vida, por que me matas?, e pegar o copo de veneno.

Soneto da surdez do amor

Alguém veio em teu socorro,
Alguém te acudiu, naquela
Noite em que abriste a janela
E gritaste à lua: "Eu morro"?

Valeu-te a dedicação
Com que ao amor te entregaste
Se quando tu o chamaste
Ele te respondeu "não"?

Do amor querias cobrar
O que quiseste lhe dar,
Como se fosses agiota.

Saber já bem deverias
Que se no amor tu confias
Só podes ser um idiota.

Ele

Na missa de corpo presente
quando o padre pronunciou
o nome do morto
ele inadvertidamente
seu estado esqueceu
e disse educadamente
fulano sou eu.

Fuvest

Erasmo de Roterdã
Ouvia todos os loucos
Mas fazia ouvidos moucos
Aos homens de mente sã.

Alquimia

Quando o poeta parnasiano acaba de declamar, seus perdigotos, transformados em pepitas, são recolhidos no tapete pelo encarregado.

CLT

Depois de muitos anos de trabalho, o menino que colore os arcos-íris entrou com uma ação contra Deus. Envelheceu e requer aposentadoria.

Soneto do amor em demasia

Eu quis demais. Tanto amor
Jamais poderia ser
Concebível alguém ter
E nem possível supor.

Quis tanto, e com tanto ardor,
Que não poderia haver
Modo de satisfazer
Tão exaltado fervor.

Eu quis demais, como eu quis!
Ninguém pode ser feliz
Como eu, ingênuo, queria.

Fui tolo, não me arrependo.
O amor eu só o compreendo
Assim, louco e em demasia.

"La belle dame sans merci", de Eugenio Montale

"Sem dúvida as gaivotas esperaram em vão
as migalhas de pão que eu lhes lançava
em teu balcão para que ouvisses
mesmo ferrada no sono os seus estrídulos.

Hoje faltamos os dois ao encontro
e o nosso café da manhã esfria entre as pilhas
para mim de livros inúteis e para ti de relíquias
que ignoro: agendas, estojos, vidros e cremes.

Maravilhoso o teu rosto se obstina ainda, recortado
sobre o pano de fundo de cal da manhã;
mas uma vida sem asas não o alcança e o seu fogo
sufocado é o lampejo de um isqueiro."

(Do livro Poesias, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, publicado pela Record.)

Cotação do dia (IV)

Imagina hoje que, se tivesse sido mais estouvado, mais desajeitado, talvez... Teve medo de ser mais ridículo, e ser mais ridículo era sua única chance.

Cotação do dia (III)

E, apesar de tudo, acha que foi pouca toda a poesia que lhe dedicou. Deveria, como quase fez, tê-la chamado de anjo.

Cotação do dia (II)

A tristeza de olhar para as mãos às quais se negou um ouro que outras mãos trataram como berloques.

Cotação do dia

A sensação de que já ter morrido, em fevereiro, por exemplo, o pouparia de alguns meses de cansaço e maus versos.

Soneto dos castelos que hoje brilham ao sol

Como os castelos, que a mão
Do tempo derrubará,
Brilhamos ao sol e não há
Ainda em nós a compreensão

De que logo se verá
Espalhada pelo chão
Nossa bela construção,
Solta ao vento e ao deus-dará.

Se sobre nós ainda o temos,
O sol de hoje aproveitemos,
Deixemo-lo fulgurar.

Amanhã ou depois, só
Areia, pedras e pó
Irão aqui se encontrar.

O destino

O destino de todos os amores é o de serem sempre representados por um nome que, encontrado vinte anos depois numa agenda, deixe dúvidas em quem o ler. Quem terá sido mesmo Raul? O sujeito que vivia contando sílabas poéticas nos dedos, o cara que cutucava a orelha com o mindinho ou o que dizia ser o bigode o último e periclitante símbolo da masculinidade?

O amor como obsessão

Só entendo o amor como obsessão. Nesse sentido, é óbvio que o amor não há de ter esperanças e, se as tiver, elas devem ser irrealizáveis. Um amor todo certo e esquematizado não é, nunca foi aquilo que eu tive em mente ao pensar em amor. O amor concebido como um fato social me seduz tanto quanto me seduziria um hobby.

Soneto do nome do amor entre as flores

Que boa ideia tivemos
Quando naquele momento
Ao alvissareiro vento
O nome do amor dissemos.

Assim que nós o fizemos,
Vimos com encantamento
Que ele acolheu, muito atento,
A incumbência que lhe demos.

E, dizendo-o no jardim,
O nome do amor assim
Transformou em mil amores.

E as árvores, dadivosas,
Cobriram-nos prazerosas
Com a seda de suas flores.

Os nexos

Na vida, há o nexo causal e o nexo casual. Para o filósofo, o que importa é o primeiro, Para o artista, é o segundo, que tem um fascinante sinônimo: destino.

Vendeta

Se eu fosse teu gato, arranharia teu sofá, até expor-lhe as tripas, e espalharia a areia de minha caixinha pela sala. Há quanto tempo não me deixas ronronar no teu colo e não me chamas de queridinho?

Pânico

Teve-a finalmente despida - e não sabia o que fazer com aquela lua subitamente esparramada sobre a cama.

"Fim de 68", de Eugenio Montale

"Contemplei da lua, ou quase,
o modesto planeta que contém
filosofia, teologia, política,
pornografia, literatura, ciências
exatas ou arcanas. Nele há mesmo o homem,
e eu entre eles. E tudo é muito estranho.

Dentro de poucas horas será noite e o ano
terminará entre explosões de espumantes
e fogos de artifício. Talvez de bombas e coisas piores,
ninguém se importa desde que seja
desconhecido e longe."

(De Poesias, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, publicado pela Record.)

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Bem gorda

Quem lhe dera ser abraçado por uma mulher gorda, bem gorda, talvez até descomunalmente gorda. Gostaria de apalpar sua carne farta até o ponto em que ela, sacudida pelos espasmos do prazer, o apertasse tanto que ele, também espicaçado pela luxúria, mal conseguisse libertar da garganta o longo suspiro do gozo.

Preservacionismo

Um suicida defensor da preservação ambiental é aquele, por exemplo, que se deixa devorar por um jacaré.

Compensação

É coisa bem lisonjeira,
Depois de sermos tratados
Sempre como rejeitados,
Que a morte, ao menos, nos queira.

Soneto do tigre velho e do Amor

Sou um tigre velho e tolo
Que os caçadores prenderam
E não sabendo onde pô-lo
A um circo pobre o venderam.

Me deram um domador
Muito capaz e exigente
Que tinha o nome de Amor
E me adestrou arduamente.

Porém eu, velho e cansado,
Falhei nesse aprendizado
De sobre o fogo saltar.

Quando ouço o som do chicote,
Revelo-me tão fracote
Que o povo põe-se a vaiar.

Soneto da generosidade do amor

O amor é tão perdulário
Que em vinte dias somente
Pode gastar tolamente
Totalmente o seu salário.

O amor é tão generoso,
O amor é tão mão-aberta
Que com ele tudo se acerta
E dele nada é oneroso.

Além de tudo nos dar
Ele nos deixa guardar
Tudo que acharmos preciso.

Podemos tudo manter
Do que nos agrada ter.
Tudo, menos o juízo.

Árvore

Talvez eu ainda mereça
Ficar ao sol uns instantes,
Gozar um pouco a brisa, antes
Que a seiva em mim apodreça.

Um trecho de Ford Madox Ford

"Esta é a história mais triste que já ouvi. Conhecemos os Ashburnham durante nove temporadas na cidade de Nauheim, de maneira bastante íntima - ou melhor, com um tipo de relacionamento tão descontraído e à vontade, e no entanto tão aconchegado como uma boa luva em sua mão. Minha esposa e eu conhecíamos o capitão e a senhora Ashburnham tão bem quanto era possível se conhecer alguém e contudo, em outro sentido, nada sabíamos sobre eles. Trata-se, creio, de uma situação que só é possível com ingleses em relação aos quais, até hoje, quando me sento para avaliar o que conheço deste triste caso, vejo que não conheço mesmo nada. Até seis meses antes eu nunca havia estado na Inglaterra, e, com certeza, nunca sondara as profundidades de um coração inglês. Eu só conhecia as superfícies."

(Do romance O bom soldado, tradução de Duda Machado, publicado pela Editora 34.)

Um mimo para ti

Se eu fosse artista, ao menos poderia
Escrever um soneto, um madrigal,
Que pudesse pagar-te, bem ou mal,
A dor com que me matas, e a agonia.

