domingo, 31 de agosto de 2014

Poderes

Uma mulher pode não incitar um homem a ir buscar a lua para ela, mas pode fazê-lo beijar a verruga no dedinho do pé esquerdo.

A causa

Comecei a enlouquecer na noite em que provei o sabor do esmalte nos pés de Palméria Martinova Messiodora.

Cotação da noite

A certeza de que, por piores que sejamos, há sempre alguém para quem somos um gato sonso que engolirá o veneno como se fosse um biscoito molhado no leite.

Aquário

Ninguém nos afoga mais carinhosamente que o amor. Estamos já mortos, e ele ainda nos empurra a cabeça mais para dentro e sugere que observemos a beleza dos peixinhos vermelhos.

Voluntários

Tantas doenças no mundo. Quem nos injetará nas veias o maravilhoso vírus do amor?

Patente

O amor impôs exclusividade à minha garganta, e ela só diz o seu nome.

Resposta

Disse amor olhando para o céu, e sua boca instantaneamente se encheu de estrelas.

Horizonte

Dar-se inteiro não bastou. Foi suficiente apenas para o começo. E o amor é sempre longo, como todos os infortúnios.

O chicote

Pelo prazer do castigo, transgredimos as normas que o amor nos impõe. Se ele tenta ser magnânimo e diz não saber onde está seu chicote, nós o achamos, ainda que ele o tenha escondido na última das gavetas, ali onde guarda também o certificado de propriedade do nosso corpo e da nossa alma.

"Com o tempo a sabedoria", de W.B. Yeats

"Embora muitas sejam as folhas, a raiz é só uma;
Ao longo dos enganadores dias da mocidade,
Oscilam ao sol minhas folhas, minhas flores;
Agora posso murchar no coração da verdade."

(De Uma antologia, tradução de José Agostinho Baptista, publicada pela Assírio & Alvim, Lisboa.)

Obsessão

Quem fala sempre de um só assunto é enfadonho ou obcecado. A única exceção admitida é o amor.

Escárnio

"Uma rosa para uma flor", ele disse, enquanto ela reunia todo seu sarcasmo para uma gargalhada retumbantemente definitiva e triunfal.

Recíproca

Se o amor soubesse quanto o amamos, leria com mais atenção nossos sonetos e não deixaria morrer os cisnes que colocamos nas chaves de ouro.

Fernanda Lima

Se Fernanda Lima peca em alguma coisa, é pelo exagero: é bela demais, como só alguns sonhos conseguem ser.

Priscylla

Priscylla Mariuszka Moskevitch sempre me tira do sério, embora nunca me faça rir.

Cores

Solitária, esquecida pelo amor, acolheu um gato cinza. Foi há três meses. Chorou tanto sobre o gato que hoje ele é branco.

Soneto dos fantasmas que me atormentam

Enquanto durmo, não sei
Nem quero saber de Dante,
De Tolstói, Cabrera Infante,
De Scott e nem de Hemingway.

Enquanto durmo, eu espaços
Não abro para Flaubert,
Para Pascal ou Voltaire,
E nem para John dos Passos.

Enquanto durmo, eu me isento
Do inenarrável tormento
Que impõe a literatura.

Mas quando acordo vêm Eça,
Machado, Agustina Bessa,
E recomeça a tortura.

Tweeter

Novos amigos, todos os dias. Falar com eles, mesmo sem vê-los. Dar descanso à nossa loucura, farta já de nossas palavras. Espalhar o vírus do amor e da poesia.

A causa

Entre tantas causas, o amor é aquela que mais me fascina. Por ele rio como um tonto e choro como uma donzela.

Sectarismo

Se Pascoala Marinetti Messenger fosse a sacerdotisa de uma seita, eu seria o mais fanático dos seus seguidores e morreria por ela na fogueira.

www.rubem.wordpress.com

A crônica de hoje fala de meninos que conhecem dinossauros mas nunca viram um porco ou uma vaca.

Peculiaridade

Mario Quintana não cortava a barba, aparava as penas.

Identidade

Certas manhãs, ainda sob as névoas do sono, Mario Quintana estranhava, ao se olhar no espelho, não ver o seu bico.

Calendário

Em Porto Alegre, a primavera só começava oficialmente depois do gorjeio de um pássaro e de um verso de Mario Quintana.

Caos

No início era só o verbo, e tudo era fácil. Depois a gramática começou a se enroscar em substantivos, adjetivos e advérbios. Era já o prenúncio da crase.

Motivo

Não foi o amor que me fez tolo. Quem me dera...

Um trecho de Rosa Montero

"Por que um escritor perde o rumo? O que leva um romancista maravilhoso a se afundar para sempre no silêncio como quem afunda num pântano? Ou, coisa pior, mais inquietante: que motivo leva um bom narrador a começar de repente a escrever obras horrorosas?
   Muitos, sem dúvida, são destruídos pelo fracasso. O ofício literário é extremamente paradoxal: é verdade que você escreve em primeiro lugar para si mesmo, para o leitor que tem dentro de si, ou então porque não pode evitar, porque não consegue suportar a vida sem entretê-la com fantasias; mas, ao mesmo tempo, você precisa peremptoriamente ser lido; e não por um único leitor, por mais refinado e inteligente que ele seja, por mais que você confie em seu critério, e sim por um número maior de pessoas, muito maior, na verdade muitíssimo mais gente, uma horda populosa, porque nossa fome de leitores é uma avidez profunda que nunca se sacia, uma exigência sem limites que beira a loucura e que sempre considerei muito curiosa."

(Do livro A louca da casa, tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman, publicado pela Ediouro.)

sábado, 30 de agosto de 2014

Simbiose

Nunca vi o profano parecer tão sagrado quanto na tarde em que Pathyna Maleva Melkidisian vestiu a camisa do Corinthians.

Voo

Se um dia Plácida Mangels Mentirovska passar voando, criarei asas na hora, ou maldirei Deus.

Pelos três

O amor é aquele blá-blá-blá, sempre. E nós somos os mesmos, sempre: aqueles dispostos a morrer pelo blá, pelo blá e pelo blá.

Equívoco

Engana-se quem pensa que o poeta quer exprimir o amor. Ele quer apenas sofrê-lo, sentir o suplício dos seus dois mil quatrocentos e quarenta e cinco espinhos.

Inquisição

Se Prymula Martucci Martelli for levada a um tribunal por feitiçaria, serei a primeira testemunha de acusação. Deixarão um sapo depor?

Cotação do dia (5)

No início desagradou-lhe ser tolo, ter sido escarnecido e zombado. Acostumou-se com isso, assim como ela, que escarneceu dele e dele zombou, está dia a dia mais feliz com o papel que desempenhou na farsa.

Lírica

Ele a beijaria sob uma árvore, e um violino alcoviteiro convocaria um arco-íris a aparecer no parque.

Cotação do dia (4)

Não há finais felizes para o amor. Ou ele está em construção ou já está destruído. O amor está sempre por se fazer, nunca se perfaz.

Global

A internet é a solidão compartilhada.

Cotação do dia (3)

Compro mais um bloco de rascunho. Não o olho com a esperança com que olhei tantos irmãos seus, outrora. Nele não espero escrever o esboço de uma obra-prima. Só o de sempre: alguns pensamentos sem nexo e os relatos de minhas miúdas desventuras.

Cotação do dia (2)

O amor é aquele tirano cruel que nos faz visitar um dia seu palácio e no dia seguinte nos põe para fora, se houver neve lá fora. Se for um dia bonito, talvez nos deixe ficar, como às vezes deixa um cão sarnento ou um gato estropiado. O amor gosta dessas pequenas exceções que confirmam sua fama. Já o viram dando biscoitos esfarelados a pombas, se bem que alguns digam que havia veneno em cada um deles.

Cotação do dia

O amor nos sopra para um canto do parque, como se fôssemos um papel de bala. Se no caminho uma formiga pressente em nós um resto de açúcar, ele nos sopra para mais longe e atira a formiga para dentro da primeira porção de água onde possa se afogar.

Um trecho de "Junky", de William Burroughs

"Minha primeira experiência com junk foi durante a guerra, em 1944 ou 1945. Eu conhecia um sujeito chamado Norton que trabalhava num estaleiro na época. Norton, cujo verdadeiro nome era Morelli, ou algo assim, tinha siso expulso do Exército por forjar um cheque de pagamento e recebera a classificação 4-F: mau-caratismo. Se parecia com o George Raft, só que mais alto. Tentando melhorar seu inglês, Norton arranjara uns modos delicados, afáveis. Essa afabilidade, porém, não ficava natural nele. Quando distraído, sua expressão era sombria e cruel; a gente sabia que, ao virar as costas, a crueldade estaria cintilando de novo naquele olhar."

(Tradução de Reinaldo Moraes, publicação da Má Companhia.)

Testemunho

Irmãos, aleluia. Vou me livrando dos pecados. Antes, batia nos meus pais e era viciado no amor carnal. Hoje, só bato nos meus pais.

Rivais

Como diria minha amiga de Birigui: este sábado está quase tão bonito quanto o Gianecchini.

Perseguição

A língua portuguesa não chega a ser difícil. Quando está chegando, mudam tudo.

Padrão

Um sábado lindo assim deveria ser tomado como exemplo por certas segundas-feiras.

Plano emergencial

Se bem que mais adequadas ao mar, lágrimas de amor bem poderiam, num sábado só, encher o Cantareira.

No asilo

A irmã de caridade:
"Seu Tobias, outra vez esse pijama todo babado..."
"Não é baba. São lágrimas de amor."

Pontos de vista

Às vezes pensa que ela, ao ler seus poemas, entendia sêmen quando ele falava de seiva e o julgava grosseiro. Às vezes pensa o contrário e que ela o presumia frouxo. Os médicos do manicômio também não se decidiram ainda.

