domingo, 28 de maio de 2017

Múltiplo (para Rose Marinho Prado)

Sou vários homens - e nenhum deles me agrada.

Trama

Que astuto, que sábio foi o amor. Poupou-me de ver que eram de loba os teus dentes, minha ovelha, até o instante em que eu já não podia nem queria fugir deles.

Ampla, geral e irrestritamente

Fede ali, fede acolá, fede aqui. O país cheira mal do Oiapoque ao Chuí.

Calendário (para Vitor Guedes)

E  se, por um erro banal, cair bem num feriado o dia do Juízo Final?

Curriculum vitae

Artista de primeira,
com materiais de segunda
construo obras de terceira.

"Aliás"

O caderno Aliás, do Estadão, vem compensando integralmente a saudade que deixou o Sabático. Primorosa edição a de hoje, destacando novos autores, como Micheliny Verunschk, que nos interroga sobre nosso possível canibalismo.

De Henri-Frédéric Amiel

"O público só se entrega aos talentos atrevidos e imperiosos, aos empreendedores e aos hábeis. Não crê na modéstia, e nisso não vê mais do que uma afetação. (...) O próprio Evangelho, num outro sentido, diz que a entrada do céu é para os audaciosos, e que são os violentos que conseguem alcançá-la."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações.)

sábado, 27 de maio de 2017

Haicai lapidar

Em tempo de secura
se mijarem em alguma
que seja na minha sepultura.

Homônimo

Não, Scott Fitzgerald
não foi aquele
que inventou a emulsão.

Cotação do dia (2)

Se me dessem uma mala, eu não saberia como carregá-la.

Caixinha de Pandora

A política é uma arapuca. Até macaco velho mete a mão em cumbuca.

Autocrítica

Sou um fracasso em verso e em prosa. Se fizesse uma delação premiada, não ganharia nada além de uma menção honrosa.

Cotação do dia

O homem que fui, e o que não fui, talvez possam esperar perdão. Mas o que usou a arte indignamente, como eu, há de morrer execrado.

Início de "Chão trágico", de Erskine Caldwell

"Spence Douthit passara o dia inteiro tentando comprar a crédito, fosse onde fosse, o tônico estomacal preferido por Maud. Já ia adiantada a tarde quente de agosto quando ele voltou a Poor Boy. Caminhando, fatigado, ao longo do canal dos navios, de onde via o chalé que o tempo acinzentara, com seu telhado de cinza enferrujado, surpreendeu-se ao ouvir que de sua casa vinham sons de música."

(Tradução Nair Lacerda, Editora Abril.)

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Doxomania

Minha vaidade acordou eriçada, miando alucinadamente, trepando pelos muros, roçando-se nos cacos, oferecendo frentes e atrases em troca de admirações passageiras e aplausos fugazes.

Nomes

Há nomes que teimam em ficar nos lábios, mesmo quando já se tornou amargo dizê-los.

Hoje no portal do Estadão...

... conto uma história de agudo ressentimento.

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/e-mail-para-lia/

Hoje

Estou livre enfim

Meus vivos
não me chamam mais
não me reivindicam

Meus mortos
esqueceram-se de mim.

Sonhos

Talvez uma pesquisa sobre minhas vidas passadas explicasse o fato de eu, em sonhos cada vez mais frequentes, me ver vendendo alfaces de porta em porta, com um carrinho de pedreiro. E com que alegria eu toco as campainhas!

Fifty fifty

De modo geral, os poetas podem dividir-se em duas categorias igualmente representativas: a primeira é a dos que, com certa modéstia, dizem ter inventado as flores e os passarinhos; a segunda é constituída pelos que dizem o mesmo, sem modéstia nenhuma.

Ornamentos

Incapaz de apreender a essência de uma rosa, não consigo nada além de adorná-la com adjetivos, como se pura, divina e imortal bastassem para dar-lhe uma definição.

Cotação do dia

Hoje, para sentir-me puro, preciso me concentrar.

Início de "O jogo da amarelinha", de Julio Cortázar

"Encontraria a Maga? Tantas vezes bastara-me chegar, vindo pela Rue de Seine, ao arco que dá para o Quai de Conti, e mal a luz cinza e esverdeada que flutua sobre o rio me deixava entrever as formas, já sua delgada silhueta se inscrevia no Pont des Arts, por vezes andando de um lado para o outro da ponte, outras vezes imóvel, debruçada sobre o parapeito de ferro, olhando a água."