Cotação do dia, atualizada

Sinto-me como aqueles meninos que já passaram da idade de ter algum atrativo para os casais que pensam em adoção. Não me notaram nem quando eu tinha olhos verdes e sabia fazer certas coisas graciosas. Hoje também não olham para mim, nos dias de visita. Ninguém me põe a mão na cabeça e já há quem, por minha idade, me considere um funcionário. Se eu fosse um cachorro, teria alguma chance. Latiria, até, se fosse preciso.

O salteador

Digam o que disserem
o amor é o que é
um salteador

Segue-nos
persegue-nos
assalta-nos
mata-nos

E se não fizer isso
nós nos pomos a perguntar
que droga é essa
de salteador
se não sabe seguir
nem perseguir
nem assaltar
nem matar?

Fernanda Lima

Fernanda Lima há de ser reverenciada também pela gramática. Se ela estiver em uma foto junto com um arco-íris, deve-se esquecer o masculino plural e dizer, exclamativamente: "Que belas são esses dois."

Soneto de alguém igual porém melhor que eu

Se alguém, que não eu, dissesse
O que eu há muito te digo
Talvez ouvir te aprouvesse
E o tratasses como amigo.

E se ele jeito tivesse
Para conversar contigo
Talvez de ti obtivesse
As graças que não consigo.

Talvez para ele sorrisses
Mesmo que ouvindo as tolices
Que há tempos eu digo a ti.

E ele talvez te entendesse
E teu amor merecesse
Como eu jamais mereci.

Um poema de Emily Dickinson

Seguros, em suas alcovas de alabastro,
Intocados pela manhã
E intocados pela tarde,
Jazem os silentes membros da Ressurreição,
Sob traves de cetim e tetos de pedra.

Acima, no Crescente, passam os anos majestosos,
Mundos escavam seus arcos
E movem-se firmamentos,
Tombam coroas e rendem-se Doges,
Sem ruído, feito pontos num círculo de neve."

(De Poemas escolhidos, tradução de Ivo Bender, publicação da L&PM.)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Objeção

A morte só tem um inconveniente: antes é preciso viver.

Desonra

A maior vergonha para um suicida convicto é morrer de velhice.

Ali, onde

Ali, onde as nádegas dela se alteiam numa correta presunção de beleza, ele julga que seria capaz de deixar por toda a eternidade a mão com a qual escreve. Como a eternidade parece um artifício meramente literário, ele poderia satisfazer-se com menos, um minuto ou dois, para que essa mão devotada aos versos e às rimas soubesse ao menos uma vez a diferença entre a fantasia e a vida.

Teste

O poeta parnasiano testa a pureza das estrelas mordendo-as com sua dentadura de ouro.

Realismo

À sala, onde soa a Quinta, de Beethoven, chegam os gorgulhos da descarga.

Classicismo

É o nome que se atribui a certos modernismos, quando envelhecem.

Linguagem

Algumas vezes, num sorriso breve,
Sem nenhuma palavra nem gemido,
Exercendo a arte do subentendido,
A boca diz o que a alma não se atreve.

Soneto da canção equivocada

Sou eu aquele que, um dia,
Embriagado de grandeza,
Escarneceu da alegria
E enalteceu a tristeza.

Sou eu quem do riso ria
E proclamava a vileza
De quem num sorriso via
Uma expressão da beleza.

Cantei a dor, o tormento,
O valor do sofrimento
E da mortificação.

Errei ah, como eu errei,
Mas já é bem tarde, eu sei,
Para alterar a canção.

O trapaceiro

O amor, como uma balela,
Como um conto do vigário,
Encontra sempre um otário
Para cair na esparrela.

A conversa é sempre aquela,
É tudo sempre ordinário,
Nunca é nada extraordinário,
Resto da mesma panela.

Ele nos furta inclemente,
Com sua cara de indigente
E sua pele de cordeiro.

Na hora de fazer bê-ó,
Na polícia dizem oh,
Mais uma do trapaceiro.






Os meninos

O menino, de uns cinco anos, cochilava no colo da mãe, no vagão do metrô. Abria os olhos, fechava, indiferente. Entrou numa estação, conduzido numa cadeira de rodas pela mãe, um garoto de mais ou menos doze anos, autista. Quando este começou a se agitar como se fosse um baterista, o menino no colo da mãe abriu bem os olhos. Imediatamente sua mãe começou a apontar para a janela, como se lá houvesse paisagem. A mãe do autista, compartilhando essa aflição, colocou-se como uma parede entre os dois. O autista continuou com seus movimentos frenéticos, enquanto o outro, fitando o vidro, esperava uma revelação.

"Hoje", de Djanira Pio

"Houve
o momento ruim
quando o sentido de tudo
fugiu com o vento.
Só a morte salvaria
o grande e pegajoso nada.
Mas o momento passou
como todos os momentos.
Hoje
é o tempo presente
que existe e é bastante."

(Do livro Olhares, publicação da RG Editores.)

Logo

Logo estaremos ali
Onde o sol não mais aquece,
Onde a vaidade se esquece
E onde se lê: jaz aqui.

Acaso

Qualquer bufão, com um arranjo feliz de palavras, pode compor uma frase que soe como profunda filosofia.

Soneto de como pode iludir a voz do amor

Ouvi o amor, e a voz era
Tão bela e tão convincente,
Tão límpida, tão ardente,
Que para mim soou sincera.

Não era, mas parecia,
E tão doce me embalava
Que eu, ingênuo, acreditava
Que mais pura não havia.

Enganando-me, me deu
Tamanha alegria, que eu
Simulo desconhecer

(Por minha felicidade)
Toda a sua falsidade,
E na voz finjo ainda crer.

Passo adiante

Vivi já tudo que pude,
Se bem ou se mal não sei.
Melhor decerto farei
Quando morrer for virtude.

Da arte de falar mal

Os escritores - de um modo geral os artistas - talvez sejam as criaturas mais mesquinhas do planeta. Criticam-se uns aos outros, sempre, e não se limitam aos vivos. Se Pirandello, Proust, Henry James soubessem o que deles diz o vencedor do XXII Concurso de Contos de Barra do Barbante, teriam se esmerado mais na execução e no acabamento de suas obras.

Fracasso

O suicida é um exibicionista que nunca chega a ouvir aplausos pelo seu desempenho nem se dirige à plateia para agradecer.

Coelhinhas

Quem chama de solitário aquele vício menospreza a imaginação do homem, seu instinto gregário e o poder das páginas centrais das revistas.

... ou nunca mais

O suicida é aquele tipo que, havendo falhado em tudo, resolve se conceder uma última chance.

Advérbio imperial

Então Cleópatra se sentiu marcoantoniamente infeliz.

Mais uma epifania de Joyce

"Elas passam em pares e trios em meio à vida do bulevar, caminhando como pessoas que têm folga em um lugar iluminado para elas. Elas estão na confeitaria, conversando, esmagando pequenos sacos de confeiteiro, ou sentadas silentes nas mesas perto da porta do café, ou descendo de carruagens com um buliçoso rebuliço de trajes suaves como a voz do adúltero. Elas passam em um ar de perfumes: sob os perfumes seus corpos têm um cheiro quente e úmido...... Nenhum homem as amou e elas não amaram a si mesmas: elas não deram nada por tudo do que foi dado a elas."

(De Epifanias, tradução de Piero Eyben, publicação da Iluminuras.)

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Na hora do chá

"Que nádegas quentes tu tens, minha querida", disse o pires galantemente à xícara.

Disciplina

Na escola do poeta Mario Quintana, uma das matérias tinha o nome de arte de gorjear.

Soneto dos frutos tardios

Era a estação de colher,
Mas nós dois, tolos, a adiamos
Porque mais doces pensamos
Os frutos depois comer.

Julgávamos merecer
Frutos melhores, e sonhamos,
Enquanto o dia esperamos,
Quão belos iriam ser.

Passou o tempo, a estação
De frutos se foi em vão,
E depois, quando outras vieram,

Vimos que os frutos ansiados
Eram mofinos, mirrados,
E, ai de nós, nem doces eram.

Superfluidade

Nunca digas que amas loucamente. Tolo pleonasmo, esse. A loucura é um atributo do amor.

Uma epifania de Joyce

                                   "[Dublin: no Cabeça de Veado, Dame Lane]

O'Mahony - E aquele padreco ali que
            escreve poesia - Frei Russell?

Joyce - Ó, sim... Ouvi dizer que ele escreveu versos.

O'Mahony - (sorrindo habilmente)... Versos, sim... este é o nome próprio para eles..."

(De Epifanias, tradução de Piero Eyben, publicação da Iluminuras.)

O amor e seus órfãos

Para ele, o amor é como era uma mansão senhorial para os pequenos órfãos de Dickens: fria, inacessível, impenetrável - e sempre exalando um diabólico odor de comida quente.