Atitudes

Os escritores jovens, nós sabemos, se julgam todos superiores a Shakespeare - e é essa a atitude que lhes convém. Já os veteranos - se não pela idade ao menos por algum presumível juízo -, toda vez que falarem de Shakespeare devem fazê-lo de joelhos, mais reverentes do que se estivessem diante do próprio Deus em seu assento de nuvens.

Ninharia

Amor, perdoa-me: as vinte e quatro horas do dia já não me bastam para te louvar. No final de cada um deles, te devo ainda loas, e quantas.

Sociedade

Meu erro foi presumir
Que o amor, impulso tão nobre,
Eu pudesse dividir
Com o corpo, sócio tão pobre.

Busca e apreensão

"Ciúme, eu? Pode me revistar."

Contraste

De mim a morte terá
Tão calorosa acolhida
Que em tudo diferirá
Do meu menosprezo à vida.

Prodigalidade

Na juventude, deixamos migalhas de amor em toda parte. Elas nos fizeram falta depois, quando era preciso que nos déssemos por inteiro.

Soneto da paz em que morreremos

Nós morreremos em casa,
Não sob o calor da chama
Que queima sempre quem ama
E deixa-lhe o peito em brasa.

Nós morreremos dormindo
Com muita normalidade,
Tão sem dramaticidade,
Que morreremos sorrindo.

Bem melhor nós morreríamos
No tempo em que nós morríamos
Por um abraço, um sorriso,

E em que, para um só ganhar,
Nos agradaria dar
Nossa vida, se preciso.

"Descargo", de Tadeusz Rozewicz

"Ele chegou até vocês
e disse

vocês não são responsáveis
nem pelo mundo nem pelo fim do mundo
o fardo foi retirado dos seus ombros
vocês são como os pássaros e as crianças
brinquem

e brincam

esquecem
que a poesia moderna
é uma luta pelo respirar."

(Do livro Quatro poetas poloneses, tradução de Henry Siewierski e José Santiago Naud, publicado pelo Governo do Paraná, com apoio do Consulado Geral da República da Polônia e pelo Ministério da Cultura da República da Polônia.)

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Vocábulo

Amor, até a minha baba sabe dizer o teu nome.

Itinerário

Se não fosse o amor, quem nos ensinaria o caminho para a loucura, quem nos conduziria?

Declaração

Saibam todos que foi o amor que me enlouqueceu, com a minha apaixonada aquiescência.

Presente

No meu aniversário, meu amor me deu uma camisa de força.

Ventania

À noite os gritos de amor, amor, amor sacodem as estrelas, mas não são ouvidos pelas mulheres, que estão sempre um pouco acima.

Meia história

"Quem se deita no capim sabe da história o começo, mas desconhece o fim" (frase de Peppino Picarollo.)

Fernanda Lima

Os matemáticos estudam uma forma de multiplicar Fernanda Lima sem que ela deixe de ser única.

Lance

O amor foi generoso comigo: matou-me, mas poupou-me a língua, para exaltá-lo.

Repertório

Os truques usados pelo amor são sempre os mesmos, cada vez mais eficazes.

"Alvo", de Peppino Picarollo

"Sua bunda é como uma calçada da fama, tantos foram os pontapés que o amor lhe deu."

(Do livro Aforismos, edição da Autores Reunidos.)

"Herança", de Peppino Picarollo

"Em quem só a miséria herda
Inútil é toda aposta:
Afunda um dia na merda
E no outro afunda na bosta."

(Do livro Lirismos furunculares, edição do autor.)

Travessura

Mario Quintana às vezes era visto, disfarçado de moleque, furtando alpiste dos passarinhos.

Inocência

Ela olhava para mim interessada, como uma gazela olha para tudo em seu primeiro passeio pelo bosque. Eu olhava para ela, tentando esconder o tumulto do meu coração de lobo velho e as ordens do cérebro, ritmadas: devora, devora, devora.

Dupla ação

Estive em Birigui, para falar de literatura e também porque precisavam de um antônimo para o Gianecchini.

Cotação do dia (2)

Ser vítima já não lhe agrada tanto. Gostaria de variar, de fazer alguém sofrer.

Fiasco

Este blog não está sendo seguido nem pela polícia.

Voto

Ano eleitoral são aqueles dez meses em que voltamos a ser chamados de cidadãos.

Absurdo

Eu gostaria de escrever um livro tão maravilhoso que fosse impossível alguém - até mesmo eu - acreditar ter sido feito por mim.

Desculpa

Os que mais mal nos causam são geralmente aqueles que dizem fazer tudo só para o nosso bem.

Reflexão de um relógio brasileiro

"A lei, hora, a lei."

Cotação do dia

Tendo morrido há tanto tempo, não notei ainda nenhuma vantagem nisso.

Um trecho de Mario Levrero

" - O romance é bom - disse o Gordo, e fez uma pausa significativa. - Mas...
Eu podia ter imaginado, pois sei há uns quantos anos que meus romances pertencem a essa categoria: bons, mas... Os críticos se esforçam para classificar minha literatura como pertencente a esta ou àquela categoria, porém os editores são mais realistas, e unânimes; só existe uma categoria possível para minha literatura: boa, mas..."

(Do livro Deixa comigo, tradução de Joca Reiners Terron, publicado pela Rocco.)

Sentinela

Amor é a palavra que mais uso. Quando durmo, suas quatro letras ficam em vigília nos meus lábios, para serem as primeiras que eu pronuncie assim que o sol me despertar.

Mérito

Recordado agora, o amor nos parece ainda mais digno de todas as loucuras que por ele fizemos, e de outras tantas que deveríamos ter feito.

Acepção

Seiva não era só uma palavra para nós, naquele tempo.

Velhice

Quando penso no amor, acuso-me por não ter enterrado as cartas e os e-mails impressos numa caixa tão bonita quanto aquela em que pus meu primeiro gato morto, o Peter. Minha sensibilidade, como o corpo, vai se atrofiando com o tempo.

Cinza brilhante

Ele gostaria de ser o gato favorito dela, aquele que está sempre no seu colo. Seria viçoso o seu pelo, regado pelas lágrimas de amor que ela verte, embora nenhuma seja vertida para ele.

"Um aviador irlandês prevê a sua morte", de W.B. Yeats

"Eu sei que o meu destino encontrarei
Algures tão alto entre as nuvens;
Não odeio a quem combato,
Não amo a quem defendo;
Eu sou de Kiltartan Cross,
A minha gente são os pobres de Kiltartan,
Nenhum fim havia de arruiná-los
Nem mais felizes os tornaria.
Nenhum dever, lei alguma, me ordenaram que lutasse,
Nenhum estadista, nenhuma clamorosa multidão;
Um solitário impulso, o prazer,
Conduziu-me a este tumulto entre as nuvens:
Tudo pesei, tudo ponderei,
Os futuros anos eram vão alento,
Vão alento os anos passados;
De acordo com esta vida está esta morte."

(De Uma antologia, tradução de José Agostinho Baptista, publicada pela Assírio & Alvim, Lisboa.)

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Presente

Ma agradaria que minha morte fosse um gato, ou uma flor, que eu pudesse te oferecer como presente. Gostarias deles, talvez. Mas seria possível, também, achares que eu poderia te dar uma flor mais vistosa e um gato menos raquítico.

Soneto do preço que pagamos por querer demais

Estamos pagando caro
Por desdenhar o singelo
E julgar que só o raro
Podia exprimir o belo.

Sim, não podemos negar,
Nós julgamos que a beleza
Só se pudesse encontrar
Ligada à pompa e à grandeza.

Nós tínhamos uma flor
Perfeita na forma e cor,
Mas não pensamos assim.

Quisemos outras, mais nobres.
E como agora são pobres
As que temos no jardim...

Sabores

O amor me ofereceu tantas iguarias que o gosto da vida passou a não me apetecer mais.

Musa

Paolina Manoela Mellyflora mereceria ter vivido na época de Dante. Pobre Beatriz! Ninguém falaria dela hoje.

Estafa

Sinto-me cansado para começar obras longas. Também venho me confundindo com os conceitos. Não fosse isso, talvez eu pudesse tentar escrever o romance da minha geração. Qual seria a minha geração?

Nhe-nhe-nhem

Às vezes, embora esporadicamente me ache um deles, tenho birra dos escritores, pela mania, que têm, de usar eufemismos. Como aquele de chamarem a morte de última viagem ou repouso eterno.

"Na fumaça", de Eugenio Montale

"Quantas vezes te esperei na estação
no frio, na neblina. Andava de um lado para outro
com minha tossezinha, comprando jornais inomináveis,
fumando Giuba depois suprimido pelo ministro
dos tabacos, o idiota!
Quem sabe um trem errado, um desdobrado ou talvez
suprimido. Examinava os carrinhos
dos carregadores para ver se por acaso não levavam dentro
tua bagagem, e tu seguindo, atrasada.
Por fim aparecias, a última. É apenas uma lembrança
entre tantas outras. No sonho me persegue."

(Do livro Poesias de Eugenio Montale, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, publicação da Record.)

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Literatura

A literatura, da qual me alimento sem nada lhe dar em troca, me levará hoje a Birigui (que saudades do trema). Falarei de livros, escritores, pensarei mais uma vez que fiz alguma coisa e que tenho algo a dizer. O blog estará isento de minhas lamúrias até quinta à tarde. Se blogs tivessem pernas e juízo, quando eu voltar ele não estará mais aqui, este lenço no qual deixo diariamente lágrimas do século XIX.

Cotação do dia (5)

Tomarei um avião, hoje. É sempre uma possibilidade.

Cotação do dia (4)

Se um dia eu morrer, gostaria que o Mayrink escrevesse a nota.

Cotação do dia (3)

Florbela insiste em dizer que não é tão difícil.

Cotação do dia (2)

Ultimamente, Sylvia Plath me vem ao pensamento logo de manhã, com um manual de instruções.

Cotação do dia

O de sempre, só um pouquinho pior.

Plano emergencial

Se bem que fossem mais adequadas ao mar, lágrimas de amor bem poderiam, se bem planejadas, encher o Cantareira.

Pipocas

Na cena em que os humilhados pelo amor baixam a calça e oferecem a bunda magra ao seu chicote, é quando o público mais se diverte. Alguns espectadores engasgam com as pipocas. Os outros, com a garganta livre, gritam: arromba, arromba, arromba.

Carga

Amor, sou pequeno, frágil, insignificante, para não pesar sobre teus ombros generosos.

Na farra

A carne é fraca, e por manha
A alma às vezes enfraquece,
Do seu alto posto desce
E ao prostíbulo a acompanha.

De mãe para filha

"Vai por mim, filha. Nenhum homem presta. Todos são depravados. Uns correm atrás de putas, outros colecionam passarinhos."

Patrulhamento

Agora, assim que ele diz a palavra amor, a família lhe dá água com açúcar e desvia o assunto para amenidades.

Alimento

Quando o látego do amor começa a extrair notas agudas do ar, o corpo se resigna e a alma exulta.

Circunstâncias

Quando viver não agrada,
Não satisfaz, não convém,
Quando nada vale nada,
Morrer às vezes faz bem.

Obra-prima

Patriszia Maiora Megliorini foi a minha criação mais brilhante. Brilha quase tanto quanto as estrelas. Brilharia tanto quanto elas, se outro fosse seu criador.

"O negativo", de Eugenio Montale

"Gemas de um mesmo ovo os jovens entram
nas arenas da vida. Vênus
os conduz, Mercúrio os divide,
Marte o resto fará. Não brilharão
muito tempo sobre a Acrópole as luzes
desta primavera ainda tímida."

(Do livro Poesias de Eugenio Montale, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, publicação da Record.)

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Cotação do dia (10)

A palavra não é bonita, mas a tristeza já se exprimiu em mim no meu primeiro vagido.

Cotação da noite (9)

Quando me pegaram, eu disse: "Sou poeta." Não acreditaram. Mostrei-lhes então a estrela que tinha acabado de colher no céu. "Ladrão", gritaram, e me encheram de pancadas.

Cotação da noite (8)

Caçado a noite inteira, quando se cansou e, parando, esperou pela morte, ouviu: "Olha aí o desgraçado! Ainda provoca!"

Cotação da noite (7)

Sente-se como um cachorro de três gargantas que, doente, geme como se tivesse seis.

Cotação da noite (6)

Um espantalho tão grotesco e horrendo que, por ordem do próprio fazendeiro, não durou três dias na plantação.

Cotação da noite (5)

Aquele saco onde enfiaram um gato morto, e que fedia tanto que o lixeiro não o jogou para dentro do caminhão.

Cotação da noite (4)

Atacado pelo vírus da poesia, começou a vomitar rosas e passarinhos.

Cotação da noite (3)

No dia em que não perde nada, sente que traiu seu destino.

Cotação da noite (2)

Segue o roteiro. Se esquecerem de mijar nele, ele mesmo se mija.

Cotação da noite

Lembra-se do anão do romance Auto de fé, escrito por Elias Canetti. Casado com uma puta, ele se enfiava embaixo da cama quando vinha um dos fregueses dela. Torcia para que não fossem volumosos.

Custo-benefício

No fim, morrer parece ser sempre um bom negócio. Não se sabe de ninguém que tenha reclamado.

Flagrante

Na tarde em que pegou Mario Quintana sobrevoando uma pitangueira, o guarda disse que só lhe faltava gorjear um pouco melhor.

Cotação da tarde (11)

Um gato de rameira, manuseado por ela sempre que acaba de sair um freguês e morrendo de ciúme quando ela, beijando-lhe o focinho, diz: ah, se você visse como aquele bruto me machucou. Quer ver?

Encaixe

O instante que ele mais aprecia é aquele no qual, sempre fingindo inabilidade (como é que ela faz quando está sozinha?), ela pede que ele lhe abra o fecho do sutiã nas costas. Ele aproveita então para beijar-lhe a nuca. Quando ela se retrai, falsa ou verdadeiramente arrepiada, ele se encaixa naquelas saliências duplas que são, dela, o lugar mais aprazível.

Soneto dos que seguem o amor

Eu fui refém dos teus passos.
Um dia por mim passaste,
Olhei para ti, me olhaste,
Advêm daí meus fracassos.

Fiz da tua a minha sorte,
Te acompanhei cegamente,
E chegamos - eu ao poente,
Tu ao teu buscado norte.

O amor é assim. Quando vem,
Não há no mundo ninguém
Que deixe de acompanhá-lo.

Quem o segue há de saber
Que assim como faz viver
Pode o amor também matá-lo.

Crueldade mental (baseada no Verissimo)

Que música é essa?"
"You do something to me."
"Dá pra baixar um pouco?"

Fernanda Lima

Assim como a lua em certas noites, Fernanda Lima às vezes é mais Fernanda Lima que Fernanda Lima.

Cotação do dia (10)

Tocar o barco adiante, embora a única esperança agora seja a de que no caminho haja tubarões.

Cotação do dia (9)

Para cada nota aguda de um violino sempre haverá dez eructações de homem.

Cotação do dia (8)

Eu imaginei que o homem tivesse nascido para as aventuras do espírito e para a consagração do belo. Imaginei errado.

Cotação do dia (7)

A imagem que tenho da alegria é a de um homem extremamente gordo, extremamente grosseiro e extremamente tolo.

Cotação do dia (6)

Meu repertório inclui só tristezas. Alegrias ofendem e enxovalham minha alma.

Cotação do dia (5)

Será sempre assim. Gritaremos, exibiremos nossa miséria e nossas chagas, em vão. Se um dia alguém se aproximar com um sorriso, e talvez uma migalha de afeto, aceitaremos o sorriso, mas jamais a migalha. Sabemos já como é fácil molhar uma migalha com veneno.

Cotação do dia (4)

Há dias não ouço a passagem do caminhão da Cândida. Já imagino se, além dos sonhos mais exaltados da minha imaginação, também os mais prosaicos não foram só uma ilusão, um doce oferecido a um menino antes de o levarem ao hospital para lhe amputarem a perna.

Cotação do dia (3)

Lá se vão os jovens, com os nossos despojos. Buscam o horizonte, seguem o sol glorioso. As flores, à sua passagem, enchem o ar de pétalas e aromas. Fomos assim, também, na juventude. Despojamos os velhos de seu brio, de sua honra e de seu amor, e nossa garganta proclamou nossa grandeza. Vimos depois, sem que nunca tivéssemos chegado ao horizonte, que nosso brio, nossa honra e o amor são só moedas que o tempo gasta entre um sorriso e outro.

Cotação do dia (2)

É confortável perder. Não precisar contar quantos inimigos abatemos, de quantas armas nos apossamos, não medir o tamanho de nossa grandeza. Não ter de entoar canções épicas, não espalhar ao vento nossas façanhas. Perder, simplesmente perder. Ficar com os lábios na terra, sentir-lhe o gosto.

Cotação do dia

Saber que às dez e vinte e três, ao meio-dia e quarenta ou às cinco e meia sua voz não chegará à única rua, nesta cidade tomada pelo tumulto, pela balbúrdia e pela insensibilidade, em que a esperança talvez fosse bem acolhida.

Óbolo

Às vezes, se lhe pedimos
Com todo o empenho e paixão,
Se imploramos e insistimos,
O amor nos dá um tostão.

Soneto das palavras gastas com o amor

Ninguém nos daria ouvidos,
Mesmo que nos esgoelássemos
E ainda que nós esgotássemos
Nossos gritos e gemidos.

Tentamos em tempos idos,
E ainda que nos esforçássemos
Não houve quem escutasse-nos,
Mesmo com apelos seguidos.

Assim ocorreu. Falhamos,
E nunca mais nós tentamos.
Se um dia preciso for,

Como nós procederemos?
Que palavras usaremos?
Gastamos todas com o amor.

Hoje

Para que serve o tumulto,
Os sonhos todos sonhados,
Frustrados ou conquistados,
Ao corpo agora sepulto?

Retrospecto

Vivemos muito. Sentimos
A pretensão da grandeza,
De exprimir toda a beleza.
Tentamos. Não conseguimos.

Opções

Ser poeta é ter de escolher entre a beleza e a beleza. Não sei se celebro duas maçãs no rosto de Palmyra Mayara Meillère, ou duas rosas.

De Rosa Montero sobre Goethe

"Goethe explica em Poesia e verdade que aceitou a oferta de Weimar porque queria afastar-se de um amor frustrado (um noivado rompido com a bela Lili), e porque o ambiente provinciano de Frankfurt o sufocava e ele aspirava a algo mais cosmopolita e refinado; mas lendo sua autobiografia se vê que Goethe, um burguesinho filho de um jurista aposentado, era também bastante esnobe, o que hoje chamaríamos de garoto mimado, preocupadíssimo com suas roupas, seu aspecto, seu lugar social e seu bom nome. Até os grandes homens (e as grandes mulheres) têm seus pontos de estupidez e miséria."

(De A louca da casa, tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman, publicação da Ediouro.)

domingo, 24 de agosto de 2014

Cotação da noite (5)

Em qualquer dicionário analógico, amor e morte são companheiros de página.

Cotação da noite (4)

Este espaço vai se tornando um desbragado e desavergonhado diário de quem não tem nada a relatar senão a miséria de sua alma e a degradação de seus sonhos. Deveria registrar estas minhas impressões num arquivo que apenas meus filhos, se quisessem, poderiam ler quando eu tiver completado meu caminho e tirarem minhas botas sujas para calçar-me um par de sapatos com os quais eu não possa envergonhar mais ninguém. Não se encontrará em nenhuma de minhas calças um vestígio sequer das estrelas que eu imaginei colher um dia, e os meus versos apodrecerão neste blog e exalarão um cheiro igual ao daqueles enormes e temidos recipientes que recolhiam o lixo dos antigos leprosários.