(Tradução de Fernando de Castro Ferro, Editora Civilização Brasileira/Círculo do Livro.)

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Ponto de ônibus

"O que  é isto aqui mesmo, que você falou?"
"Eu já disse duas vezes. Você está tirando uma comigo."
"Fala, vai. Fala de novo."
"Braguilha."
"Bra o quê? Bra o quê? Eu não acredito. É o nome desta coisinha fofa?"

A pergunta

Era quase meia-noite quando, ao passar pela terceira vez diante do portão, eu a vi abri-lo para mim. Com o coração aos pinotes, hesitei. "Vem, vem logo", ela disse. Tomado pelo medo, retardei os passos, e ela quase me empurrou até a porta da sala. Fez-me entrar: "Não precisa ter medo. Ele acabou de ligar. Não vem hoje." Eu comentei tolamente: "Que sorte." Ela achou graça: "Sorte mesmo. Hoje eu me acabo." Abraçou-me e começou a me levar na direção do sofá. Senti que teria alguns segundos só antes que ela se atirasse aos beijos sobre mim. Já deitado debaixo dela, perguntei: "Leu o meu soneto?"

Confissão

Se fosse responder por mim, eu diria que a melhor motivação para um escritor está na vaidade. Excluindo a adolescência, em que talvez tenha sido verdadeiro o ideal que presumi mover-me, reconheço que o que há tanto tempo vem me levando a escrever é o desejo de ver recompensadas a fome e a sede do meu ego. Atirem-me um osso, ofereçam-me uma tigelinha de água, e eu o apanharei e a tomarei como nunca antes um cão abocanhou ou bebeu osso nenhum e nenhuma água. Mas me aplaudam, me façam festa. Mintam, mas me chamem de artista.

Quadrinha do dia

Se eu pela literatura
Um bem posso ainda fazer
É restringir-me à leitura
E nunca mais escrever.

Sonhos na Praia - Raul Drewnick e Antônio Ianovali

Gratidão

Tem-me comovido a delicadeza com que vêm me tratando os meus dias. Eles me recomendam cautela a cada passo, confortam-me se gemo e dizem que não, quando lhes pergunto se são meus dias derradeiros.

Metamorfose

Ridículo é o poeta que, tendo lidado a vida inteira com flores, repentinamente se descobre revolucionário e se julga capaz de reproduzir, com a retumbância das aliterações, a plúmbea voz dos canhões.

Chumbo

A retórica é aquele tambor que você ineptamente faz soar no instante em que afinal os periquitos, em revoada, se dispõem a cantar.

Dois bicudos

De todos os inimigos do amor, o mais comum é o amor-próprio.

Um trecho de Antonio Tabucchi

"Ela sabia qual era a coisa mais linda do mundo. Ele, ao contrário, não sabia. Como era possível que na sua idade, com tudo aquilo que vira e conhecera, ainda não soubesse qual era a coisa mais linda do mundo?"

(Do conto "Clof, clop, clofete, clopete", do livro O tempo envelhece depressa, tradução de Nilson Moulin, Cosacnaify.)

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Apelação final

Morrer é às vezes a última chance que temos de voltar à memória dos amigos.

Comunicado

Digo de peito aberto:
a poesia e eu
não demos certo.

País tropical

É coisa bem corriqueira
E uma verdade profunda:
Valem carnes de primeira,
Se as almas são de segunda?

Origens (para Silvana Guimarães)

O poema não vem
da vontade só
nem só do pensamento
vem da vontade
vem do pensamento
e algum tanto
tantos por cento
uma porção
(por que tanto
constrangimento?)
da emoção
e do sentimento.

Parágrafo inicial de "1984", de George Orwell

"Era um dia frio e ensolarado de abril, e os relógios batiam treze horas. Winston Smith, o queixo fincado no peito numa tentativa de fugir do vento impiedoso, esgueirou-se rápido pelas portas de vidro da Mansão Vitória; não porém com rapidez suficiente para evitar que o acompanhasse uma onda de pó áspero."

(Tradução de Wilson Velloso, Companhia Editora Nacional.)

terça-feira, 23 de maio de 2017

Um grau acima (para Rose Marinho Prado)

Sou a vaidade em pessoa. Seria mais se fosse em Pessoa.

Em juízo (para Márcia Marinho)

Sempre se pode alegar que a crase é uma questão de gosto.

Parágrafo único

No Brasil, o único erro imperdoável é escorregar numa crase.