Do quarto vizinho

Do quarto vizinho começaram a vir sussurros, ganidos de mulher gemendo um nome que identifiquei na sexta ou sétima vez em que foi pronunciado: Homero. Soava falso ali, no hotel de terceira, ainda que de momento a momento a batalha amorosa ganhasse sons épicos, com a cama lançando também interjeições agudas no ar. Homero, continuava a gemer a mulher, acrescentando agora mais, mais, mais. Não conseguindo alhear-me, restou-me participar, incitado por minhas mãos. Me assumi Homero e, quando o homem, fazendo ouvir finalmente sua voz, disse Luana, ai, Luana, ai, eu, inteiriçando-me talvez tanto quanto ele, repeti Luana, ai, Luana, ai, ai.

Furacões

Os meteorologistas são sábios. Darem aos furacões nomes de mulher é uma prova disso. Todo homem tem um furacão que destroça sua vida. O meu chamava-se Priscylla.

Suicídio poético

Dando enfim um uso digno à lei da gravidade, pendurar-se pelo pescoço num galho de macieira e morrer provocando uma avalanche de frutos.

Justo ela

Curioso é que justamente a pessoa que mais censurava minha tendência de me autodepreciar foi quem sempre mais contribuiu para ela, com seus atos, e quem acabou por provar, mais do que cabalmente, que eu estava certo.

Os quatro gatinhos

Eram quatro gatinhos
um feiinho
outro um pouquinho
mais feio
o terceiro
feio demais

O quarto
bonitinho
morreu
de doença pertinaz.

Pacaembu

O grito de gol
na arquibancada
sacudiu o edifício
derrubou um vaso raro
da sacada do apartamento

Caro desperdício

No mesmo momento
o juiz ergueu o braço
e apitou impedimento.

Soneto do tempo futuro

Que possas lembrar de mim
Pelo menos com carinho
Quando o amor chegar ao fim
E eu já estiver sozinho.

E quando eu estiver triste
Que possas ainda em mim ver
Um pouco do que em mim viste
E eu pude te oferecer.

Então, quem sabe, condoída,
Entendas, minha querida,
Que mais amor não te dei

Porque uma vida somente
Não seria suficiente
Para dar-te o que sonhei.

Como uma rainha

Sempre que a vê, ela lhe parece tão poderosa com seu corpo que ele se sente indigno dos seus seios, da sua boca, do seu sexo que imagina suavemente protegido por fios de ouro. Ele fica por uns momentos imaginando como gostaria de encostar os lábios numa de suas orelhas e dizer eutequeromuito e depois, para ser equânime, dizer à outra eutequerodesesperadamente. Enquanto ele imagina isso ela se vai portentosa, caminhando com uma altivez que rainha nenhuma jamais teve na Terra.

Bucólico

Furtar-lhe um fio dourado do tufo úmido, guardá-lo sub-repticiamente e mastigá-lo depois, em casa, como macio capim.

"Os corvos", de Rimbaud

"Senhor, quando os campos são frios
E nos povoados desnudos
Os longos ângelus são mudos...
Sobre os arvoredos vazios
Fazei descer dos céus preciosos
Os caros corvos deliciosos.

Hoste estranha de gritos secos,
Ventos frios varrem vossos ninhos!
Vós, ao longo dos rios maninhos,
Sobre os calvários e seus becos,
Sobre as fossas, sobre os canais,
Dispersais-vos e ali restais.

Aos milhares, nos campos ermos,
Onde há mortos recém-sepultos,
Girai, no inverno, vossos vultos
Para cada um de nós nos vermos,
Sede a consciência que nos leva,
Ó funerais aves da treva!

Mas, anjos do ar, no alto da fronde,
Mastro sem fim que os céus encantam,
Deixai os pássaros que cantam
Aos que no breu do bosque esconde,
Lá, onde o escuro é mais escuro,
Uma derrota sem futuro."

(De Rimbaud livre, tradução de Augusto de Campos, publicado pela Perspectiva.)

terça-feira, 22 de julho de 2014

O mínimo

Quanto mais tempo ouviremos
Falar de nossa ambição?
Por que isso, se o que queremos
É amor, só, e admiração?

Alô, aqui é da editora

Um dia nos chamarão
Para falar da novela
Que nós deixamos naquela
Mais do que antiga ocasião.

Para animar-nos, dirão
Que a velha editora, aquela
Que nos rejeitou, não é ela
Quem convocou a reunião.

Quando o fone desligarmos,
Será hora de buscarmos
Abrir os nossos arquivos.

A novela pode estar,
Mas iremos encontrar
Ainda os personagens vivos?

Instante

No instante em que chutou o banquinho se arrependeu e quis pedir socorro, mas já a corda estrangulava seu grito.

Ponto-final

Com o bilhete já pronto deixado na mesa, tomou os cinco primeiros comprimidos e, sentindo vacilar um pouco a convicção, engoliu rapidamente os outros trinta e cinco e deitou-se, para se abster de correções gramaticais e de estilo.

"Canção da mais alta torre", de Rimbaud

"Inútil beleza
A tudo rendida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! que venha o instante
Que as almas encante.

Eu me digo: cessa,
Que ninguém te veja:
E sem a promessa
Do que quer que seja.
Não te impeça nada,
Excelsa morada.

De tanta paciência
Para sempre esqueço:
Temor e dolência
Aos céus ofereço,
E a sede sem peias
Me escurece as veias.

Assim esquecidas
Vão-se as Primaveras
Plenas e floridas
De incenso e de heras
Sob as notas foscas
De cem feias moscas.

Ah! Mil viuvezas
Da alma que chora
E só tem tristezas
De Nossa Senhora!
Alguém oraria
À Virgem Maria?

Inútil beleza
A tudo rendida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! que venha o instante
Que as almas encante!"

(De Rimbaud livre, tradução de Augusto de Campos, publicado pela Perspectiva.)

Cotação do dia

Eu gostaria de me sentir
um pouco mais velho
um pouco bem mais velho
e merecer mais atenção
um pouco de amor talvez
ou quem sabe
uma amizade
um prêmio de consolação
um afeto
ainda que pouco
mesmo que discreto
mais parecido
com um pouco
bem medido
de compaixão.

O último na escala

O recado que dou às pessoas é quase cristão. Digo a elas que nenhuma jamais se considere o ser mais desprezível do planeta. Esse, por direito, julgo ser eu.

O que pode fazer uma mulher

Sim, uma mulher pode enlouquecer um homem. As mulheres de verdade, que Deus as abençoe, costumam fazer isso.

A corda

Enquanto vertia o último leite para o gato, já trazia na mão esquerda a corda. O gato se inquietou, mas só até o instante em que ele, dizendo tchau, Toninho, vou sentir sua falta, começou a subir para o quarto.

Reverência

Tenho notado, nas livrarias, que as coletâneas de poemas são objetos sagrados. Ninguém sequer as toca.

Decibéis

Os melhores amigos do homem - e também os mais inconvenientes - são os cachorros.

Canção

Tentar fazer tudo bem,
O doce, bom, divertido,
O amargo, duro, sofrido,
Enquanto o câncer não vem.

Força de vontade

Certa manhã, encontrarão o velhinho que não conseguia nem mais abrir suas cartas pendurado pelo pescoço numa gravata de seda extravagantemente escarlate.

Caio Fernando Abreu

Enquanto a chuva babava
E no seu rosto escorria,
Caio Fernando buscava
Sinais de uma epifania.

Presente

Eu poderia me matar por você como se estivesse lhe ofertando uma rosa, se você não fizesse aquele ar de enfado sempre que quero lhe dar alguma coisa.

Daltonianas

As mulheres dos contos de Dalton Trevisan borrifam o corpo com perfumes de camelô e raspam as axilas com a gilete do amante.

O ato de morrer

No ato de morrer deveria haver sempre uma delicadeza livre de espasmos, de babas, de gorgolejos. O ato de morrer deveria ser uma doce omissão.

Soneto em que são banidas as abobrinhas

Enquanto eu olhos tiver,
Que eu não os gaste jamais
Lendo revistas, jornais,
Nem mensagens de mulher.

Eu quero, enquanto puder,
Ler as obras essenciais
Dos grandes gênios mundiais,
Shakespeare, Rousseau, Voltaite.

Nunca mais ler baboseiras,
Textos sem eiras nem beiras,
Recados tolos de amor.

Que Deus me julgue e condene
Se eu voltar ao msn,
Seja a que pretexto for.

O furacão

Não sabe se o fato de o furacão Priscylla ter derrubado também a casa de outros homens há de lhe servir de consolo.

Um trecho de Joyce

   "Ela está noiva. Ela dança com eles no círculo - um vestido branco levemente levantado enquanto ela dança, um borrifo branco em seus cabelos; olhos um pouco desviados, um tênue brilho em sua bochecha. Sua mão na minha por um momento, mais suave do mercado.
   - Você raramente vem aqui agora.
   - Sim, eu estou me tornando uma espécie de recluso.
   - Eu vi o seu irmão noutro dia... Ele é
   muito parecido com você.
   - Sério?
   Ela dança com eles no círculo - uniformemente, discretamente, dando-se a nenhum deles. O borrifo branco fica franzido enquanto ela dança, e quando ela está na sombra o brilho é mais profundo em sua bochecha."

(Do livro Epifanias, tradução de Piero Eyben, publicado pela Iluminuras.)

segunda-feira, 21 de julho de 2014

A representação do amor

Se eu fosse artista plástico, representaria provavelmente o amor como um eunuco diante de uma cama em que, nua, estivesse deitada uma jovem princesa. Ela não estaria como uma messalina. Não teria, nem na mão nem na boca, um cacho de uvas ou uma cereja. Seu olhar seria como o do eunuco, triste, e nos seus lábios estaria a palavra vem. Um de seus braços reforçaria esse apelo. Haveria seda, muita seda na cama, e uma meia-luz conivente. O que se seguiria não estaria na tela, mas a perícia do artista consistiria em insinuar que aquele não era o primeiro encontro da princesinha com o eunuco e que o encanto que tinham desfrutado e voltariam a desfrutar entre as sedas ciciantes era o da união incompleta e agridoce, exaltada como um martírio.

Autoplágio

Tem pensado que, se fizer mesmo o que está pensando, talvez não seja mais que uma repetição. Vem sentindo um incômodo no pescoço, como se uma corda imemorial quisesse fazer-se lembrada.

Soma

Quem ao amor se submete
E às suas ações fortuitas
Precisa contar com as sete
Vidas do gato e mais muitas.

Soneto que diz onde fica a casa do amor

Disseram-nos que era perto
E nós então caminhamos,
Sofremos, nos esfalfamos,
Buscando o caminho certo.

Com o coração sempre aberto
Os rumos nós esgotamos
E quando afinal chegamos
Estávamos no deserto.

Julgávamos estar sós,
Quando ouvimos uma voz
Que ecoou com todo o vigor:

"Mais dois que creem na ilusão
E que procuram em vão
Achar a casa do amor."

Soneto da única alegria

Se tu pudesses perdoar
As mágoas que te causei
E as que talvez haverei
Ainda de te provocar,

Eu poderia explicar
Que sempre que te magoei
Foi apenas porque errei,
Não por querer te magoar.

Querer magoar-te seria
Ferir a única alegria
Que até hoje conheci

(Aquela que me mostraste,
Aquela que me ensinaste
Mas eu jamais aprendi).


Uma tela

Eu seria um menino de três anos, sentado à beira de um rio, numa pintura. Em cima de mim, nuvens diabolicamente escuras. O pintor, ou a pintora, deixaria para dar os últimos retoques no dia seguinte e iria dormir. Deixada às escuras na sala, a tela seria repentinamente atingida por um temporal. De manhã o pintor, ou a pintora, diria: ora, eu imaginava ter pintado um garotinho aqui. Mas não me reporia na pintura.

Um poema de Marina Tsvetáieva

"A roupa branca eu lavo no rio,
Duas florzinhas eu crio.

Toca o sino - eu me persigno,
No tempo da fome - me afino.

A sina e o cabelo - como seda.
Mais cara que a vida - a boa vereda.

Cumpro fiel a minha obrigação.
- Mas amo você - lobo e ladrão!"

(De Indícios flutuantes, tradução de Aurora F. Bernardini, publicação da Martins Fontes.)

Fernanda Lima

Dizer Fernanda Lima deveria ser um exercício que os pássaros jovens fizessem para aprimorar o canto.

Flor

A ideia de suicídio crescia nele com o vagar que têm certas flores para que ao eclodirem na primavera não haja uma lacuna em sua beleza.

Historieta (para o Gianluca e a Nicole)

O gato comeu três dos peixinhos dourados. O quarto e último ficou para contar a história, mas toda vez que abria a boca a água fazia borbulhar as consoantes e as vogais.

Na lista

Tentou demover a Morte, mencionando ter cinco filhos. "Eu sei", disse ela, "e tem também a mulher, e as duas amantes. Estão todos na minha lista."

Penduricalhos

Nos escritores enxundiosos, os substantivos não passam de cabides para pendurar adjetivos.

Esgar

Pendia da trave, enforcado, e sorria como se a corda lhe fizesse cócegas.

Soneto dos convites recusados

Ninguém mais te vem à mesa.
Sabem o que tens a dar
E não querem partilhar
Contigo a tua tristeza.

Cansaram-se de provar
A tua eterna aspereza
No almoço e na sobremesa
E já não querem voltar.

Não há quem o teu convite
Não desdenhe ou não evite,
Sabem todos como és triste.

Expulsa a melancolia
E acolhe em ti a alegria
Ou morre logo, e desiste.

Laranja-baía

Pensa que poderia passar a língua bem de leve no umbigo dela, como se fosse o de uma laranja-baía à qual ele estivesse suplicando que lhe vertesse na boca seu dourado sumo.

Soneto que censura a demasia

Não querer nada é o que conta.
Quem muito quer, com certeza,
Pela lei da natureza
Somente se desaponta.

Eu quis a beleza, e tanto,
Que até um louco veria
Que disso não adviria
Nada além de desencanto.

Se sonhar não traz senão
Tristeza e desilusão,
Que não sonhemos jamais.

Se não queres decepção,
Deves usar a razão:
Querer pouco é já demais.

Uma frase de Gérard de Nerval

"É um erro supor que a simples presença confirma a amizade. Na amizade, como no amor, é preciso liberdade e confiança. Os animais amam-se de perto, os espíritos de longe."

(De Aurélia, tradução de Luís Augusto Contador Borges, publicação da Iluminuras.)

domingo, 20 de julho de 2014

Soneto que exalta a eficiência do carrasco

É fácil de compreender.
Mortais, nossa obrigação,
Havendo ou não vocação,
É apenas a de morrer.

E a nossa razão de ser,
O nosso lema e missão,
É em nome dessa noção
A vida inteira viver.

Sensato é quem tem consciência
De ser essa nossa essência.
Quem diz viver pelo amor

Se engana. O amor é somente,
Para quem quer morte urgente,
Seu melhor executor.

Opção

Direito de escolha
para quê,
e com qual fundamento?

Que importa à folha
qual será o vento
que a levará ao esquecimento?

Sim, eu poderia

Eu poderia, sim, me apaixonar
Por alguém como tu, que me fizesse
Amar, viver, sofrer, e que me desse
A bênção, que não dás, de me matar.

Soneto da mudança

Mal conhecemos o amor,
A ele nos demos inteiros
E fomos seus prisioneiros
Por nosso próprio pendor.

E assim lhe dando o penhor
Amamos seus cativeiros,
E os seus suplícios vezeiros
Louvamos com todo o ardor.

Se agora nós o execramos
E de vileza o acusamos
Não foi porque ele mudou.

Termos hoje outra opinião
Tem só uma explicação:
És pior, hoje, e pior eu sou.

A saída

Se viver custa a passar,
Morrer é a melhor maneira
De o processo acelerar
E acabar com a pasmaceira.

Cotação do dia (VI)

Como ao poeta de Pessoa, há quem diga de nós, afogados em nossas lágrimas e gritando por socorro: "É fingimento dele, ele sempre faz isso. Já já ele sai dando cambalhotas e cantando, vocês vão ver."

Cotação do dia (V)

Chorar como uma donzela dos velhos romances, levada ao claustro pelas desilusões do amor. Chorar como um menino que perdeu na guerra o pai, a mãe e o cachorro cego. Chorar com a força de todos os advérbios, caudalosamente, torrencialmente, tresloucadamente, ridiculamente. Chorar tão desesperada e continuamente que um vizinho, de madrugada, grite se não há quem dê um tiro nesse desgraçado. Chorar tudo e, no entanto, guardar ainda uma lágrima, a única, que matará a sede de nossa alma no dia em que ela nos disser: bom, eu vou embora, chegou o momento.

Cotação do dia (IV)

Deixar, ao lado daquele último bilhete, um caderno de versos. É uma norma de etiqueta um tanto antiquada, que vem dos tempos do romantismo, mas ainda faz chorar corações sensíveis.

www.rubem.wordpress.com

Falo hoje de como pode ser fria uma sopa, de como pode ser triste o mundo - algumas dessas fatalidades das quais os domingos deveriam estar isentos. Aos que têm a vida em melhor conta peço as desculpas de sempre. Tomara que o defeito seja meu, não das coisas. Bom sol para todos.