Cotação da noite (3)

Andei em lupanares, bebi em tavernas, corrompi o corpo e enlameei a alma. Só não adotei os vícios aos quais não fui apresentado. Tenho todas as chagas físicas e morais que um proscrito pode ter, mas nenhuma tão profunda, fatal e impiedosa quanto a poesia. Ela me desencaminhou aos treze anos, como nenhuma rameira poderia fazer. Sinto seu hálito a todo instante, dia e noite, e o aspiro como o mais eficiente meio de minha completa dissolução. Houve um momento em que talvez pudesse trocá-lo pela fragrância de flores, mas não quis.

Cotação da noite (2)

Cansaço profundo. Descrença. Já não tenho a esperança de tentar salvar estas minhas confissões com toques de literatura. Elas são cada vez mais o que são - tolices ditas por quem não tem nada mais a dizer além disso: tolices. Este blog é, cada dia mais, uma farsa, outra de tantas vergonhas nas quais tenho me especializado.

Cotação da noite

A sensação de ter dito tudo já, há três anos. Nada mudou. Continuo sonhando com viadutos, mas já sem a mesma constância. É uma inspiração cada vez mais fraca. Se eu fosse escolher a melhor palavra para me definir seria pusilânime. Pomposa demais, eu acho. Covarde seria melhor.

Talião

Um dia, o coelho e a cartola, cansados da escravidão, fizeram sumir o mágico. O número foi vaiado, a cartola dada ao palhaço e o coelho servido no jantar.

Anexim

Amor sem ciúme é como leite morno com groselha.

Toque mágico

Se Patrícia Marques Melgaço fosse um passarinho, as flores que ela tocasse com o bico se transformariam em seres cantantes.

Banquete

Agrada-lhe, enquanto a beija, dizer para dentro da sua boca palavras apaixonadas. Algumas são inventadas, sílabas entrecortadas, murmúrios de saliva prejudicados pelos espasmos do corpo empenhado em manter o ritmo do amor. Também ela inventa algumas, bem curtas. E são essas que depois, já em casa, recordadas, reacendem neles o fogo e os fazem lamentar que só no dia seguinte se reencontrarão as duas bocas, cheias dessas incitações e de dentes que mordem e sangram os lábios como ferros marcando reses para o deleite baboso do Diabo.

Cotação do dia (18)

Pensar no amor é uma ocupação tão intensa que às vezes ele se esquece por vários dias de colocar o leite na tigelinha de sua alma.

Cotação do dia (17)

Quando ele disser pela quadringentésima quarta vez a palavra amor, o diretor do hospício reconhecerá seu status e lhe arranjará um alojamento especial, aquele em que morreu há cinquenta anos o louco que comia estrelas no café da manhã.

Cotação do dia (16)

O amor se foi e deixou nele uma verborragia que ameaça inundar a cidade como chuva nenhuma jamais fez. Todas as ruas, avenidas e alamedas transbordarão de sonetos. A moça do tempo da Globo ficará quarenta dias e quarenta noites no ar, direto, misturando notícias com passagens bíblicas.

Cotação do dia (15)

Quando o chamam de louco, ele tem alguma esperança de que o tenham entendido.

Cotação do dia (14)

Cai sempre no truque da dor. Ela o provoca, e ele se põe a dizer sandices. Amanhã rirão de suas palavras e não acreditarão quando ele disser que foram extraídas do seu coração por meia dúzia de pássaros brancos.

Cotação do dia (13)

E ainda há este resto de manhã, e a tarde, e a noite. Como pode o coração ser assim estúpido e resistir tanto?

Cotação do dia (12)

Quem teria tão pouca coisa a fazer, para pensar em salvá-lo às 10h44 de um domingo?

Cotação do dia (11)

Já não quer ser amado. Gostaria só que soubessem que foi honesto até nos piores momentos de sua poesia.

Cotação do dia (10)

Aprendeu todas as palavras, menos aquela que, dita quando deveria, teria feito dele alguém melhor que este defunto indigno de um domingo.

Cotação do dia (9)

Tem vontade de gritar. Não palavras, que essas já foram gritadas em vão. Tem vontade de gritar um ai que nunca foi gritado, um ai que atravessasse toda esta cidade insensível e chegasse aos ouvidos certos, os únicos.

Cotação do dia (8)

Passou uma van com um locutor promovendo um sacolão na Cursino. Na música de fundo, entre ofertas de cenouras e batatas, um cantor se punha à disposição: "Eu quero enxugar teu pranto." Eu deveria ter gritado da janela. Talvez enxugar meu pranto não custasse mais que R$ 1,99.

Cotação do dia (7)

Introduzir este domingo garganta abaixo, revolver as vísceras, puxá-las para fora e expô-las ao sol.

Cotação do dia (6)

Ser ao menos um mau poeta não é a aspiração de ninguém. E no entanto foi sempre a minha.

Cotação do dia (5)

Descobrir, e só no fim da vida, por que todos sempre me tocaram com luvas.

Cotação do dia (4)

Se eu fosse um objeto, me calharia bem ser um cinzeiro. Querer ser uma caçamba já seria uma manifestação de orgulho.

Cotação do dia (3)

A poesia me transformou num bufão medíocre. Melhor seria ter estudado artes circenses.

Cotação do dia (2)

Um homem que não merece adjetivos laudatórios - e talvez nem mesmo a designação de homem.

Cotação do dia

Ser humilhado e ter orgulho de provocar o riso dos outros. Tudo por uma boa causa.

Se tu

Se tu tivesses um décimo de minha loucura, já terias visto as abelhas zumbindo em torno de minha boca quando digo teu nome.

Compromisso

Eu me tornaria monge por ti e beijaria tão ternamente as tuas mãos que acreditarias em minha castidade.

A frase

Morreu com a garganta obstruída por uma frase que, se tivessem conseguido desentalar, diria amoloucamentefulanafelíciadesousa.

Sublimação

Toda vez que, dançando, desliza a mão pelas costas dela até embaixo e chega à encosta que ali se eleva abruptamente, torce para que a sequência de músicas, quando parar, seja num momento em que ele, tendo dado vazão ao desejo no pano grosso com que forra a cueca em noites de baile ou havendo conseguido sublimá-lo com imagens de extensos gramados, possa caminhar pelo salão sem que se abram no rosto dos frequentadores aqueles sorrisos oblíquos e sem que as mãos apontem para a sua virilha os dedos acusadores.

Soneto da prazerosa tortura infligida pelo amor

Talvez ao amor conviesse
Matar-nos rapidamente
E assim mais tempo tivesse
De matar muito mais gente.

Seria assim, se quisesse
Agir mais humanamente,
Porém a ele só apetece
Matar vagarosamente.

Bendito seja ele, o amor,
Por esse modo de agir,
E exaltado sempre por,

Ampliando nossa agonia,
Deixar-nos dela usufruir,
Pois é ela nossa alegria.

Estojo

A vida são essas miudezas
essas quinquilharias
alegrias pequenas
pequenas tristezas
escassos júbilos
escassas penas
sentimentos tolos
sentimentos todos
precedidos pela ressalva
da palavra apenas.

De Rosa Montero, sobre os escritores e a vaidade

"Ah, a vaidade do escritor... Podemos chegar a ser uma verdadeira peste. Talvez por nossa dependência do olhar alheio, ou porque a falta de critérios objetivos na hora de julgar um romance sempre nos deixe um pouco inseguros, sempre um pouco no ar; mas a vaidade, para nós, é de fato uma droga pesada, uma injetada de reconhecimento externo que, como toda droga, nunca sacia a necessidade de aprovação de que padecemos. Ao contrário: quanto mais cedemos à vaidade (quanto mais nos picamos), mais precisamos."

(Do livro A louca da casa, tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman, publicado pela Ediouro.)

sábado, 23 de agosto de 2014

Exemplo

As formigas prosperam porque não ficam olhando para o céu e suspirando de amor.

Tudo

Já fez de tudo pelo amor, até se pôs de quatro - e não só no sentido figurado. Andou relinchando também, embora talvez sem o ímpeto e a verossimilhança ideais.

Hábito

O amor é uma dessas baboseiras que insistimos em continuar fazendo, como respirar.

Moleca

Para mim, Cupido apareceu sob a forma de uma garota de calça jeans e blusa xadrez, e sua seta era um pedregulho que me atirou com seu certeiro estilingue.

Causa

Guerras por independência não me interessam. Sou sectário do amor e só morreria para defender seu jugo.

Mapa

Navegar firme, altaneiro,
Sem subterfúgio ou trapaça.
O barco é a nossa carcaça
E a morte o nosso roteiro.

Cotação da tarde (2)

Ouvir You do something to me e não morrer na nota final é algo que deve nos fazer pensar se amamos mesmo tanto quanto dizemos.

Cotação da tarde

O amor jamais há de ser compartilhado. O amor há de ser sempre imenso, incomensurável, e doer tanto, e atormentar tanto, e matar-nos tantas vezes, que só seria lógico dividi-lo com inimigos.

Disfarce

Quando o Diabo me cobrou a alma, eu lhe disse que já a entregara a Palma Martorelli Messi alguns anos antes. "Eu sei, bobo", ela riu, tirando o disfarce.

Regime fechado

Nos dez primeiros anos, o Amor o manteve num cárcere diminuto, a pão e água. Nos dez anos seguintes, o Amor o conservou no mesmo cubículo, mas passou a alimentá-lo com água e pão.

Pernas curtas

Nos dez primeiros anos, o Amor o manteve num cárcere diminuto, a pão e água. Nos dez anos seguintes, o Amor o conservou no mesmo cubículo, mas passou a alimentá-lo com água e pão.

Cotação do dia (4)

Mais um dia em que as humilhações renderão aplausos. Elas nos matam, eles nos fazem viver.

Cotação do dia (3)

Às dez e cinquenta, na feira, o velhote apontava o dedo para uma estrela. Era Raul, o Sonso.