Dica

Alpiste pode-se dar
Com a mão destra e com a sinistra,
De uma só vez, sem tardar,
Ou a se perder de vista.

Inépcia

De um poeta eu não tenho nada além da vontade. Sou o inepto dos ineptos. Se sair numa noite de chuva com a intenção de colher uma rosa, é certo que chegarei à casa da amada com a mão vazia e, se tirar os sapatos para não sujar a sala, de pelo menos um deles saltará o mais horrível dos sapos, para completar minha humilhação.

Recato

Convém que sejam sigilosos os acordos entre o poeta e a poesia, especialmente os que se referirem a concessões feitas por ela em nome de modernidades apontadas como necessárias por ele.

Pergunta do dia

Quem se safa é safado?

Reciclagem

Se modernize.
Jamais use competência
Se puder usar expertise.

Processo

Chamada a depor no julgamento do poeta, a rosa declarou que poderia apenas relatar alguns episódios, três ou quatro, ocorridos em distantes manhãs. Depois, com inequívoco despeito, sugeriu, para melhor avaliação do caráter do acusado, que se procurasse indagar o que ele e a lua, noite após noite, faziam.

"A Fernando Pessoa", poema de Antonio Carlos Secchin

"Se é corrigir o que se foi,
e pensar o passado na garganta do amanhã.
É crispar o sono dos infantes,
com seus braços de inventar as buscas
em caminhos doidos e distantes.
É caminhar entre o porto e a lenda
de um tempo dardejado contra o mar.
Domar o leme das nuvens, onde mora
o mito e a glória de um Deus a naufragar."

(Da antologia 26 poetas hoje, organizada por Heloisa Buarque de Hollanda, publicação da Aeroplano Editora.)

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Quadrinha moderadamente bélica

O melhor que um homem faz
É deitar o amor por terra.
Pode não ganhar a guerra,
Mas não perderá a paz.

Negócio

"Olhe, pelo estado da sua alma, o máximo que eu posso arranjar é... deixe ver... huumm... O quê? Escritor? Não, não dá."

De Henri-Frédéric Amiel, sobre a literatura

"A educação pelo sofrimento faz os bons, desperta a poesia, mas as obras sãs devem ser geradas pela saúde. Os melancólicos, os hipocondríacos, os ascetas, os aflitos, os sofredores, engendram apenas produtos sem vitalidade."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicação da É Realizações.)

domingo, 21 de maio de 2017

Compromisso

Um poeta deve ter o pudor de nunca revelar em quais seios colhe o leite com que alimenta suas rosas brancas.

Sem retorno

É preciso te destruíres inteiro, para que nem a compaixão alheia nem a tua te instiguem a semear-te de novo e a regar-te com tua pretensão e tua soberba.

Privilégio

Sentires asco de ti é algo que podes fazer com melhor conhecimento de causa do que mais ninguém no mundo.

Socrática

Conhecer-te a ti mesmo é só o que podes fazer antes de te julgares desprezível como os outros já te consideram.

Cotação do dia (5)

Quem oferecerá flores a um homem como eu? Olhem para mim. Vejam estes traços grosseiros, de camponês. Não é a cara de alguém capaz de, entre um zurro e um relincho, mastigar e engolir um feixe de rosas?

Cotação do dia (4)

Se houvesses feito o que andaste premeditando, não terias, como pensavas, livrado o mundo de um poeta.

Cotação do dia (3)

Bastaria que houvesses olhado tuas mãos. Basta olhá-las agora. Pode um dia ter passado por elas um grão, uma palpitação de luz, um suspiro de brisa provindos da poesia?

Cotação do dia (2)

O que leva um homem a se iludir a ponto de, estando todo dia consigo mesmo e sua miséria, julgar ser um poeta?

Cotação do dia

O domingo chegou desmazelado, como quem visita alguém que amanhã já não poderá falar nem bem nem mal de nada ou ninguém.

Hoje na revista Rubem

https://rubem.wordpress.com/2017/05/21/frases-curtas-ideias-simples-raul-drewnick/

sábado, 20 de maio de 2017

Procuração

Com as próprias mãos
não te destruas. Há mãos
mais eficazes que as tuas.

De João Pereira Coutinho, sobre a arte

"Para retomar as palavras de T.S. Eliot, a criação artística é um exercício de autossacrifício em que, para expressar uma personalidade, é necessário primeiro extinguir a personalidade. E encarar o processo criativo como o momento sacramental em que elevamos o que somos, o que não somos e o que gostaríamos de ter sido a um patamar sublime."