Cotação do dia (III)

Certas dores mereceriam o consolo de mais de um suicídio. Quatro, cinco, dez - talvez um suicídio semanal, sempre aos domingos.

Cotação do dia (II)

Ser sentimental é a pior coisa que pode ocorrer a um homem.

Cotação do dia

Aquele livro que nunca mais será puxado da estante. Também os livros são pó e ao pó retornarão.

Na corda

O primeiro a vê-lo pendurado no quarto foi seu cachorrinho, que imediatamente se pôs a latir para perguntar-lhe que brincadeira nova era aquela.

Soneto da obediência que se deve ao amor

Às ordens do nosso amor
Sejamos sempre submissos
E a qualquer apelo omissos,
Se apelo dele não for.

Sejam nossos compromissos
Os que ele, nosso senhor,
Quiser propor ou impor
Aos seus mais que fiéis noviços.

Somente a ele guiar-nos cabe,
Pois somente ele, o amor, sabe
O que é melhor para nós.

Na dor ou felicidade,
Tenhamos sempre a humildade
De só seguir sua voz.

Web

A amores tolos, virtuais,
E a coisas do mesmo naipe,
Não dê atenção demais,
Fuja logo, corra, skype.

Soneto dos verões restantes

Mesmo sendo inepto na arte
De contar as estações,
Posso ter, para louvar-te,
Mais quatro ou cinco verões.

São poucos, sei, e também,
Para cantar-te a beleza,
Não tenho nem a arte e nem
A necessária destreza.

Mas enquanto um sol houver
Eu te cantarei, mulher,
Com fogo ou com leve chama.

E, muito ou pouco, verás
Que tudo receberás
De quem para viver te ama.

Logística

Os sábios são esses tolos
Que juntam tantos conceitos
Que, se tivessem mil peitos,
Não saberiam onde pô-los.

Por que não?

Não temos tanto a perder.
Se a vida nos sufocar,
E pretender nos matar,
Por que não condescender?

Na hora errada

Eu não estava preparado para o amor quando ele veio. Pesou no meu ombro menos que um pássaro jovem, mas logo me extenuei. Dele guardei apenas os sons com os quais, por aquele breve tempo, ele encantou meus ouvidos quase surdos e os preparou para o chamado da morte.

Um trecho de Ford Madox Ford

"Deus misericordioso, o que é que todos viam nele? pois juro que aí estava tudo quanto havia nele, dentro e fora; embora dissessem que era um bom soldado. No entanto, Leonora adorava-o com uma paixão que era uma espécie de angústia e odiava-o com uma angústia que era tão amarga como o mar. Como é que ele podia despertar algo como um sentimento em alguém?"

(Do livro O bom soldado, tradução de Duda Machado, publicado pela Editora 34.)

sábado, 19 de julho de 2014

Cotação do dia

Um entorpecimento, um abatimento, uma falta de vontade de viver. Dormir, esquecer, morrer. Que, junto com o corpo, sejam cremados o nome e as lembranças, principalmente as mais venturosas.

Solamente una vez

Querer ser escritor foi um erro. Eu deveria ter me contentado em ser um leitor, assim como um homem, ao conhecer a mulher que lhe parece ideal, não deve nunca ir além do primeiro encontro.

Soneto da indispensável seriedade

O amor nunca foi um jogo,
Nem distração, nem folguedo.
Não brinquem com ele, ele é fogo,
Nunca será um brinquedo.

O amor é um vício, um tormento,
Nos come, nos rói os ossos,
Nos mata de sofrimento,
Ri sobre os nossos destroços.

Se prazer dele esperamos,
Com isso apenas proclamamos
Que não passamos de idiotas.

O amor não é um palhaço,
Na corda bamba é um fracasso
E pífio nas cambalhotas.


Um poema de Marina Tsvetáieva

"Para a minha pobre fragilidade
Olhas, sem dissipar palavras.
Tu és pedra, mas eu canto,
És estátua, mas eu voo levanto.

Eu sei que o maio mais terno
Não é nada, aos olhos do Eterno.
Mas eu sou pássaro - e a mal não leve,
Se sobre mim pousou uma lei mais leve."

(Do livro Indícios flutuantes, tradução de Aurora F. Bernardini, publicado pela Martins Fontes.)

Expressão

Há bundas que dizem mais de um caráter do que um rosto pode fazê-lo.

O Abominável (para o Xico Sá)

No inverno, penso no sofrimento não propriamente do Abominável Homem das Neves, mas da Desventurada Mulher das Neves, quando, à noite, ele lhe percorria preliminarmente o corpo com as mãos.

Soneto das falsas utilidades do amor

O amor é aquele metido
Que tenta nos convencer
De que, sem ele, viver
Não tem razão nem sentido.

Pretensioso, presumido,
Ele quer nos fazer crer
Que sem ele é indigno ter
Respirado ou ter vivido.

Em qualquer lugar, toda hora,
Saúdam sua chegada.
Ou à meia-noite ou à uma

O deixam entrar, embora
Jamais sirva para nada
Nem para coisa nenhuma.

Factual (para o Verissimo)

Jamais brinquemos com os fatos,
Eles são sempre certeiros.
Os últimos ultimatos
Sucedem sempre aos primeiros.

Meio a meio

Se vais plantar ilusões,
Plantar muitas é o que importa.
De cada duas porções
Uma sempre nasce morta.

Se

Se minhas mãos
te mereceram um dia
já tanto tempo faz
tantos anos já morreram
que a memória menos lembra
do que imagina

Eu era ainda um rapaz
eras já quase uma menina.

Soneto da causa que defendi nas passeatas de junho

Só sei dizer que nem eu,
Agora já decorridos
As comoções e alaridos,
Sei o que foi que ocorreu.

Só sei que eu o povo vi
Seus lemas viris entoando
E com ele fui caminhando,
E segui, e prossegui.

Assim fui com a multidão
E, de canção em canção,
Tomamos todas as ruas.

O que a multidão cantava
Não sei. Sei que eu proclamava
Teu nome e as belezas tuas.

No que deu

Sonhei fazer epopeias
E memoráveis sonetos.
Componho só melopeias
E abomináveis quartetos.

Um trecho de J.M. Coetzee

"Não é tolo. Como amante, sua folha não é nada notável, e ele sabe disso. Nunca provocou no coração de uma mulher o que se chamaria de grande paixão. Na verdade, olhando para trás, não se lembra de ser objeto de uma paixão, de uma paixão verdadeira, de nenhum grau. Isso deve revelar algo a seu respeito. Quanto ao sexo em si, estritamente falando, o que ele provê, desconfia, é bastante escasso; e o que recebe de volta é escasso também. Se alguém tem a culpa, é ele mesmo. Pois, na medida em que lhe falta ânimo, em que se preserva, por que a mulher não haveria de se preservar também?
   Sexo é a medida de todas as coisas? Se fracassa no sexo, fracassa em todo o teste da vida? As coisas seriam mais fáceis se isso não fosse verdade. Mas, quando olha em torno, não vê ninguém que não se apavore com o sexo, a não ser, talvez, alguns dinossauros, remanescentes da era vitoriana. Mesmo Henry James, na superfície tão respeitável, tão vitoriano, tem páginas em que sombriamente insinua que tudo, afinal, é sexo."

(Do romance Juventude, tradução de José Rubens Siqueira, publicado pela Companhia das Letras.)

sexta-feira, 18 de julho de 2014

História (para o Peninha)

Eu em história sou fraco:
O que fazia um eunuco,
O que fazia um calmuco,
O que fazia um cossaco?

Gps

Traçada está minha sina.
Meu gps, travado,
Aponta só para um lado:
Aqui vou eu, Vila Alpina.

Soneto de quem, morto, não te proclamará

Se eu morrer, quem te dirá
De maneira tão singela
Que mulher assim, tão bela,
Não há nem nunca haverá?

Quem será tão inocente
Que ao tua graça proclamar
Fará teu olhar rimar
Com esplendorosamente?

Quem, sendo embora verdade,
Chamar-te, amada, ousaria
De mais brilhante dos astros?

Por essa temeridade
Detenho já a honraria
De poetastro dos poetastros.

Soneto das súplicas risíveis

As súplicas e os apelos
Que pelo amor eu fazia,
Melhor, bem melhor seria,
Se nunca viesse a fazê-los.

Eu os fiz, porém, e tê-los
Feito quando não devia
Tornou-me alvo da ironia
E já não posso esquecê-los.

Como esquecê-los, se cada
Lamúria por mim lançada
Ainda me fere a autoestima?

Como apagá-los irei,
Se com eles me degradei
E fiz do amor pantomima?