Cotação do dia (2)

Dizer ao espelho: cara, você não vai morrer nunca?

Cotação do dia

Ir à feira ver se tem pastel de cicuta.

Obra-prima

Morrer por amor é uma dessas coisas que podemos ir aperfeiçoando dia a dia.

Soneto da última vontade

Talvez consiga ainda achar
Aquele jardim que vi
Numa noite em que dormi
E comecei a sonhar.

Era bonito de olhar
E lembro que nele ouvi
O canto de um bem-te-vi
Cantando sem descansar.

De outras coisas não lembro
A não ser que era setembro
E que você me sorria.

Que eu possa, antes do fim,
Rever aquele jardim
Como vi naquele dia.

Feitiço

Depois que pronunciei o nome de Petra Maiora Maglione olhando para a lua cheia naquela noite de sexta-feira, jamais me agradou dizer outros, ainda que de Rosas e Magnólias fossem.

Minha mãe e os russos

Os poloneses não morrem de amor pelos russos, e imagino que a recíproca seja verdadeira. No caso de minha mãe, a desafeição tinha a ver com Dostoievski. Não que ela fosse uma conhecedora da literatura. A birra começou no dia em que eu, entusiasmado com a leitura de Crime e castigo, citei Raskolnikov e sua machadinha. Depois disso, toda vez que eu aparecia com algum livro tomado de empréstimo na biblioteca, ela dava uma espiada na capa. Temia que fosse outro russo, quem sabe com um serrote escondido no paletó.

Plano B

Se o suicida pensa em plano B, alguma coisa vai mal com sua convicção.

Joias

Naquela tarde, quando enfiei a mão por baixo da tua saia, furtei alguns dos teus  fios de ouro. Eu os guardo para os dias de inverno e miséria amorosa. Não os venderei nunca. Talvez os leve à casa de penhores, no quinto ou no sexto dia de minha mais longa fome.

Filão

Continuo escrevendo mal. Persisto não pelas palavras que junto desastradamente, mas pelo ouro que há em meu único assunto: você.

Anarfa

O amor são essa ternura,
O amor é aquelas estima,
É anarfa, mas verso e rima
É suas duas loucura.

"Agradecimento", de Wislawa Szymborska

"Devo  muito
aos que não amo.

O alívio de aceitar
que sejam mais próximos de outrem.

A paz que tenho com eles
e a liberdade com eles,
isso o amor não pode dar
nem consegue tirar.

Não espero por eles
andando da janela à porta.
Paciente
quase como um relógio de sol,
entendo o que o amor não entende,
perdoo,
o que o amor nunca perdoaria.

Do encontro à carta
não se passa uma eternidade,
mas apenas alguns dias ou semanas.

As viagens com eles são sempre um sucesso,
os concertos assistidos,
as catedrais visitadas,
as paisagens claras.

E quando nos separam
sete colinas e rios
são colinas e rios
bem conhecidos dos mapas.

É mérito deles
eu viver em três dimensões,
num espaço sem lírica e sem retórica,
com um horizonte real porque móvel.

Eles próprios não veem
quanto carregam nas mãos vazias.

'Não lhes devo nada' -
diria o amor
sobre essa questão aberta."

(Do livro Poemas de Wislawa Szymborska, tradução de Regina Przybycien, publicado pela Companhia das Letras.)

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Cotação da noite (2)

Alimento minha alma com versos de Sylvia Plath, Florbela Espanca e Antero de Quental. Por acaso, três poetas. Por circunstâncias, três suicidas.

Cotação da noite

Tem vergonha de ligar para o CVV e dizer que não está bem certo se o assunto é mesmo de vida ou morte.

Grife

As amadas só aceitam agora estrelas compradas em loja. As colhidas no pé caíram de moda.

Convenhamos

O vício solitário é o verdadeiro esporte das multidões.

Aparente contradição

Dizia o Millôr que até no infinitamente delicioso ato do sexo o mais gostoso é o fim.

Estranha

A mão esquerda, a sinistra, a do Diabo, tem sido terceirizada em lances sexuais, como se pertencesse a outrem.

Escoteiros

"Não digam palavrões nem emitam flatos, porque há um casal copulando embaixo da nespereira."

Negociando

A mão esquerda fez um ultimato à direita: ou se estabelece um rodízio ou ela não segura mais a revista.

Cotação do dia (3)

Devagar, quase parando, querendo parar. O que me move ainda? Por certo há alguma humilhação ainda na minha agenda.

Média

Depois de cada dez ou quinze palavras que ele diz, a boca já está adestrada para dizer amor. Às vezes é solicitada antes.

Perfil

Ser triste foi algo que começou nele como charme e se tornou um modo de viver.

Particularidades

Tem algum jeito para a poesia. Nenhum para coisas práticas. Se morrer fosse uma tarefa que dependesse de engenho, ele jamais obteria essa graça.

Musa

A mim coube uma musa de modos estranhos e nome inverossímil: Pascoala Mazzafero Mefisto.

Opção

Algumas mariposas se desviam das lâmpadas e vão morrer prazerosamente nos cabelos de fogo de Pierangela Marízia Melken.

Vizinhos

As partes pudendas são cercadas por partes impudendas por todos os lados.

Cotação do dia (2)

Ouvir o homem lendo a lista dos mortos e, afinal, erguer a mão: presente.

Cotação do dia

Sou um morto que ainda escreve versos - e tão mal quanto antes.

Eleger elegias

Nesta época eleitoral, com tão poucas esperanças, o jeito é ler elegias.

Na real

Uns passam o ponto, outros passam o pinto - e nisso consiste a vida, apesar do desejo dos idealistas.

Tendência

Em Paola Martínez Mena há uma inclinação para o amuo. Talvez porque lhe fique tão graciosa a boca franzida, urdindo a palavra não.

A tempo

Quando ela chegou, ele, com a vida já lhe escapando, teve tempo só de murmurar Petrônia Múrcia Melgar. Era o nome dela.

Perfume

Quando Pétula Myrna Moura ergue o braço para ajeitar os cabelos, sempre alguma abelha embriagada esvoaça em volta de sua axila.

Falta em excesso

Que pena que o amor esteja
Em falta assim tão profunda.
Num dia a falta sobeja,
No outro dia a falta abunda.

Mão

O amor antigo ainda, de vez em quando, faz a mão visitar gavetas, álbuns, arquivos no micro. E, também de vez em quando, faz essa mão, com certa culpa e falta de jeito, abrir botões que teimam em se fazer de difíceis.

Soneto da mulher viciada em beijos

Beijar é quase um suplício
Quando se acha uma mulher
Que sempre mais beijos quer,
Pois beijar é, nela, um vício.

Tudo é muito bom, no início,
Quando se aceita o que vier
E nem se pensa sequer
Que vai virar sacrifício.

Mas quando depois de cem
A mulher nos diz meu bem,
Eu quero duzentos mais,

Sensato é nos desculparmos,
Dos seus braços nos safarmos
E não voltarmos jamais.

Parcimônia

Mente quem diz que deu tudo pelo amor. Pelo amor é sempre possível dar mais, e quem deixou o amor morrer foi por ter querido sempre poupar um pouco dele, por orgulho ou mesquinhez.

Cento e quatro

"Ano de fundação?"
"2008."
"Quantos sócios?"
"Cento e quatro, todos fundadores."
"Todos vivos?"
"A morte só vem com o progresso."

Contagem

No primeiro dia em que Piera Massantonio Medici não o beijou, ele pressentiu que aquilo poderia tornar-se um hábito.

O palavrão de quatro letras

Quando o público já bocejava escancaradamente, o humorista recorreu ao seu mais velho truque. Pigarreou, olhou para todos os lados da plateia e disse: "Agora vamos falar de um assunto sério." Tomou fôlego e anunciou: "O amor." Os bocejos foram instantaneamente substituídos por gargalhadas. O humorista perguntou, cínico: "O que foi? Eu disse algum palavrão?" Mais gargalhadas. "Então foi o primeiro."

Um trecho de Rosa Montero

"Todos os romancistas que conheço são pessoas que têm uma facilidade inata para escrever; e todos os romancistas que me interessam lutaram a vida inteira contra essa facilidade. A construção da própria obra é um esforço constante para escrever na fronteira do que você não sabe. Deve-se fugir do que se domina, dos lugares-comuns pessoais, do que é conhecido."

(Do livro A louca da casa, tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman, publicado pela Ediouro.)

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Cotação da noite (10)

Não li todos os livros, mas desde o primeiro eu soube que a carne é triste e a alma é uma criação do medo e da poesia.

Cotação da noite (9)

Gritar, gritar, e saber que em nossa voz qualquer aflição e qualquer apelo soam como cacarejos de uma velha bruxa.

Cotação da noite (8)

Os outros encontram alívio e paz nas palavras. Nós, que as vilipendiamos tanto, que as tratamos como marafonas, que enfiamos as mãos entre suas pernas, podemos esperar agora que nos salvem?

Cotação da noite (7)

A poesia foi a desgraça da nossa vida.

Cotação da noite (6)

Dormir é o que nos resta. Dormir como os outros, roncar, babar. Nada de poético nesse dormir, nada de espiritual. Dormir, como uma carcaça dorme. Reconhecer que sempre fomos isso, uma carcaça, só. Alma? Ora, ainda queremos enganar, e a quem?

Cotação da noite (5)

Desistir é uma palavra melhor que renunciar. Renunciar dá a ideia de que se está alto e se tem um gesto de magnanimidade. Nunca tivemos coroa nenhuma e, se demos a impressão de tê-la, foi mais uma de nossas falsidades. Desistir, essa é a palavra. Talvez mesmo essa seja grandiosa demais.

Cotação da noite (4)

Pedir perdão se alguém acreditou que pudéssemos fazer fosse lá o que fosse. Nunca pudemos. Deveríamos ter desistido antes, enquanto havia sol ainda. É triste a noite e nossas palavras nos abandonaram. Talvez a única que possamos pronunciar honestamente seja desistir. Desistir. Desistir.