(Do livro Vamos ao que interessa, publicado pela Três Estrelas.)

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Castigo

Apesar das advertências da mãe, o menino continuou com suas visitas ao jardim da casa, até que certa manhã acordou e na palma da mão viu, nítida como uma tatuagem, a rubra imagem de uma rosa.

Hoje no portal do Estadão...

... falo de uma cruel coincidência armada ao som de um bolero.

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/ao-som-de-um-bolero/

"Pesquisa utilitária", de Carlos Saldanha

"De cem favoritos reais
noventa e seis foram guilhotinados.
É preciso conversar atentamente
com os quatro que sobraram."

(Da antologia 26 poetas hoje, organizada por Heloisa Buarque de Hollanda, Aeroplano Editora.)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Como era

Os poetas falavam com tanta frequência e desembaraço de flores que até as rosas pareciam seres corriqueiros.

"O riso amarelo do medo", de Francisco Alvim

"Brandindo um espadim
do melhor aço de Toledo
ele irrompeu pela Academia
Cabeças rolam por toda parte
é preciso defender o pão de nossos filhos
respeitar a autoridade
O atualíssimo evangelho dos discursos
diz que um deus nos fez desiguais."

(Da antologia 26 poetas hoje, organização de Heloisa Buarque de Hollanda, publicada pela Aeroplano.)

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Vida social (para Patricia Mesquita)

Há tanto tempo não tomo um cafezinho comigo mesmo, num restaurante, que nem sei mais me dizer se uso açúcar ou adoçante.

Indício

Só desconfiou que era sério
quando o carro preto
estacionou no cemitério.

Ordem

Recomenda-se aos morituros que se mantenham atentos ao painel e, quando chamados, compareçam ao guichê com os documentos à mão.

Coerência

Ando tão alienado
que mesmo a encontros comigo
tenho faltado.

Autodestruição

Subestimamos nossa condição,
conosco somos mesquinhos.
Quem sabe se os passarinhos
não sonham andar de avião
como nós andamos?

"Aquarela", de Antonio Carlos de Brito

"O corpo no cavalete
é um pássaro que agoniza
exausto do próprio grito.
As vísceras vasculhadas
principiam a contagem regressiva.
No assoalho o sangue
se decompõe em matizes
que a brisa beija e balança:
o verde - de nossas matas
o amarelo - de nosso ouro
o azul - de nosso céu
o branco o negro o negro."

(Da antologia 26 poetas hoje, organização de Heloisa Buarque de Hollanda, edição da Aeroplano.)

terça-feira, 16 de maio de 2017

Terceirização

Pedrinho matou a onça
e quem pagou o pato
foi monteiro lobato.

Contraste

Que tristes são os poemas concretos. Qual deles será um dia recitado como as menininhas de ontem e anteontem recitavam batatinha quando nasce esparrama pelo chão?

De João Pereira Coutinho, sobre "Cinquenta tons de cinza"

O filme vale a pena. Mas somente se você, leitor, for a uma sala com adolescentes. Eles são o coro perfeito para o que sucede na tela: por cada cena de sexo, por cada gemido, por cada açoite - a gargalhada é geral. Entendo. Essa é a geração que, na internet, encontra a pornografia hardcore instantânea e grátis. As cenas "transgressivas" de Cinquenta tons de cinza são, para eles, brincadeira de crianças. Literalmente."

(Do livo Vamos ao que interessa, Editora Três Estrelas.)

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Sobre o concretismo

Petrus Petronicus, expoente do concretismo, destaca no seu livro de ensaios Alicerces da nova arte que o movimento teria chegado a dominar  a cena literária mundial em meados do século XX, não fossem os problemas de transporte e de espaço. E cita o caso do poeta concretista português Nuno Seixo, que precisou destruir o teto de sua casa em Póvoa do Varzim porque um poema seu assumiu, por erro de cálculo e excesso de inspiração, a grandeza despótica de um edifício.

Feio demais

Anacoluto, como todos nós fingimos saber, é uma figura de sintaxe. Isso não vem ao caso. O que eu quero dizer é que anacoluto, seja o que for, é tão feio que traz em si mesmo, indiscutível, o direito de resposta: anacoluto é a puta que pariu.