Um soneto de Shakespeare

"Quando a hora dobra em triste e tardo toque
E em noite horrenda vejo escoar-se o dia,
Quando vejo esvair-se a violeta, ou que
A prata a preta têmpora assedia;

Quando vejo sem folha o tronco antigo
Que ao rebanho estendia sombra franca
E em feixe atado agora o verde trigo
Seguir o carro, a barba hirsuta e branca;

Sobre tua beleza então questiono
Que há de sofrer do Tempo a dura prova,
Pois as graças do mundo em abandono
Morrem ao ver nascendo a graça nova.

Contra a foice do Tempo é vão combate,
Salvo a prole, que o enfrenta se te abate."

(Tradução de Ivo Barroso, de Obra completa, publicação da Editora Abril.)

Cotação do dia (II)

Aquele gato perdido ao qual deram leite e, depois de examiná-lo bem, largaram de novo na rua porque eram afiadas suas garras e o sofá era novo.

Cotação do dia

Sou, dos quatro cachorrinhos, aquele que ficou para trás na mudança e que, lembrado dois dias depois, provoca o comentário: ah, deixa ele pra lá, quem manda ser burro e perneta?

Soneto das astúcias que o amor emprega

O amor é aquele estrangeiro
Que chega um dia, banido
Do seu país, foragido,
Tão manso quanto um cordeiro.

Diz ser bom, pacato, ordeiro,
E se for bem recebido
Garante estar decidido
A ser nosso por inteiro.

Daí a um mês, ou um dia,
A ele já pertencerá
Tudo que nos pertencia.

Modesto, dirá que não
E até nos garantirá
Que é apenas nossa impressão.

Relógio

Que, quando chegar seu dia de vir, a Morte não se faça esperar, como tantas namoradas, e não dê a desculpa da chuva.

Contrassenso

Em Beckett, todo bom-senso
Existe como exceção
Ou mera contrafação
Das normas do contrassenso.

Norma

Como um defunto, ou mais frio,
Cheio de morte e desdém,
Fitar o amor e também
A face louca do cio.

Millôr talvez

Millôr talvez tenha dito. Se foi ele, vale ainda mais o plágio: urinar é um ato líquido e certo.

Soneto dessa seita denominada amor

Assim como a religião,
O amor nos promete glórias,
Conquistas mil, mil vitórias,
E a graça da redenção.

De nós não cobra senão,
Com suas artes finórias,
Obrigações irrisórias
Como a total submissão.

Assim como faz um crente
Nos damos inteiramente
E nos deixamos sugar.

Quando a miséria beiramos
Ele diz, se nos queixamos:
Ao bispo vá se queixar.

Descrédito

Que coisa ridícula, essa.
Promete os pulsos cortar,
Na corda se pendurar,
E fica só na promessa.

Um poema de Marina Tsvetáieva

"Num mundo, onde cada
É curvo e sebento,
Conheço alguém
Como eu resistente.

Num mundo onde tantos
Tanto queremos,
Conheço alguém
Como eu poderoso.

Num mundo onde todos -
Podridão e hera,
Conheço alguém
Como eu verdadeiro -

Tu."

(De Indícios flutuantes, tradução de Aurora F. Bernardini, publicado pela Martins Fontes.)


quinta-feira, 17 de julho de 2014

A chance

Se nos matássemos na hora
Em que podíamos, não
Nos mataria a aflição
Que aos poucos nos mata agora.

Soneto que ousa colorir amores fanados

Amores tristes, falhados,
Amores meigos e ternos,
Que com pretensão de eternos
Viveram dias contados.

Amores que se julgaram
Perenes em sua história
E já nem mais na memória
Vivem dos que os abrigaram.

Amores prosaicos, tolos,
Quem pôde especiais supô-los,
Amores pobres, de quinta?

Só eu, gorados amores,
Para enfeitá-los de cores
Ainda gasto minha tinta.

No asilo

Nas noites de inverno, o frio mal espera que os velhinhos desfrutem o breve calor de sua urina solta, e já se enfia sob os cobertores com seus dedos punitivos.

Soneto daquele vilão chamado amor

O amor é como um vilão
De filme, palco ou novela
Que sobrevive a eles e a ela
Após sua conclusão.

Mil e uma mortes lhe dão
No livro, no teatro ou tela,
Uma sempre pior que aquela,
Todas, porém, sempre em vão.

Toda vez que é castigado,
Que é morto e que é sepultado,
De alívio nós suspiramos.

Mas logo volta a atacar
E se não vem nos chamar
Somos nós que o procuramos.

Um trecho de "Elizabeth Costello", de J.M. Coetzee

"'O que não ficou claro para mim', o homem está dizendo, 'é o seu verdadeiro objetivo. Está dizendo que devemos fechar as fazendas industriais? Está querendo dizer que devemos parar de comer carne? Ou que devemos tratar os animais mais humanamente, matá-los mais humanamente? Ou que devemos parar de usar animais em experimentos? Ou que devemos suspender experimentos com animais, mesmo experimentos psicológicos benignos como o de Köhler? Poderia nos esclarecer melhor? Obrigado.'"

(Tradução de José Rubens Siqueira, publicação da Companhia das Letras.)

Cotação do dia (X)

Uma palavra tão fétida que, dita, espanta os urubus.

Cotação do dia (IX)

Um nome que não se diz em tal casa, porque as paredes começam a porejar sangue.

Cotação do dia (VIII)

Um absorvente que, escapando do lixo recolhido à noite, faz a festa das moscas sob o majestoso sol matinal.

Cotação do dia (VII)

Uma gota de sangue na calçada, deixada pelo bofe que a dona do cachorrão, inimiga de rações, foi buscar para ele no açougue.

Cotação do dia (VI)

A urina de um cachorro louco escorrendo por um poste pichado da periferia.

Cotação do dia (V)

Uma cusparada de bêbado onde se afogam uma formiga e a asa de barata que ela ia levando para o formigueiro.

Cotação do dia (IV)

Uma dessas lembranças que desafiam os anos e o Alzheimer. Um enforcado dentro do porão onde um garoto foi procurar uma bola.

Cotação do dia (III)

Não o cachorro pulguento. Suas pulgas.

Cotação do dia (II)

Um morto jogado numa caçamba que ninguém virá esvaziar senão na terceira semana de agosto, no dia 18 ou 19, quando avisarem Márcio Canuto.

Cotação do dia

Sinto-me como um morto sentado há cinco dias num banco de praça. Esqueceram de vir pegar-me e já ninguém me estranha. Acostumaram-se comigo e, como as flores disfarçam meu cheiro, já há quem, sem discriminação, se sente ao meu lado nas manhãs de maior movimento.

Contabilidade (para o Verissimo)

Afinal
para quem
estando em coma
um dia também
a outro se soma
ponto a ponto
na conta final
ou alguém
pensando bem
concede um desconto?

Inutilidades

Há quem se atire a escaladas alpinas, há quem dirija a 300 km por hora, há quem ande funambulescamente entre edifícios, a 500 metros de altura. Não sabem que há muito a Morte se modernizou e já trabalha no sistema de delivery.

Soneto dos tempos amenos e mentirosos

Que vãs são as alegrias
Com que nos ilude a vida
Naquela fase florida
Dos nossos primeiros dias.

Eu ria, lembras?, tu rias,
E na esperança fingida
E na ventura incontida
Eu cria, e tu também crias.

Vivemos como viveu
Ou como queria, ao menos,
O Casimiro de Abreu.

Me lembro, lembras também?,
Daqueles tempos amenos
Que nos mentiram tão bem.

Soneto do rio caudaloso

Foi há três anos, eu acho,
Um pouco menos ou mais,
Que o amor nasceu como um riacho
Com suas águas vernais.

Fluía leve, ligeiro,
Pacífico até demais,
Sem pretensões a ribeiro
Ou ribeirões colossais.

Depois, repentinamente,
Engrossou sua torrente
Com as fortes chuvas do estio.

E agora, já presunçoso,
Arremessando-se impetuoso
Deságua em mim como um rio.

Cartografia

Houve dias em que talvez
enquanto alguém com a mão
buscando o mútuo prazer
teu corpo percorria
eu com a imaginação
tentava percorrer
a mesma geografia

Nesses dias
talvez tenhas sentido
além do contato
da mão quente
o tato da mão fria
da minha frustração
e da minha agonia.

O sobrevivente

Das lutas pelo amor
ele sempre volta feliz

Cansado
ferido
estropiado
vencido

Mas olhando
para ele
para o rosto ensolarado
ninguém diz.

Momento

Quando ela pisca, se é noite, parece que uma estrela palpita.