Cotação da noite (3)

O cansaço de implorar. Será que as folhas precisam também suplicar ao vento que as leve para o esquecimento, para onde nenhuma pá irá querer recolhê-las?

Cotação da noite (2)

Voltar ao pó, sim, ok. Mas quando? Como exaspera a lentidão de tudo.

Cotação da noite

Frustração, desalento. Vida sem projeto, literatura gorada. Vontade de ir até o mar e desafiá-lo: me engole ou eu te engulo. Desejo de perder, como sempre, desta vez definitiva e irrecorrivelmente.

Ala D

São todos velhos apavorados. Alguns temem fantasmas, outros receiam enfermeiros de má índole. Os mais assustados contam histórias antigas em que a Morte se vestia de amor, tinha um sorriso gentil e promissor e só no instante final exibia os olhos glaciais e a faca pontuda.

Lupa

Na cena de um suicídio é sempre possível encontrar vestígios do amor.

Última geração

O amor é uma sanguessuga dotada de um refinado senso de perversidade.

Macróbio

Às vezes o amor lhe causa convulsões, e a família corre para lhe dar chá de camomila.

Como?

Como eu te diria que a melhor flor que poderia te oferecer seria uma triste, desesperançada, de caule murcho? Não te disse.

Ubiquidade

Paola Martucelli Merchiori consegue estar ao mesmo tempo em meu coração e em minha alma.

Cotação da tarde (3)

Um verme tão nojento que, para preservar o sapato, é melhor fingir não vê-lo.

Cotação da tarde (2)

Querer sentir-se mais vil ainda, assim como os outros nos veem, e reconhecer que eles nos conhecem melhor do que nós.

Cotação da tarde

A idade madura caracteriza-se não mais por aqueles sonhos em que na última fileira do cinema fazemos o Mentex ora estar na nossa, ora estar na boca da garota de saia curta, mas por aqueles em que estamos esperando há meia hora para atravessar a rua e finalmente alguém empurra nossa cadeira de rodas.

Poderes

Disseram-me que Penélope Mayer Mestrini é quem, na hora aprazada, faz um aceno e apaga o sol na Brigadeiro. É verdade. Já a vi fazer isso. Não a vi fazer o aceno para reacendê-lo, de manhã.

Soneto da chama fortuitamente reacesa

De uma lembrança borrada,
Dos versos de uma canção,
Se derem a ele ocasião,
O amor ressurge do nada.

A chama há muito apagada
Renega sua extinção
E, acesa como um vulcão,
Recusa-se a ser domada.

Quer o que teve, reclama,
E, achando-se hoje mais chama,
Ousa pedir até mais.

Que bom se ela, desta vez,
Ao contrário do que fez,
Não se apagasse jamais.

Exemplo

As formigas prosperam porque não ficam olhando para o céu e suspirando de amor.

Cotação do dia (10)

Depois que rompeu com a amada, perdeu a vontade e o hábito de colher estrelas.

Cotação do dia (9)

O amor extemporâneo acrescentou um adjetivo à sua vida. Antes o chamavam de velho. Agora é o velho pirado.

Cotação do dia (8)

O amor o faz ver arcos-íris em todas as calçadas. Ele os recolhe e empilha. Ocupam já toda a sua casa, mas ele está negociando sua doação ao instituto de astronomia.

Cotação do dia (7)

Depois que enlouqueceu de amor, ele notou alterações na mão direita e também na esquerda. A terceira ele não sabe mais onde está.

Cotação do dia (6)

Se ele soubesse que enlouquecer por amor dava uma ala especial no hospício, não teria perdido tanto tempo.

Cotação do dia (5)

Minha loucura está toda aqui, ele disse a Pétula Maierovitch Miller. Não tenho caixa dois.

Cotação do amor (4)

Tocaram o amor com paus e pedras, embora ele abanasse a cauda amorosamente e latisse algo parecido com La vie en rose.

Cotação do dia (3)

Versos mortos fedem como partes pudendas.

Cotação do dia (2)

O amor há de ser embargado, interditado, proibido, amaldiçoado. Assim rebentam ao sol suas melhores flores, num dia em que a primavera improvável brilha como um milagre.

Cotação do dia

Uma demência senil se alcança com muita determinação e amor recusado.

Toque final

Para que Paula Mireille Merveilleuse fosse única, ele acrescentou aos seus noventa e oito por cento de perfeição os dois por cento que todo artista, até o mais bisonho, guarda para uma obra-prima.

Melhor assim

Agora, sim, sente-se feliz. Morto, o amor não o levará jamais a lugar nenhum além deste, onde seu masoquismo se contorce de dor e gozo.

Mão

O amor antigo ainda, de vez em quando, faz a mão abrir gavetas, arquivos, álbuns. E, também de vez em quando, torna-se tão corpo e tão carne que a mão, com espessa culpa e inabilidade, se põe a abrir botões.

Soneto do velo de ouro

Eu sei que nunca irei vê-lo,
Aquele monte gracioso
De pelo espesso e sedoso,
De macio terciopelo.

Sei que jamais irei tê-lo,
Por mais que o busque ansioso,
Aquele monte alteroso,
Coberto por suave velo.

Hoje sei que morrerei
E jamais na mão terei
Aquele ponto onde estão

Aqueles teus fios de ouro
Que velam o teu tesouro
Como se eu fosse um ladrão.

No asilo

Vivia chamando Aderbal, Aderbal. Nunca o encontrou. Aderbal era ele. Os outros velhos passaram a chamá-lo de aquele amigo do Aderbal.

Algemas

Eu não queria mais viver
bebia nuvens
e comia poemas

Eu queria morrer
e o amor me disse
não gemas

E para que
eu livre morresse
abriu-me as algemas

Então lhe disse eu
com todo o respeito
você não me entendeu

Para que eu viva
e não almeje a morte
me algeme mais forte.

Senha

Amor é a palavra que o sexo murmura antes de arreganhar os dentes e desabotoar a braguilha.

Um trecho de Friedrich Hölderlin

"Mas nós caminhávamos juntos pela terra, num mútuo contentamento,
Como os cisnes amantes, ao repousarem no lago,
Ou embalados pelas ondas,olhando as águas,
Espelho de nuvens de prata e esteira de azul etéreo
Rasgada pelos barcos de passagem. E quando o vento norte ameaçava,
Inimigo dos amantes espalhando lamentos, e as folhas
Caíam dos ramos e a chuva caía ao sabor do vento,
Sorríamos serenos, experimentando Deus em nós
Em diálogo confiante, num uníssono canto interior,
Num âmbito de paz, em solidão alegre de meninos.
Mas na minha casa está agora o vazio, levaram-me
Os meus olhos e a mim, tal como a ela, me perdi.
Por isso ando errante e é forçoso que viva como
As sombras e tudo o mais há muito perdeu o sentido."

(De Elegias, tradução de Maria Teresa Dias Furtado, publicação da Assírio & Alvim, Lisboa.)

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Cotação da noite (4)

Um gato atirado à caçamba, entre restos de jantar e um tampão higiênico.

Cotação da noite (3)

Minha alma sente-se suburbana quando admite que sofre por algo tão corriqueiro quanto o amor.

Cotação da noite (2)

Não é uma palavra que ele escolheria para se referir a um dos personagens de suas crônicas, mas é a correta para ele: está definhando.

Cotação da noite

Deveria ter morrido em certo fim de tarde, quando lhe faltou uma palavra para mudar seu destino. Tinha cinco segundos para dizê-la. Não a disse.

Doce veneno

A crueldade deveria ser uma arma privativa das mulheres. Como elas sabem triturá-la amorosamente com os dentes, testá-la na língua, nos lábios, antes de instilá-la em nós com seus beijos, que sempre achamos poucos.

Fé no amor

Se você pensa que eu sou loki, bicho, pode pôr muito mais loki nisso.

Vírus

Na tarde em que contrariou as recomendações médicas e depois de três meses pronunciou a palavra amor, seu quarto no hospital foi invadido por duzentas borboletas falantes que repetiram: amor.

Diet

Quem fala em pôr termo à vida é um suicida com mania de eufemismos.

Russinha

Rejeitado pela amada, desenhou nela um bigode, numa de suas fotos, para enfeá-la. Acabou achando-a bela como um cossaco.

O quarto

Pensa que nos braços gorduchos da amada se sentiria bem como um gato. Ela já tem três. Ele não se importaria de ser o quarto e menos querido.

Crueldade

Na internet, as garrafas que não voltam não contam com o álibi do acaso.

Um trecho de Katherine Mansfield

"Eu me pergunto por que seria tão difícil ser humilde. Eu não me considero uma boa escritora; reconheço meus erros mais do que qualquer outra pessoa poderia fazê-lo. Sei exatamente onde falho. Ainda assim, quando termino um conto e antes de começar outro, vejo-me limpando as penas. É desalentador. Parece haver algum antigo orgulho ruim dentro de meu coração - uma raiz que reage forte à menor provocação..."

(De Diário & cartas, tradução de Julieta Cupertino, publicação da Editora Revan.)

Cotação do dia (10)

Abrir a boca, como um bocó, e aspirar todo o amor que há no ar.

Cotação do dia (9)

Quem disser amor, amor, amor, três vezes seguidas, e não começar a flutuar numa nuvem, deverá dizer novamente amor, três vezes.

Cotação do dia (8)

Até o defeito inicial que vimos no amor se mostrou uma qualidade: aqueles dentes que reluzem ao sol um momento antes de nos beijar, no parque.

Cotação do dia (7)

Que felicidade há em certas loucuras. A do amor, por exemplo, que nos faz saltar como lebres.

Cotação do dia (6)

Talvez sejamos loucos, como acham. Passamos o dia inteiro diante do espelho, dizendo um nome que não é o nosso, para ver se o dizemos cada vez melhor.