Ideais

Olho para trás e vejo um bando de estropiados, rotos, mutilados. São meus ideais. Encaram-me com olhos acusadores. Perguntam-me por que os trouxe até aqui, por que confiei tanto neles, por que não desisti deles quando seus ferimentos ainda não eram mortais. Estrebucham, cospem o derradeiro sangue no chão, suplicam misericórdia. Que posso fazer senão aguardar que o último deles morra para morrer também, com a dignidade que reste a um general humilhantemente derrotado?

"Caminho da Gávea",de Antonio Carlos de Brito

"O táxi para na esquina e meu
coração está calcinado.
A paisagem é impecável no seu
espetáculo simétrico e lento. O sol cochila.
Do outro lado da rua e de mim
o mar deságua em si mesmo."

(Extraído de 26 poetas hoje, organização de Heloisa Buarque de Hollanda.)

sábado, 13 de maio de 2017

Cotação do dia

Às vezes, uma vontadezinha de ser alegre (feliz nem pensar).

"Eutanásia", de Lourença Lou

"o corpo
- poema em desconstrução -
lambe melancolicamente
as páginas de um rimbaud

a alma
- poesia em decantação -
aspira sofregamente
a fumaça do free azul

(e a vida vai escorrendo
aosom de blues da ampulheta)."

(De Equilibrista, Editora Penalux.)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Nomenclatura

À cerimônia de lançamento de um livro de poemas concretos se dava o nome de festa da cumeeira.

Jeito de encantar

Se um poeta quiser encantar sua amada com poesia, a recomendação é dar-lhe um livro do Quintana ou do Drummond.

Profilaxia

Receando ser contaminados pelo lirismo, os poetas concretistas só tocavam uma rosa, se precisavam fazê-lo, com as mãos enluvadas.

Hoje no portal do Estadão

Mãe é mãe.

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/ser-mae/

De Henri-Frédéric Amiel, sobre a arte

"Um rimador não é um poeta; um amador não é um artista. É necessário esposar a profissão para nela distinguir-se; é necessário possuir a fundo o seu instrumento para fazer parte do conjunto."

(Tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações.)

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Fama

Tudo de Clarice
virou mantra - até
o que ela não disse.

Viniciana

Jamais duvides de mim.
Te amarei eternamente,
Infinda, infinitamente,
Pelo menos até o fim.

"Sexta-Feira", de Saint-John Perse

"Risos ao sol,
marfim! medrosas genuflexões, as mãos nas coisas da terra...
Sexta-Feira! que verde era a folha, e que nova tua sombra, as mãos tão longas para a terra, quando, junto ao homem taciturno, movias sob a luz o azul cintilamento de teus membros!
- Agora presentearam-te com uma roupa usada, vermelha. Bebes o azeite das lâmpadas e roubas na despensa; cobiças as saias da cozinheira, que é gorda e cheira a peixe; olhas no cobre de tua libré teus olhos que se tornaram velhacos, e teu riso vicioso."

(Tradução de Darcy Damasceno, Coleção Prêmios Nobel de Literatura, Editora Delta.)

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Lógica literária

Melhor um jabuti na mão que dois nobéis voando.

Jurisprudência

Se for levado a um tribunal por praticar a poesia, um homem deve ter sempre um amor frustrado para apresentar como a mais legítima das defesas.

Isonomia

Os cisnes estão pedindo sua inclusão na lei que considera as estrelas, a lua, o sol, o passarinho e as flores patrimônios poéticos da humanidade.

Frase de Henri-Frédéric Amiel

"Lá aonde levamos a alegria, é certo que a encontramos."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações.)

terça-feira, 9 de maio de 2017

A melhor das culpas

Se nos acusarem de plágio, o ideal é que o nome de Shakespeare esteja várias vezes no processo.

Reputação

Um homem sensato só deve encontrar-se com a poesia em lugares públicos, e nunca à noite.

Birra

Ela nunca me chamou de tolo. Sempre se negou a reconhecer minhas virtudes.

Suspeita

Depois que, num dos meus textos, eu perdi a esperança, as outras palavras começaram a fugir de mim.

Estilo

Procrastinar é o modo mais afetado de adiar.

Má sorte (para Marisa Lajolo)

Os poetas concretistas chegaram tarde. Drummond já tinha tropeçado na pedra.

Ossos do ofício (para Paula Giannini)

Quando lhe perguntam como vai, o velho ator ator responde que no geral vai muito bem. Só a coluna lhe dói, mas é o preço que deve pagar por ter se curvado milhares de vezes para agradecer às plateias entusiasmadas.