Dois parágrafos de Virginia Woolf

"Eles se casaram. Chegou ao fim a marcha nupcial. Os pombos bateram asas. Garotinhos com casacos de Eton jogaram arroz; no meio do caminho saracoteou um fox terrier; e Ernest Thornburn conduziu sua noiva ao carro por entre o pequeno e inquisitivo aglomerado de completos estranhos que sempre se forma em Londres para desfrutar da felicidade ou infelicidade dos outros. Por certo ele tinha boa aparência e ela aparentava ser tímida. Mais arroz foi jogado e o carro partiu.
   Isso foi na terça-feira. Hoje era sábado. Rosalind tinha de acostumar-se ainda ao fato de agora ser mrs. Ernest Thornburn. Talvez nunca se acostumasse ao fato de ser senhora Ernest Fosse-o-que-fosse, pensava ela sentada na janela arcada do hotel que dava para o lago e as montanhas, esperando seu marido descer para o café. Era difícil se acostumar a um nome como Ernest. Não, não era o nome de sua preferência. Se pudesse, teria escolhido Timothy, Antony ou Peter. Além do mais ele não tinha cara de Ernest. Tal nome sugeria o Albert Memorial, móveis de mogno, gravuras em metal do príncipe consorte e família - em suma, a sala de jantar da sogra dela em Porchester Terrace."

(Do livro Contos completos, tradução de Leonardo Fróes, publicação da Cosacnaify.)

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Soneto da hora tardia

Podemos já nos deitar.
Toda a cidade já dorme
E a nossa tristeza, enorme,
Merece já descansar.

Depois de tanto insistir
Sem ter resposta do amor,
Vamos ninar nossa dor,
Vamos fazê-la dormir.

Se formos chorar, choremos
De forma que só molhemos
Nosso próprio travesseiro.

Se chegar de madrugada,
Que não reclame de nada
Aquele vil trapaceiro.


Amante é...

Amante é sempre um cretino,
Ou então uma cretina,
Que aceita ser nossa sina
E reger nosso destino.

Fernanda Lima e a essência da vida

Fernanda Lima é o arroio
Que corre solto, radiante,
É o trigo isento do joio,
O rosto puro do infante.

É o passo adiante, o seguinte,
Que leva à terna paisagem
Que pede ao pintor que a pinte
Antes de seguir a viagem.

Fernanda é o sol no esplendor,
Jorrando luz e calor,
E do verso é a melhor rima.

Fernanda é a essência da vida,
A sua exata medida
E tudo que a exalta e anima.

Um poema de Roberto Piva

"VISÃO ANTROPOLÓGICA DO CANTO DA JANELA
   PRISMADA EM GELEIA-CORAÇÃO NO VINHO
   DE MARÇO (o mês mais terrível)
        novos animais de rapina
OS OLHOS DO MEU AMANTE OS OLHOS DO
       MEU AMANTE
               galáxias internas
       no fundo  cor-de-rosa do chocolate eu te respiro
            nas tripas só com os mortos & seus travesseiros de
          flores
            nas tripas extravagantes meu amor atrás das vitrinas
                 só com os mortos o universo é um espirro
              no útero da maçã
                     tudo começa
                         anoitecer
                    cheio de energia"

(De Antologia poética, publicada pela L&PM.)
 

Um sol

Um sol como este de hoje, esplêndido, seduziu um dia uma fragata e a levou pelo caminho das ondas a um abismo onde poderíamos vê-la hoje, se ela pudesse ser vista.

Saudade

Há muito, já, que não vivo
Tão feliz quanto vivi
Quando fui do amor cativo
E sob seu jugo sofri.

Que no asilo

Que no asilo haja uma horta em que eu e os demais possamos plantar nossas alfaces. Que o sol de Van Gogh nos venha ver diariamente e que seus girassóis se transformem em borboletas que possamos chamar pelos nomes. Que haja corvos, também, que dialoguem conosco, embora já estejamos meio surdos, e que, se um dia sentirmos a falta de uma das orelhas, saibamos que fomos finalmente admitidos no âmago da familiaridade, e que nosso irmão Theo venha nos visitar sempre e traga um pouco de fumo e balinhas de hortelã para enganarmos o olfato das irmãs de caridade.

A lição

O maior ensinamento que o amor nos proporciona é falso como ele. Cedo aprendemos a fingir que amamos estar na gaiola em que ele nos mantém. Ele nos mente, dizendo que nos prende por afeto, e nós lhe devolvemos a mentira, assegurando que a prisão é a nossa felicidade. É um dos jogos humanos de maior sucesso. De vez em quando um tolo, ou uma tola, acredita na honestidade dessa farsa e adoece. Uns chegam a enlouquecer, outros se matam. Esses não leram as instruções do fabricante.

Engana-trouxas

O amor é como a véspera do dia
Em que morremos. Tudo é corriqueiro,
Tudo muito habitual, alvissareiro:
O eterno simulacro da alegria.

Soneto em que canto tuas qualidades

Os anos não te mudaram,
Deus sempre igual te mantém.
Teus olhos hoje me olharam
Com aquele antigo desdém.

Teus lábios nada falaram,
Graças a Deus, ainda bem.
Calando-se, me pouparam
De me humilharem também.

Na boca e no olhar manténs
O que de mais rico tens
E constitui tua essência:

O teu orgulho feroz,
A tua inclemência atroz,
A tua crua coerência.

A essência de Beckett em três frases

"Tentar outra vez. Falhar outra vez. Falhar melhor."

(De Fioravante marche, tradução de Miguel Cardoso Esteves, publicado pela Gradiva, Lisboa.)

terça-feira, 15 de julho de 2014

Soneto da busca do ouro e do que dela resulta

Aos olhos dos indigentes
O amor é uma arca sagrada
De prata e ouro abarrotada
E moedas resplandecentes.

Buscando essa arca dourada
Esses tolos inocentes
Se lançam, inconsequentes,
À aspereza da jornada.

Quando à arca chegarem, se
Chegarem, nela verão
Uma caveira que, fria,

Lhes perguntará por que
Tanto esforço e obstinação
Por tanta bijuteria.

Trëma

Seja com trëma ou sem trema,
O amor não há quem o aguente.
É estúpido, tolo, doente,
Não vale o sangue de um poema.

Deu

Que outros se matem por ti.
Quando não sobrar nenhum
E te servir um comum
Eu estarei por aqui.

Para quê? (para o Verissimo)

Poetas vivem querendo morrer.
Morrer por quê, morrer para quê?
Defuntos não praticam desportos
E não comem feijoada nem mortos.

Fernanda Lima

Fernanda Lima é assim: tudo
Que é dela tem o seu jeito,
Sempre o melhor, o perfeito,
Na forma e no conteúdo.

U e is

Enquanto os colibris
exultantes
vão pondo pingos nos seus is
os urubus
gramáticos diletantes
vão pondo acento no seu u.

Um poema de Roberto Piva

                     "(para o Carlinhos)

vou moer teu cérebro, retalhar tuas
            coxas imberbes & brancas,
     vou dilapidar a riqueza de tua
                     adolescência, vou queimar teus
                     olhos com ferro em brasa.
               vou incinerar teu coração de carne &
                        de tuas cinzas vou fabricar a
                        substância enlouquecida das
                              cartas de amor.

                                                          (música de
                                                  Bach ao fundo)"

(De Antologia poética, publicada pela L&PM.)

Cotação do dia com riminha enrustida

Sente-se morto há tanto tempo que já se acha merecedor de homenagens: talvez uma missa de quinto ano, quem sabe o posto de decano.

Coisas

Quando começa a chover, ele vai ao quintal, arma as mãos em concha e toma um gole. É por coisas assim que o consideram esquisito. Outras: lê poesia e acredita que as estrelas nasçam de lágrimas de amor.

Bizarria

Que bizarro eu sou falando de amor, como um cego descrevendo o arco-íris.

Empáfia

O amor é a futilidade mais metida a besta que eu conheço.

Crenças

Acreditar em Deus dá muito menos prejuízo do que acreditar no amor.

Na Cobasi

A mulher puxa o cachorro, que reluta em seguir. "Vem, Gabriel. Que preguiça, ô!"
Uma menina pergunta: "O nome dele é Gabriel?"
"É, que nem o do anjo. Vem, peste, vamos."

Artista

Pelo temperamento que tenho, imagino que pudesse ter sido um artista se me houvessem espancado na infância, me alimentado só de pão e água e me feito treinar dezesseis horas por dia com argolas. E, se eu tivesse me apaixonado pela bailarina do circo e ela me rejeitasse, então eu seria insuperável.

Soneto da cruz e de quem a carrega

Não há mais perda nem dano,
Não há mais dor nem pesar
Que possa me provocar
O meu coração insano.

Há muito, já, de ano em ano,
Sem nem um grama poupar,
Ele me faz suportar
A cruz do tormento humano.