Cotação do dia (5)

Há um nome, um só, que contrabandearemos em nossa última viagem, escondido no céu da boca, já que estrela ele é.

Cotação do dia (4)

Assim como o gato não revela seu melhor pulo, nós jamais mostramos a mais querida das cicatrizes que o amor traçou em nosso corpo. Só nós e a nossa vela consagrada podemos vê-la, enquanto o mundo dorme.

Cotação do dia (3)

Quem louva nossa voz suave e tímida há de louvar o amor que a tornou assim, nas noites em que nos impôs seu jugo.

Cotação do dia (2)

Falem mal do amor em nossa presença, e espetaremos bonequinhos de vodu e amaldiçoaremos as suas plantações com a praga de um milhão de gafanhotos.

Cotação do dia

Como um papel de bala, o amor nos sopra. Se no caminho uma formiga pressente em nós um resto de açúcar, ele nos sopra para mais longe e a atira para dentro da grande poça formada pela chuva.

Soneto do amor estouvado

O amor é aquele garçom
Que sempre nos traz à mesa
No começo a sobremesa
E, em vez de vodca, burbom.

E, como numa sitcom,
O amor é aquela freguesa
Que nunca paga a despesa
Mas a assina com batom.

O amor é assim, estouvado,
Maluco, disparatado,
E tudo de uma só vez.

Capaz de a conta beijar
E de a sopa derramar
No paletó do freguês.

Injustiça

Que vergonha deve ser para ti, amor, teres o nome pronunciado por uma voz tão indigna, velha e deprimente quanto a minha. Quem me dera ter ainda aquelas vogais que cantavam em meus lábios na juventude.

Palavras no tapete da porta

Que o amor não faça cerimônia, que entre de madrugada em nosso sonho e o atormente à vontade. Dormiremos de braços abertos para recebê-lo e, de manhã, não nos doerão as feridas infligidas, mas nos lembraremos de cada beijo.

Até a última gota

Enquanto nossos inimigos não nos pisam, enquanto não fazem nossa boca sentir o gosto da terra, não aceitamos nos render. Desfrutamos até o fim o gozo da nossa derrota e, se um líquido jorra em nossas costas, sempre esperamos que seja não uma chuva de verão, mas um jato de quente e vitoriosa urina.

Tribunal

Absolveremos o amor com todas as forças que nos restarem depois de ele nos haver supliciado até seu rebenque parecer um espanador de pó.

Meia-verdade

Não é verdade que Priscylla Mariuszka Moskevitch fica mais bela quando se zanga. Ela fica muito mais bela, e ser aniquilado pela dureza dos seus olhos, nessas ocasiões, é como ser chicoteado por uma estátua de Michelangelo.

Um trecho de Katherine Mansfield

"Como Dostoievski conhecia aquele extraordinário sentimento de vingança, aquele prazer de uma pequena risada - que vem de uma mulher em sofrimento? É uma coisa muito secreta, mas profunda. As mulheres não desejam poupar aqueles a quem amam. Se eles as amam com o tipo de devoção cega com que Shatov amava Maria, elas gostam de atormentá-los, e esse tormento lhes traz um alívio positivo."

(De Diários & cartas, tradução de Julieta Cupertino, publicação da Editora Revan.)

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Cotação da noite (4)

Tem os motivos. Seria o bastante, se não fosse tão pusilânime.

Cotação da noite (3)

Nunca será nada que faça escorrer sangue. Tem ojeriza a sangue, à sua cor, ao seu cheiro. Precisaria ser alguma coisa delicada, sem estrebuchamentos e sem gorgolejos, que não sujasse toalhas nem deixasse marcas. Alguma coisa que alguém, ao narrá-la, não precisasse alterar o rosto, como se falasse da morte de uma borboleta, um leve estremecimento amarelo na relva.

Cotação da noite (2)

No escuro os viadutos são mais convidativos, quase acolhedores. Parece mais fácil saltar e, se a noite estiver nublada, quase não se enxerga o lugar em que tudo acabará depois da queda.

Cotação da noite

Teve tantas cordas nas mãos. Não usou nenhuma, e no entanto era tão óbvia a sugestão que elas lhe faziam, quase se oferecendo para lhe servirem como a última e cerimoniosa gravata.

Dificuldade

Quando ele a imagina nuamente deitada no quarto, dela ou dele, precisa criar uma trama que se desenvolva no máximo até as cinco horas. O corpo dela é tão esplendidamente solar em seu conceito que, se um dia a fantasia se realizasse, ele temeria que ela, ao se deitar, propagasse fogo no colchão, na cama, nas cortinas, e ele sufocasse gritando romanticamente amor, com a fumaça desenhando arabescos no quarto.

Cotação do dia (5)

Viver lhe parece mais fácil, agora que o amor morto não lhe exige mais nada.

Pudicícia

As únicas partes pudendas são hoje o céu da boca e o lugar, nas orelhas, onde se acumula cera. Mas a civilização avança.

Fernanda Lima

Certas palavras lamentam-se porque nunca adjetivaram Fernanda Lima.

Cotação do dia (4)

Onde estão os tubarões? Por eles foi que afundei meu barco aqui. Apareceu o amor, solícito, mas, se não me matou em tantas tentativas, certamente falhará também na última.

Selfies

Selfies irritavam Fernando Pessoa. Só mostravam o rosto de Álvaro de Campos, Alberto Caeiro e Ricardo Reis.

Cativeiro

Obrigado, mas não precisam mais procurar Priscylla Mariuszka Moskevitch. Eu a mantenho encarcerada numa nuvem que só se abre com a chave de ouro de um soneto.

Cotação do dia (3)

Sabe que é vil. Não lhe abrem a porta e, quem os tem, atiça contra ele os cachorros. Eles o atacam, o expulsam, o humilham, mas evitam mordê-lo. Ele exala peste por todos os poros.

Uma frase de Martin Amis

"A escrita vem dos bastidores do artista."

(Extraído de A louca da casa, de Rosa Montero, tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman, publicação da Ediouro.)

Cotação do dia (2)

Correram todos para o lago, onde um menino se afogava. Correríamos também, se não estivéssemos ocupados com as picuinhas do amor.

Cotação do dia

Bela manhã, hoje. O amor é só uma lembrança - e esmaecida.

Truque

Se Priscylla Mariuszka Moskevitch fosse o título de todos os textos que escrevo, eles certamente seriam melhores, já desde as três primeiras palavras.

Soneto do adeus

Por ti, amor, eu sofri:
Comi a tua comida,
Bebi a tua bebida,
De urina e fezes vivi.

Verti meu sangue por ti,
Te dei em total medida
Minha alma, meu corpo, a vida,
E o que não dei te devi.

Todos os meus pensamentos,
Todos os meus sentimentos
Tornaram-se teus, só teus.

Mortos os tempos felizes,
Já que adeus tu não me dizes
Por nós dois eu digo adeus.

Mãos ao alto

O amor é aquele assaltante que nos toma o celular, a bolsa, o dinheiro. Nunca nos exige a vida. Sabe que já a tem desde que nascemos.

Impunidade

Que proteção tem o amor, para nunca entrar na lista dos flagelos da humanidade?

Passeata

Ergueu a tabuleta - amor - e começou a passeata. Depois de andar cinco horas, viu que era seguido só pelo sol e por meia dúzia de urubus.

Última cartada

Flagelou-se, prendeu-se no mastro e pôs-se a gritar: covarde, covarde. Mas o amor não desceu para devorá-lo.

Autópsia

No estômago do poeta encontraram um estilhaço de estrela e três pétalas de rosa.

Premonição

Como o cordeiro, o amor berra antes de ser sacrificado.

Sina

Nos meus lábios já murcharam tantas vogais, tantas consoantes. Por que não murcharia a palavra amor?

Chuveiro

Pedir licença a ela, entrar no banheiro, desligar o chuveiro e, com a toalha antecipadamente beijada, enxugar-lhe cada centímetro de corpo. Ali onde os crespos pelos se enroscam delicadamente, apreciar por um instante o fulvo contraste deles com a alva toalha e, subindo, secar com carinho os seios, que além da água podem, por um malicioso roçar da esponja, ter nos bicos duas gotas de leite.

Sucesso

O que um humorista precisa é reunir pelo menos cinquenta cretinos no teatro e ser o único que não pagou ingresso.

Relento

Lá fora, o amor arranha a porta e uiva como um cachorrinho desmamado.

"A bela de Yu", de Jiang Jie

"Quando era novo, ouvia a chuva
Acompanhado por bailarinas,
As velas tremulando, no vermelho
Das cortinas de cama.
Depois, ouvi-a nos barcos errantes,
Nos imensos rios, sob nuvens baixas,
No vento do Oeste - lá onde
Grita o ganso selvagem.

Ouço-a agora junto à cabana dos monges
Com prata nos cabelos.
Tristeza, alegria, ausência, encontro -
Passam, indiferentes.
Que ela tombe - a chuva, sobre os degraus,
Gota a gota, a noite inteira, até ser dia."

(De Uma antologia de poesia chinesa, tradução de Gil de Carvalho, publicada pela Assírio & Alvim, Lisboa.)

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Idolatrias

Podem me chamar de esquisito. Amo a poesia e sou adepto daquele deus, maior que o mundo e todas as coisas, que por concisão e temor denominamos apenas de amor.

Oferta especial

Priscylla Mariuszka Moskevitch é uma das inesperadas belezas que só em certas manhãs o sol de São Paulo revela.

Previdência

Cultivar o dom da avareza. Guardar algumas lágrimas para amanhã. O amor não morreu, e quem está vivo sempre aparece.

Canudo de ouro

O amor é aquele tipo que, se mija num poste, faz nascer flores nele.

Noviço

Sabe que ainda se acha no estágio inicial do sofrimento amoroso, mas já está preparado para a devastação do corpo - e da alma, se a tiver.