Caso antigo

O último dos três meninos que riram dele no dia em que urinou na sala de aula, cinquenta anos atrás, morreu ontem. Religioso, rezou por ele, como fizera pelos outros, e aproveitou para agradecer: obrigado, meu Deus.

Vocação

Os pais descobriram tudo quando ele tinha quinze anos. Seus olhos e o rosto pálido eram um convite à investigação. Na terceira noite em que viram acender-se de madrugada a luz do seu quarto, entraram abruptamente e ele não pôde negar. Escondeu embaixo do travesseiro Anna Kariênina, mas não conseguiu ocultar Madame Bovary.

Desconstrução

E se lhe disserem que a Rita Lee nunca esteve na esquina da Ipiranga com a São João?

Técnica

Maturidade é o nome que se dá ao desencanto, no final das biografias.

Definição

Tentar definir uma rosa é um erro. Insistir no erro é poesia.

"Parábola", de Wislawa Szymborska

"Pescadores retiraram uma garrafa das profundezas. Nela havia um pepel e no papel estavam escritas estas palavras: 'Gente, me salvem. Estou aqui! O oceano me jogou nesta ilha deserta. Estou na praia esperando ajuda. Se apressem. Estou aqui."
   - Não tem data. Decerto já é tarde demais. A garrafa deve ter flutuado muito tempo no mar - disse o primeiro pescador.
   - E não diz onde é o lugar. Não dá pra saber nem qual é o oceano - disse o segundo pescador.
   - Não é nem tarde demais nem longe demais. A ilha Aqui está em toda parte - disse o terceiro pescador.
   Houve um desconforto. Fez-se silêncio. As verdades gerais têm isso."

(De Um amor feliz, tradução de Regina Przybycien, Companhia das Letras.)



segunda-feira, 8 de maio de 2017

Mãos

Olho minhas mãos e pergunto-me que tipo de insanidade me possuía quando as imaginei capazes de reter, ainda que por um instante, a beleza, mesmo que ela consistisse num raio de sol filtrado por minha espessa melancolia.

Etapa

Chego a um ponto do caminho em que, se quiser flores, preciso buscá-las na memória.

Carinho

Com a mão esquerda, dá três palmadinhas na direita, para consolá-la de culpa de nunca haver conseguido, com a caneta, nada além de falsos brilhos literários.

De Nabokov, sobre Kafka

"Kafka era, acima de tudo, um artista,  e embora possa se sustentar que todo artista é uma espécie de santo (eu próprio sinto isso muito claramente), não acho que se possa ler nenhuma implicação religiosa no talento de Kafka."

(De Lições de literatura, tradução de Jorio Dauster, Editora Três Estrelas.)

domingo, 7 de maio de 2017

Vai, Corinthians!

https://youtu.be/UgiFnIvJYu4

Hoje na revista Rubem...

... falo do que realmente me importa: miudezas.

https://rubem.wordpress.com/2017/05/07/o-martir-no-primeiro-e-a-morte-no-item-final-raul-drewnick/

Cotação do dia

Com a mão esquerda, dá três carinhosas palmadinhas na direita, para consolá-la da culpa de nunca haver sabido produzir, com a caneta, nada além de falsos brilhos literários.

Início de "O andarilho das estrelas", de Jack London

"Durante toda minha vida, tive consciência de outros tempos, de outros lugares. Sempre percebi outras personalidades inerentes a mim. Acredite nisso, você que vai ler este livro! Lembre-se de seus primeiros anos de vida e essa impressão também virá à tona, como uma experiência da infância."

(Tradução de Marco Castilho e Mariléa de Castro, Editora do Conhecimento.)

sábado, 6 de maio de 2017

Sorte de principiante

Estarás deitado, compenetradíssimo em teu papel de morto. Não ouvirás dizerem, ali perto: foi um grande homem. E não verás, depois da frase, teus parentes e amigos indo à sala de velório vizinha para conhecer o defunto merecedor do elogio.

Por assim dizer

Quando se usa a expressão sabe-se lá como, é porque não se sabe absolutamente nada.

Defeito original (para Bianca Almeida, Gianluca e Nicole Drewnick)

Um ajudante de Deus, um desastrado cujo nome não mereceu registro, espatifou a lua em milhões de pedaços, e até hoje ela tenta recuperá-los, chamando: estrelas, estrelas.