Tudo, eu lembro, começou
Quando ele o amor conheceu
E ao seu jugo se curvou.

Desde esse nefasto instante,
A cruz que ele me impôs e eu
Somos um só caminhante.

Um trecho de Friedrich Hölderlin

"Chegam imperceptíveis, ao seu encontro
Se dirigem as crianças; a felicidade é excessiva e cega-nos
E o homem recua, mesmo um semideus mal consegue dizer
Os nomes daqueles que com dádivas dele se aproximam.
Mas eles transmitem ânimo e as suas alegrias
Enchem-lhe o coração e, confundido, não sabe como dispor desse bem,
Cria, é pródigo e o profano torna-se sagrado,
Pois ele o toca loucamente, benignamente, abençoando-o.
Durante um tempo os deuses permitem-no; depois são eles
Que aparecem de verdade e os homens à felicidade e ao dia
Se habituam e a contemplar os revelados, o rosto
Daqueles desde há muito nomeados como o Uno e o Todo,
Os que encheram de livre plenitude os peitos silenciados,
Os únicos capazes de saciar todos os anseios;
Assim é o homem; quando o bem lhe chega e até um Deus cuida dele
Enchendo-o de dons, não o reconhece e não quer saber.
Tem, antes, que sofrer; depois, quando  nomeia o que ama,
Nada pode impedir que as palavras surjam como flores."

(Do livro Elegias, tradução de Maria Teresa Dias Furtado, publicado pela Assírio & Alvim, Lisboa.)

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Placa no Jardim Europa

"Acesso permitido somente a leões rampantes."

Menino

Garimpa o nariz e vai atirando as pepitas ao chão.

Soneto do idiota que por amor morre

Se alguém diz que de amor morre
Em longa angústia e agonia,
Já ninguém mais o socorre,
Já ninguém mais o alivia.

Hoje a ninguém mais ocorre,
Nesta época sem poesia,
Que dura e crua transcorre,
Que o amor a alguém angustia.

Quem por amor diz morrer,
E morre, só pode ser
Ou idiota ou psicopata.

Pois que outro nome terá
Quem não sabe que o amor já
Há dois séculos não mata?

Inquérito

Nós o intimamos, pedimos
Explicações e respostas,
Mas em vão. Quando insistimos,
O amor nos voltou as costas.

En français

Morrer não de doce amor,
Morrer de mauvais amour,
Ouvindo seja o que for,
Desde que seja Aznavour.

Um poema de Omar Khayyam

"Quando a aurora surgiu com suas mãos radiantes,
Escutei na taverna uma voz conhecida:
'Desperta, meu amigo, e encha-se a taça, antes
Antes que seque em sua taça o vinho desta vida.'"

(De Rubaiyat, tradução de Jamil Almansur Haddad, publicação da Biblioteca Universal Popular.)

Socrático

Foram muito bons os passos que deste no rumo do autoconhecimento: não sabes ainda direito o que vales, mas o que não vales já sabes até bem demais.

Soneto da derrota bem-vinda

Depois de tanto cansaço,
De tanto tempo perdido,
De tanto sangue vertido,
Só obtivemos fracasso.

Cuidamos de tudo, passo
A passo, tudo medido,
Tudo certo, definido,
Linha a linha, traço a traço.

Foi bom sermos derrotados.
Os nossos corpos cansados
Como iriam suportar -

Se no final dessa história
Tivéssemos a vitória -
A vitória festejar?

Soneto da tristeza vilipendiada

Se eu ajo como um menino,
E se por tudo ou por nada
Dou sempre uma gargalhada,
Eu me detesto e abomino.

E se, depois de uma piada
Ou de um dito fescenino,
Eu digo isso é bom, é o fino,
Minha alma geme, humilhada.

Buscando o belo, o indizível,
Cheguei ao tolo, ao risível,
Caí de minha grandeza.

Depois de tanto a enganar
Poderei ainda encarar
Minha traída tristeza?

O duelo

Enquanto o duque de C. e o conde de D. se batiam em duelo, a duquesa de C., por quem os dois acabariam mortos no final, queixava-se do desconforto do vagão do trem no qual fugia com um arruinado fidalgo polonês e pedia a ele que, se a amasse mesmo, a abanasse com o leque, em vez de ficar tentando mordiscar-lhe inabilmente os lábios.

Jaculatória

Vos peço, rimas afáveis,
Que deis aos meninos pulcros
Os mais bonitos sepulcros
E s mortes mais agradáveis.

E que quanto antes mateis
Também as belas garotas
Filhas de putas escrotas
Ou descendentes de reis.

Que possam jovens morrer
Antes de o amor conhecer,
Com suas dores e penas,

Ou que possais, rimas ternas,
As normas do amor eternas
Tornar mais doces e amenas.

Eufemismos

Quantas vezes, em todos os tempos, os olhos, os lábios e os cabelos das amadas foram cantados e decantados porque aos poetas faltou coragem, ou sobrou delicadeza, para nomear aquilo em que realmente pensavam.

Um trecho de J.M. Coetzee

"Londres é cheia de garotas bonitas. Elas vêm de todo o mundo: como au pairs, como estudantes da língua, simplesmente como turistas. Usam o cabelo em forma de asas sobre as faces, sombra escura nos olhos; têm um ar de suave mistério. As mais bonitas são suecas altas, de pele cor de mel; mas as italianas, de olhos amendoados e miúdas, também têm seu encanto. O ato amoroso italiano, imagina, deve ser intenso e quente, bem diferente do sueco, que seria sorridente e langoroso. Mas será que um dia terá a chance de descobrir de fato? Se conseguisse juntar coragem para falar com uma dessas lindas estrangeiras, o que iria dizer? Seria mentira se se apresentasse como matemático e não apenas como programador de computadores? Será que as atenções de um matemático impressionariam uma garota da Europa, ou seria melhor dizer que, apesar do exterior sem graça, ele é poeta?
   Leva um livro de poesia no bolso, às vezes Hölderlin, às vezes Rilke, às vezes Vallejo. No trem, tira ostensivamente do bolso o livro e se absorve nele. É um teste. Só uma garota excepcional apreciaria o que está lendo e reconheceria nele um espírito excepcional também. Mas nenhuma garota nos trens presta atenção nele. Isso parece ser uma das primeiras coisas que as garotas aprendem quando chegam à Inglaterra: não prestar atenção nos sinais dos homens."

(Do romance Juventude,  traduzido por José Rubens Siqueira e publicado pela Companhia das Letras.)


domingo, 13 de julho de 2014

Guinness

Saltou do viaduto
e não morreu mas
matou três na descida

Mais um minuto
pegaria a saída
do bailinho semanal
e seriam muitos mais -
recorde mundial.

Simples

O amor não requer prática nem habilidade. Um pouco de tolice basta.

Custo-benefício

Apesar de toda a autopropaganda, o amor é uma forma de perder tempo como outra qualquer.

Porto

Literatura, meu porto,
Que busco sem encontrar,
A ti receio aportar
Só quando já estiver morto.

Soneto da falência feliz

Do amor eu fui tributário
E, provedor obstinado,
Dava-lhe todo o salário
No dia adrede acertado.

Com ele fui tão perdulário,
Tão mão-aberta e largado
Que me chamava de otário
Quem conhecia o meu fado.

Porque ao amor tudo dei
A minha quebra previram,
E estavam certos. Quebrei.

Maravilhoso, esse dia.
Muitos homens já faliram,
Nenhum com tanta alegria.

Um poema de Mariana Ianelli

"Eu quis o mar, o porto de águas mornas,
Um desvão onde guardar minha ansiedade.
Larguei-me na amplitude da corrente
Que tragava as embarcações desorientadas.
Na largura da noite altaneira, o meu intuito:
Depositei em uma estrela miúda o segredo da viagem."

Farsa

Estamos mortos faz tempo.
Mas, como nem nós notamos,
Continuamos, respiramos,
Não causamos contratempo.

Como foi

Então nós fomos levados
a um lugar distante
descampado

Soubemos haver chegado o fim
quando o Amor
disse à sua tropa
é aqui

Quando os soldados apontaram
as carabinas
depois do grito de atenção
a manhã ainda era uma menina
e fechou os olhos
para a execução.

O amor, sábado, às 17h30

Depois da época dourada
O amor vive ingrata fase.
Sua seiva morta, gorada,
É exemplo agora de estase.

O fruto

Quando já era o único fruto da árvore e parecia destinado, como os anteriores, a cair, foi descoberto no fim de uma manhã por um passarinho peregrino e voraz que amorosa e intensamente o bicou até que, ao chegar a tarde, ele não fosse senão a lembrança de algo já quase podre que havia estado no galho e que, redimido e levado por um par de asas, rumava agora para algum lugar do horizonte,