Quando

Quando o peso do amor não mais o oprime, o corpo de um homem desaba e se espatifa como uma catedral atingida por um terremoto um minuto depois de ser abandonada pelos passarinhos.

Retorno

Deve ter ajudado a matar Joana d'Arc ou mil andorinhas na encarnação anterior, para sofrer tanto.

Laboratório

Se analisarem a baba de um louco, nela encontrarão só fragmentos de uma palavra: amor.

Edital nº 123/2014

Todos os amores ficam intimados a morrer às segundas-feiras.

Lembranças

Quando se lembra dela, seu corpo é instantaneamente tomado por uma febre que o faz tremer. Ele se agasalha com dois, três cobertores e, com a mão gelada no ventre, ensaiando a descida, murmura palavras de paixão que o frio entrecorta. Logo a cama treme do seu frio, da sua febre e de suas lembranças sincopadas.

Boca desenhada com batom

É o seu sonho preferido. Desenhou com batom uma boca perfeita no ventre de uma mulher. Era como se o ventre fosse o rosto. Começou a beijar os lábios desenhados, e o ventre, subindo e descendo em palpitações cada vez mais intensas, atraía seus beijos e os retribuía. Toda vez que ele, já com a boca doendo, pensava em parar, o umbigo prendia-lhe a língua.

Soneto da praga de Doroti

Disse que se chamava Doroti.
Depois de bolinar-me numa esquina
E de autoproclamar-se ainda menina,
Me pediu que a comesse em pé, ali.

Era feia como uma triste sina,
Mais feia que ela nunca conheci,
E me mandava põe aqui, aqui!,
Com sua voz absurdamente fina.

Me dizia vem, vem, meu marinheiro,
Eu te dou por amor, não por dinheiro,
Vem com tudo, meu bem, não sejas mau.

Não a querendo grátis e nem paga,
Fugi dela, e ela, então, rogou-me a praga
Que mantém o meu mastro a meio pau.


Cotação do dia (10)

Quando conseguir finalmente sufocar a memória com o pano de chão, há de rir como os outros e derrubar bem-te-vis com suas gargalhadas.

Cotação do dia (9)

Viver lhe parece mais fácil, agora que o coração morto não lhe exige mais nada.

Cotação do dia (8)

Um dia ela pousou a cabeça no seu ombro - este onde agora pesa toda a tristeza da vida.

Cotação do dia (7)

Quisera ter sido tão íntimo dela que pudesse mostrar no corpo a marca de suas dentadas.

Cotação do dia (6)

A última chibatada é a que dói, porque anuncia à triste carne que nunca mais o chicote fará o ar assobiar.

Cotação do dia (5)

Chorar como Alice - e afogar-se no amoroso rio das próprias lágrimas.

Cotação do dia (4)

Um homem deveria ter vergonha de chorar, mas antes deveria chorar todas as suas lágrimas, até a última - aquela que vem com um pouco do sangue da alma.

Cotação do dia (3)

A alma deveria ser aquela última fonte da qual pudéssemos extrair lágrimas quando as do coração tivessem secado.

Cotação do dia (2)

Tristes são os dias em que já nem as feridas atormentam e é preciso evocá-las cravando as unhas onde elas estavam.

Cotação do dia

O amor voltou estropiado como um gato namorador. Tinha só metade de uma das orelhas, haviam lhe arrancado o bigode e o nariz estava fora de lugar. Assim que chegou, enfiou-se embaixo das cadeiras, procurou no sofá, foi à cozinha. A dona, que o acompanhava triste e curiosa, sorriu aliviada quando, num canto da sala, ele encontrou a sétima vida.

53 (para a Patricia)

Que alegria, oh!
Na horta da vida
Mais uma abó
Bora colhida.

Um poema (para Priscylla)

Talvez eu possa
antes de morrer
um poema escrever
que seja aquele
que sempre mereceste

Eu o devo a ti
desde o dia
em que nasci
desde o dia
em que nasceste
estrela querida
estrela-guia
dos meus infortúnios
e da minha alegria.

Soneto de como o amor deve se expressar

Que tudo esteja a contento:
Os vivos em comunhão
Na santa devassidão
E os mortos no esquecimento.

Que saiba, em cada momento,
Ocupar-se cada mão
Em sua satisfação
E que se olvide o tormento.

Que cada colchão estale
E que cada casal fale
De gozos e putarias.

E o amor fique, se ficar,
Limitado a se expressar
Em vozes débeis e frias.

Cilício

Porque de dores gostamos
E amamos as agonias,
A vida não desfrutamos,
Morremos todos os dias

Contraste

Geralmente o bobo alegre é o que mais chora por ninharias como o amor.

Carnes

Carnes sempre frágeis são,
Todas elas viram pós,
Não mudam nunca, só não
São mais fracas do que nós.

"Minha poesia", de Tadeusz Rozewicz

"não justifica nada
não explica nada
não renuncia a nada
não abarca o todo
não realiza a esperança

não cria novas regras de jogo
não participa da festa
tem lugar circunscrito
que precisa preencher

se não é fala esotérica
nem fala original
se não espanta
está claro que assim é preciso

é obediente à própria fatalidade
suas próprias possibilidades
e limitações
perde para si mesma

não entra em lugar de outra
nem por outra pode substituir-se
aberta para todos
privada do mistério

tem muitas tarefas
que nunca poderá cumprir."

(Da coletânea Quatro poetas poloneses, publicada pelo Governo do Paraná, com apoio do Consulado Geral da República da Polônia e do Ministério da Cultura da República da Polônia.)

domingo, 17 de agosto de 2014

À margem

Nós não sentiremos frio
E nem calor sentiremos.
Deram o apito, o perdemos,
E já se foi o navio.

Nem no inverno nem no estio
Jamais nós navegaremos.
Sempre à margem ficaremos,
Só vendo passar o rio.

Fernanda Lima

Não foi Fernanda Lima quem propôs o pacto que mantém com a beleza.

DNA

Nascemos já com a maldade.
Desde bebês enfrentamos
E com louvor superamos
O teste de qualidade.

Cotação do dia (10)

Um dia escreverei o decálogo dos infortúnios do amor. Será difícil a seleção. São tantos, tantas centenas, tão pontiagudos.

Cotação do dia (9)

Um cachorro late na rua, desconsoladamente. Talvez seja por amor. Gostaria de latir como ele, alto e sem pudor.

Cotação do dia (8)

Se o amor ao menos soprasse as feridas que abre.

Cotação do dia (7)

Quando começar a babar - e já lhe falta pouco para isso -, a palavra amor lhe escorrerá pelo peito.

Cotação do dia (6)

Se tivesse aprendido uma palavra só, e fosse amor, ela lhe bastaria: tudo que acontece em sua vida se explica por ela.

Cotação do dia (5)

A grande questão filosófica que ele tem a resolver é se vale a pena trocar para sempre a paz pelos tormentos do amor. Deveria ter pensado nisso antes: já fez a troca.

Cotação do dia (4)

Um bebê chorando de fome. O pai foi embora com uma rameira, a mãe fugiu com o rapaz da padaria, e a tia encarregada de cuidar dele está no sofá, arfando nos braços do entregador de gás.

Cotação do dia (3)

Precisamos aprender a subornar os domingos para que comecem a nos ver com melhores olhos.

Cotação do dia (2)

Um idiota que por algum tempo pensou ser outra coisa.

Cotação do dia

Um passarinho que, arrastado pela enxurrada, olha ainda uma vez para as árvores e para o céu.

www.rubem.wordpress.com

Falo hoje, na "Rubem", da feminilidade - nem sempre notada - que têm as alfaces e as couves-flores.

Monomania

No último dos meus dias, se eu tiver fôlego ainda e direito a uma palavra, ela será a mais bela de todos: amor.

Pigmalião

Idealizamos tanto o amor e tanto o enaltecemos que ele se tornou grande e belo demais para que o merecêssemos. Criamos uma religião que exigia adeptos melhores que nós.

Fernanda Lima

Um dos mil duzentos e quarenta e quatro dons de Fernanda Lima é o de aprimorar nossa percepção de beleza.

Vizinhança

Priscylla Mariuszka Moskevitch é geralmente vista perto de roseirais e arcos-íris.

Rumo norte

Não temos muito a fazer.
Gostemos ou não da vida,
Não temos outra saída
A não ser a de viver.

Uma frase de Scott Fitzgerald

"Quando ele compra suas gravatas, tem de perguntar se o gim irá desbotá-las."

(Do livro Pileques, drinques e outras bebedeiras, traduzido por Donaldson M. Garschagen e publicado pela Má Companhia.)

sábado, 16 de agosto de 2014

Cotação do dia (11)

Para que acreditem no nosso sofrimento é preciso fingir. Não aumentá-lo - diminuí-lo, aviltá-lo. As dores de amor são ridicularizadas há duzentos anos.

Discrição

Quando estamos sós, nós o amaldiçoamos. Mas não permitimos que estranhos digam uma palavra sobre o amor.

Moleque

Estava brincalhão o vento, esta manhã. Chamou uma garota de diabinha e um cachorro de porcalhão. A mim me chamou, com justiça, de velhote de merda.

Amuo

Quando minhas palavras não estão a serviço do amor, elas mesmas se sentem traídas e quase se recusam a sair dos lábios.

Hospital, última semana

Proibirão que se diga a palavra amor em nosso quarto.

Um poema de Li Qingzhao

"Parou o vento. Até a poeira é perfumada.
Já é tarde. Não me apetece pentear-me.
As coisas estão aqui mas ele o homem não - tudo acabou.
Quero falar - mas correm-me as lágrimas.
Ouvi dizer que no Regato Duplo é ainda primavera.
Gostaria de ir até lá andar numa barca leve
Mas tenho receio que barca tão frágil
Não suporte o peso de tanto sofrimento."

(De Uma antologia de poetas chineses, tradução de Gil de Carvalho, publicação da Assírio & Alvim, Lisboa.)