Quase definição

Um haicai costuma ser tão instantâneo e imaterial que é menos uma questão de visão que de crença.

Sotaque

Pelo jeito de se expressar, não-me-toques só pode ter raízes lusitanas.

Significado

Vicissitude é uma daquelas coisas que só começamos a sofrer depois que consultamos o dicionário.

Altissonância (para Bianca Almeida, Gianluca e Nicole Drewnick)

O passarinho que imaginava ser águia pousou diante da minhoca: "Decifra-me ou te devoro."

Perfil público

Se um dia eu me tornasse escritor, gostaria de ser um desses modestos que só depois de cinco ou seis convites aceitam receber prêmios.

Como estarás nesse dia

Te levarão para um lugar
desses abençoados
que apreciarias
e tu mesmo escolherias
se o pudessem ver
teus olhos fechados

Para lá te levarão
e lá te deixarão
depois que as pás
que não ouvirás
acharem para ti
um espaço na escuridão.

Cotação do dia

Quando ele se apalpa,
ainda se sente:
não está morto o suficiente.

Trecho de Henri-Frédéric Amiel

"A doença me causa sobretudo vergonha; humilha-me como um defeito físico, como um ridículo, como um olho inchado ou uma espádua torcida. Isso equivale a dizer que não conto com a caridade complacente dos meus semelhantes, e que a sua comiseração, tal qual é, me assusta."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, edição da É Realizações.)

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Dever de ofício

No meio da manifestação, tossindo, rogou a Santo Aristarco que lhe permitisse sobreviver para consultar, no dicionário, se era gás lacrimogêneo ou lacrimogênio.

Saldo

O problema dos fracassos poéticos é o que fazer com o encalhe de bem-te-vis e de rosas.

Bom-senso

Se eu tivesse juízo, as únicas palavras com que estaria lidando seriam as cruzadas.

Como se pedras

Ando cansado. Tudo me pesa. Ontem quis colocar duas rosas numa frase e precisei deixar uma no meio do caminho.

Prova

Sentiu-se de repente morto e começou a apalpar-se com reverência, como se deve apalpar um paradoxo.

Memória

Por sentir a morte próxima, ela começou a ter saudades de tudo e pediu que a levassem à casa onde havia passado a infância. sete décadas antes. Deixaram-na entrar e ela quis ir ao jardim do fundo. Olhou o roseiral, chamou uma flor de lírio,  outra de margarida, e, abaixando-se temerariamente, ficou procurando alguma coisa na terra. Perguntaram-lhe o que era, "Eu jurava que tinha escrito meu nome aqui, num dia de chuva."

Gatos-pingados

É um desses homens de  cujo sepultamento participam no máximo cinco pessoas - três, se excluídos os dois coveiros.

Se for (para Edilaine Lopes)

Se for para perder-se
que seja numa rima toante
nuns olhos verdes.

Dorinne e o professor Henrique no shopping

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/um-beijinho-so-ou-dois/

Cotação do dia

Sinto-me hoje como se fosse um morto muito distraído que, notando algo diferente, estranhasse não ver ninguém por perto a quem pudesse perguntar.

Nove versos de Emily Brontë

"Agora, é a noite;
O sol desce,
Escorrendo no horizonte o fulgor dos seus ouros;
A cidade, vagarosa, abandona o murmúrio
E docemente se mistura ao sopro que a afaga.

No entanto, creio ver uma planície fúnebre
E estou na escuridão. É outubro e tudo é plano,
Os pilares da noite ameaçam ruir,
Enchendo o negro céu e a abóbada de tormentas."

(Do poema "Como um fantasma repentino", extraído do livro O vento da noite, tradução de Lúcio Cardoso, Civilização Brasileira.)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

A coleção

Prezo minhas tristezas. Sou fiel a elas. Já com a primeira surgiu em mim a ideia de coleção. Ela vem crescendo desde o dia no qual, menino, eu soube que um gato podia ser morto por um homem cansado de, com sua espingarda, testar a pontaria em alvos monotonamente fáceis como latas.

Metrô

Eu podia estar furtando, roubando,
mas estou aqui na minha,
poetando, definhando.

Beleza e verdade

A maior de todas as belezas pode ser,  mesmo, a da verdade. Mas eu prefiro, ainda, a dos olhos verdes, mesmo que mentirosos como a esperança.

Cotação do dia (2)

A única importância que eu talvez ainda tenha é um resto daquela que eu mesmo presunçosamente me atribuí, há tanto tempo.

Cotação do dia

Venho escrevendo tão mal que agora há pouco me perguntei que desculpa eu poderia dar se alguém quisesse saber por que continuo. Forjei esta: escrevo, ainda, por expressa recomendação médica. É risível, eu sei, mas me compenso, com ela, de tantas vezes nas quais exprimi a verdade do meu coração e riram como se eu estivesse contando uma piada.

Um trecho de Henri-Frédéric Amiel

"Colocar-se em todos os pontos de vista, fazer viver a sua alma por todos os modos, isso está ao alcance do ser pensante, mas é preciso confessar que pouquíssimos aproveitam a permissão.Os homens estão em geral aprisionados e atarraxados nas suas circunstâncias, mais ou menos como os animais. Quase não desconfiam disso, porque não se julgam. Colocar-se dentro de todos os seus estados e perceber do interior a sua vida e o seu ser, é a função do crítico e do filósofo."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações Editora.)

terça-feira, 2 de maio de 2017

Figurino

Os poetas românticos podiam nem ser dotados de muito talento, desde que fossem pálidos e tivessem o jeito certo de olhar para o céu.

Acessórios

Que sejam belos os olhos do poeta, para não se dizer que ele só tem as lágrimas a oferecer.

Estátua

Em Santos, Vicente de Carvalho, o Poeta do Mar, fica de costas para ele, cumprimentando turistas.

Ágrafos

De alguns escritores, diz-se que têm muito espírito e que, se alguém os acompanhar vinte e quatro horas por dia e anotar suas frases, o Nobel será para eles o mais irrisório dos prêmios.

Poema autodedicado

Não te preocupes, não temas.
Vais perder agora a paz?
Escreveste tantos poemas,
Coisa pior tu não farás.

2 de maio de 2017

Ao que parece
a questão dos gêneros
ainda causa espécie.

Plena

Maravilhosa é a palavra alma. Você a sente brotando nos olhos, oferecendo-se aos lábios, para que você a beba em sua íntegra pureza. Que prova mais você quer? Será preciso apalpá-la?

Truque (para Verônica Marzullo de Brito)

Às vezes precisamos nos doer para nos sentirmos vivos.

Cinco versos de Margaret Atwood

"Ou pare diante de um poço ou um lago
e deixe cair ali uma pedra.
O som que ouvirá é uma pergunta
que deveria ter feito.

A resposta também."

(Do livro A porta, tradução de Adriana Lisboa, Rocco Editora.)

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Ambição (para Rose Marinho Prado)

Eu gostaria de ser um poeta que me agradasse.

Dedicação plena (para Verônica Marzullo de Brito)

Todo o meu corpo se pôs à disposição do verbo doer.

Placa sob neblina (para Rose Marinho Prado)

Você não tem como errar,
Ninguém pode, ainda que tente.
É só seguir devagar;
A meta é ali logo em frente.

Cotação do dia

Estou mais para reumatismos que para romantismos.

Tanto tempo

Talvez tivéssemos merecido, um dia, melhor avaliação. Foi há muito tempo, certamente, tanto, tanto, que a memória já não poderia ser chamada como nossa testemunha, se quiséssemos.

Moeda antiga

Ter pena de mim é algo que já não faço com a mesma naturalidade, tantos anos depois. Sinto-me um impostor, como sujeito e como objeto.

No mínimo

Que pelo menos a nossa melancolia passe diante dos outros sem que alguém possa nos acusar de falsidade, como fizeram com todos os nossos outros sentimentos.

Negócio fechado

Minha vida ainda não acabou, é verdade. Mas, com a autocondescendência que minha idade talvez justifique, sinto-me tentado a lhe dar sete e meio, pelo conjunto, como nota definitiva. Amanhã ou depois, receio que nem sete ela valha.

Ovos, para que vos quero?

Agora há pouco passou aqui pela rua um exemplo de romantismo tardio. O carro do vendedor de ovos, apregoando a excelência da mercadoria e lamentando não poder ficar por muito tempo,,porque outras freguesias o esperavam nesta imensa cidade, repetiu o convite, com um final dramático: venham, venham logo, antes que seja tarde demais.

De Fernando Pessoa, sobre Henri-Frédéric Amiel

"O diário de Amiel doeu-me sempre por minha causa. Quando cheguei àquele ponto em que ele diz que sobre ele desceu o fruto do espírito como sendo a 'consciência da consciência', senti uma referência direta à minha alma."