sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

"A tarde sobre os telhados", de Pablo Neruda

"A tarde sobre os telhados

cai e cai...
Quem mandou que lhe viessem
asas de ave?

E este silêncio que preenche
tudo,
desde que país de astros
veio sozinho?
E por que a bruma
- trêmula pluma -
beijo de chuva
- sensitiva -

caiu em silêncio - e para sempre -
na minha vida?"

(De Crepusculário, tradução de José Eduardo Grazia, L&PM.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário