domingo, 31 de março de 2019

Capitu (para Lúcia Maia)

Capitu, chiquíssima,
morreu na Suíça.

Fase

Depois dos sessenta, começam a nos cair bem os pijamas largos e os moralismos.

Provas

O cachimbo do Saci foi apreendido pelos acusadores de Monteiro Lobato, além de cinquenta gramas do pó de pirlimpimpim.

Alerta total

Na hora em que a onça ia beber água, até os peixes davam um jeito de parecer invisíveis.

Oportunismo

No meio do século passado, um industrial, Giancarlo Primore, fez fortuna ao montar no Brás uma fábrica que produzia um líquido para lustrar poemas concretistas.

Acervo

Num dos paletós do velho poeta morto recolhidos para a ação de caridade: um soneto sem chave de ouro, um maço de cigarros Hollywood, um recibo do Mappin e um intrigantíssimo cartão de motel na Santa Ifigênia.

Se

Se nós soubéssemos definir beleza, que monótono seria procurá-la.

Discórdia

A questão de gêneros é a que hoje mais causa espécie.

Atualização

O que diria hoje
aquela educadora
sobre a partícula apassivadora?

Sugestão

Morrer deveria ser um fato tão pessoal, delicado e sigiloso que dele nem os mortos viessem a participar.

sábado, 30 de março de 2019

Antecedente (p/ Xico Sá)

Já na guerra púnica
Roma e Cartago
jogavam para torcida única.

Oferta

Vende-se poema concretista:
duzentos reais em seis prestações mensais
ou cento e cinquenta a vista.

Pontos de vista

Ele canta como os passarinhos.
É a opinião dele,
Não a dos vizinhos.

Sonho

Entrei. Por que não entraria?
Estava escrito Nobel. Mas não era
O prêmio, era a livraria.

Contraste

Augusto dos Anjos era um poeta que tinha um mau humor de mil demônios.

Formação

Os leitores acostumaram-se mal com os concretistas e agora exigem de qualquer poeta, seja qual for sua escola, no mínimo um diploma de  arquiteto.

Kit

Todo poeta romântico deveria vir acompanhado por uma aparência ao menos razoável, além da usual coleção de suspiros.

Classificação

A que categoria, se não for a dos chatos, pertencem aqueles defuntos que no meio do velório se levantam, sacodem as flores e saem dizedo que vão dar uma voltinha e só voltam para o jantar?

sexta-feira, 29 de março de 2019

quinta-feira, 28 de março de 2019

De varandinha para varandinha, de Wislawa Szymborska

" - Dona Buczkowa, dona Buczkowa!
- O que foi, dona Glowacka?
- Não jogue mais comida praquele pombo ruivo. Ele não está mais com aquela pomba cinza, já arranjou outra pra ele.
- Ah, tá bom, tá bom, dona Glowacka. Vou botar ele pra correr."
(De Riminhas para crianças grandes, tradução de Piotr Kilanowski e Eneida Favre, Editora Ayiné.)

Chorinho

Quem ainda não estiver pronto para morrer conte até dez.

Ela

A luxúria tem passos noturnos e leves e sabe em qual dos mil quartos da casa nos encontrará à espera dela, de olhos fingidamente fechados.

Recurso

Um gato melhora qualquer texto. Às vezes o salva.

CLT

O que para outros se chama ofício  é para os poetas um perde-pão.

Modos de dizer

Um poema concretista não tem reedições nem reimpressões; tem reformas.

Regulamento

Aviso no poema concretista: românticos e parnasianos somente pelo elevador de serviço.

Aviso

Na fachada do poema concretista: proibida a entrada de passarinhos.

quarta-feira, 27 de março de 2019

"O sr. Cogito lê o jornal", de Zbigniew Herbert

"A primeira página diz
120 soldados mortos

a guerra foi longa
você se acostuma

bem ao lado a notícia
de um crime incrível
e a foto do assassino

o olhar do sr. Cogito
se move indiferente
pela hecatombe de soldados
e mergulha com deleite
no macabro quotidiano

camponês de trinta anos
então maníaco depressivo
matou a própria esposa
e mais duas criancinhas

contam o modo exato
com que foram mortos
a posição dos corpos
e outros detalhes

é inútil tentar achar
120 perdidos num mapa
a distância tão remota
esconde como floresta

não falam à imaginação
há demasiados deles
o zero no fim os transforma
em mera abstração

um tema para refletir:
a aritmética da compaixão."

(Tradução de Dirceu Vila no site Escritas)

Cem por cento (para Ana Farrah Baunilha)

Pensando bem, todo ato verdadeiramente amoroso deveria terminar em duplo desmaio.

O preço

O concretismo paga ainda o preço de ter desafiado aquele tipo de leitor que, viciado no romantismo, julga que em todo poema deve haver como ingrediente principal ou mel ou lágrimas, de preferência ambos.

Lógica

Mais fácil, naturalmente, sempre foi encontrar quem queira dividir seus problemas conosco do que compartilhar suas alegrias.

Exclusividade

Talvez só os concretistas possam dizer com propriedade que uma reputação literária se constrói.

Trajetória

Entre um e outro modernismo, flui a literatura.

Vice

Como ilusão, a literatura se equipara ao amor, embora seja um tanto menos prazerosa.

Vilã

Não tenho simpatia pela autoajuda. Quantas tristezas promissoras ela arruinou, quantos jovens poetas impediu que se consumassem.

"Na loja de móveis", de Wislawa Szymborska

" - Acho que vou ficar com esta estantezinha. Aqui vou pôr um vasinho e lá, ums coisinhas diferentes,  e aqui uns dois ou três livros.
- E o resto deles?
- Que resto?"
(De Riminhas para crianças grandes, tradução de Piotr Kilanowski e Eneida Favre, Editora Ayiné.)

terça-feira, 26 de março de 2019

Se

Se não houvesse Wislawa
a poesia como seria
e a vida como é que ficava?

Marco

Se souber levante a mão:
há quanto tempo já
morreu o leiteiro do Drummond?

Madrugada

Para testar a palavra virtude, o gramático deixou-a sair e ordenou que a seguisse o adjetivo fascinante.

Exatidão

Só os gramáticos sabem se morrem ao meio-dia e meio ou ao meio-dia e meia.

Prospecção

Escrever é como garimpar:
ganga certamente,
afortunadamente ouro.

Do diário de um jovem escritor

Por enquanto, vai tudo bem.
Continuando assim, o Nobel
Pode tardar, mas vem.

Um limerique de Wislawa Szymborska

"Certa Mônica de Washington
não se atinha ao bom-tom
e por isso no salão oval
atuou no sentido oral
acompanhada de bom som."
(Do livro Riminhas para crianças grandes, tradução de Piotr Kilanowski e e Eneida Favre, Editora Ayiné.)

segunda-feira, 25 de março de 2019

Onfalomania

Nos seus sonhos eróticos, ele hoje é atormentado por umbigos. No início, eles eram o que costumam ser: uma graciosa parte do corpo feminino. Depois, passaram a ser não mais apêndices, mas a aparecer descaradamente sós, ou apenas com aqueles inquietantes enfeites que deixam na língua o mais bizarro gosto que um pecado pode ter.

O gesto

A irmã de caridade perguntou hoje no almoço a seu Jarbas se ele sentia falta de alguma coisa no asilo. "De sexo", ele respondeu e, para que ela visse que aquilo era não uma queixa, mas só uma informação, completou, com um gesto armado pelo indicador e pelo polegar: "Só um pouquinho."

Modernidade

Os vira-latas transformaram-se todos em fura-sacos.

Esporros com todos os erres

Quando não gostava do meu desempenho, a condessa levantava-se e, estando eu ainda deitado, cuspia uma porção de estranhas palavras. Para salvar minha reputação de homem saudável, digo que foram tão poucas essas ocasiões que até hoje não sei formar uma frase em francês.

O que disseram de nós

Disseram-nos que tínhamos gênio.
Depois, que tínhamos talento.
Foi há muito tempo.
Sempre fomos crédulos.

Aviso

Menos dureza comigo, menos ironia.
Isto aqui é um diário,
Não é uma antologia.

Vindas

O tempo final já chegou
E a morte se aproxima.
A esperança veio e passou,
Onde está a obra-prima?

Frustração

Sonha com rituais de masoquismo. Uma noite é o sujeito, na outra o objeto. Acorda ou com lanhos nas costas ou com ferimentos na mão e a certeza de que poderia resistir ao chicote um pouco mais ou fazê-lo fustigar com maior empenho.

Andersen

Na roupa nova do rei
só o menino viu
um passarinho
mover o biquinho
e cantar piu piu.

Excelência

Amor é uma dessas palavras que soam bem até quando pronunciadas pelos lábios errados.

Resumo

Escrevo mal e vivo pior.

Reflexão do dia

Morrer é o mínimo que os outros podem esperar de nós.

domingo, 24 de março de 2019

Tarefa

Não posso morrer sem encontrar alguém que prometa cuidar com carinho de minha tristeza.

Resultado

Mofino é o meu legado:
uma obra poética
em muito mau estado.

Leitura

Belo não é o que as palavras dizem; é o que você as imagina dizerem.

São Paulo

Morreu de causa natural:
um raio caído
no meio do temporal.

Cançãozinha antigramatical

Morreu a Julieta do Romeu
e o padrasto do Serafim:
antes ela do que eu,
melhor ele do que mim.

Boletim

Nossos rins já não dão conta,
os pulmões também não mais,
o coração desaponta -
fadiga dos materiais.

Collodi

A consciência de Pinóquio -
a história diz -
estava na ponta do nariz.

O dia

Se Deus puder nos acuda:
no parque os mortos de amanhã
hoje leem livrinhos de autoajuda.

Norma

Um poema concreto perfeito
deve ter pelo menos
cinco metros de pé-direito.

Para um álbum

Ouça a voz da razão:
quem não lhe dá ouvidos
jamais lhe dará o coração.

Hoje na Rubem

Falo de homens, poetas e chatos, sem revelar preferência por ninguém.

https://rubem.wordpress.com/2019/03/24/homens-poetas-chatos-raul-drewnick/

Ufa

Felizmente ainda não prenderam nenhum poeta.

Conduta

Do mau poeta
não se exija omissão,
recomende-se moderação.

sábado, 23 de março de 2019

Que seja

Se a literatura for para você um hobby, que seja um daqueles que nos fazem sacrificar tudo a ele.

Demais

Esperar que a literatura nos redima? Quem nós pensamos ser? Shakespeare? Camões?

Véspera (para Silvana Guimarães)

Ainda ontem o defunto
dos próprios males zombava e ria:
amanhã será outro dia.

Conjugações

O que você constrói
ou construi
ninguém destrói
só destrui..

sexta-feira, 22 de março de 2019

Mira

Cupido é cego:
apontou em mim,
acertou meu alter ego.

Os dois (p/ Silvia Galant François)

A poesia parece tão natural em Manoel de Barros e Mario Quintana que às vezes se tem a impressão de que o trabalho deles consistia não em fazer, mas simplesmente em anotar.

Hoje no Estadão

Alguns joguinhos poéticos para esta sexta

https://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/curtos/

quinta-feira, 21 de março de 2019

Mais um poema de Joan Brossa

"CORAL
Episódio

Olá! Hoje te amo muito
Não irei embora tão cedo quanto ontem
Meu amor você é maravilhoso
A estação que eu gosto é o outono
Você vai ver seremos muito felizes
Me dá a mão
Olha que bonito é quando chove
Meu Deus que chuvão!
Que cheiro que tem a terra! Não sente?
Hoje não tive nenhuma tristeza
Você é maravilhoso. Tenho pensado sempre em você
Ainda que não te veja sempre estamos juntos
Mas olha já são três horas."

Determinação

Como diz aquele pleonástico senhor: "Irei até as últimas consequências, ainda que sejam as derradeiras."

Epifania

O poeta deve estar preparado para qualquer eventualidade, ainda que seja a irrupção, na mais escura das noites, de um portentoso arco-íris no quarto de trás do apartamento.

Diálogo

"Os que morreram de amor nós os sepultamos ali, onde estão aqueles pinheiros."
"Aqueles bem altos?"
"Não. Ali nós enterramos os que viveram de amor."

Itens

O que o atrai numa loira longilínea não é propriamente a graça física, mas a deliciosa aliteração.

Risco

Ele aceitaria ter sua reputação abalada, desde que do processo participasse uma loira admiravelmente longilínea, preferenemente de olhos azuis.

Contraste



É um poeta de caráter. Desde que se decidiu pelos versos livres, está inamovivelmente preso a eles.

Lacuna

Desisti de esperar.
Ruivas fatais só existem
Em novelas policiais.

quarta-feira, 20 de março de 2019

Dois poemas de Joan Brossa

"Estava deitado cochilando sob
uma árvore quando me acordou
um rumor de galhos e vi
passar um homem voando;
mas, pensando bem, talvez fosse
um pássaro."

                      ***
"A censura suprimiu nove poemas:
sinal de que os outros não valem nada."

(De 99 poemas, tradução de Ronald Polito, publicação a Annablume Editora.)

Faixas etárias

Aos dezoito anos, os aprendizes de poeta exaltam os mestres que aos trinta condenarão à morte.

Decepção

Quando você descobre que não é o centro do mundo, é tarde: ele já se destrambelhou irremediavelmente.

terça-feira, 19 de março de 2019

Entre quatro paredes

Um acróstico é uma infâmia que não deveria ser do conhecimento senão de quem o escreve e de quem nele é homenageado.

Não mais

Hoje, quando diz certas palavras, sente que nem seus lábios ficam à vontade ao pronunciá-las. Amor, por exemplo.

Daquele arquivo, sabe?

Ele sonha escrever um poema que fosse como uma laranja que a bem-amada partisse so meio, chupasse e depois cuspisse displicentemente as sementes, semente a semente, na terra. Da árvore que ali nascesse ele colheria laranjas que, mordidas carinhosamente por ele e chupadas por sua boca, pareceriam ter, além da própria, a inquietante doçura dos lábios dela.

Revezamento

O garoto e a namorada beijam-se gulosamente, como se quisessem se devorar. Ele pergunta: "O chiclete está com você?" Ela enfia dois dedos na boca: "Vou ver."

Zelo

O velório já vai para a terceira hora, mas a viúva olha para o morto como se o estivesse vendo pela primeira vez. Ela diz à filha: "Não sei se escolhemos bem o terno." "Está perfeito, mãe." "Não sei, não. E se lá for inverno?"

segunda-feira, 18 de março de 2019

De Montaigne, sobre Sócrates

"Disseram a Sócrates que alguém não melhorara nem um pouco ao viajar; 'Bem o creio', disse ele, 'levou a si mesmo junto.'
(De Ensaios da amizade, tradução de Julia da Rosa Simões, publicado pela L&PM Pocket.)

Vantagem

Bem-aventurados os que morrem tão jovens que não há como alguém contestar sua honestidade.

Satisfação

Os amores bem-sucedidos parecem aqueles cães imensos que há anos não se mexem porque há quem vá levar-lhes a comida à boca.

Tratamento

Vocês eu não sei. Eu mimo a minha tristeza como se mima uma criança a quem o médico não garante mais que três meses de vida.

Utilidade

Um sofá não precisa ostentar beleza nem oferecer conforto. Para justificar sua existência, basta que sobre ele esteja um gato.

Modo de agir

Enquanto houver a palavra beleza, e três ou quatro coisas que possam representá-la, devemos mantê-la entre os lábios, como um mantra.

Siso

Deram-me algumas migalhas de amor e recomendaram-me que não fosse gastá-las  com as putas.

Sina

Sou um menino que, não tendo nada, clamou anos e anos por um afeto, até descobrir que também não tinha voz.

O crítico

Há quem, atribuindo a Deus a autoria dos arcos-íris, O censure por fazê-los tão policromáticos.

domingo, 17 de março de 2019

Ontem

A palavra é horrível, mas como eram melhores os amores d'antanho.

sexta-feira, 15 de março de 2019

Hoje no portal do Estadão

Miudezas para esta sexta

https://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/balinhas/

quinta-feira, 14 de março de 2019

Mais um texto daquele arquivo

Foi há muito tempo. Eu era humilde, como hoje. Não me distinguia em nada, embora me considerasse, como agora, poeta. Assim como a de hoje, era obscura minha vida. E, assim como nesta, apaixonei-me absurdamente por uma rainha. Afortunadamente favorecido por um deus benigno, eu, o mais insignificante dos lacaios do palácio, era em certas noites introduzido na alcova real, e, pela madrugada adentro, em tons que a paixão me ditava, murmurava minha alteza, minha majestade, minha rainha, e ouvia, em resposta: poeta, meu poeta, poeta.

segunda-feira, 11 de março de 2019

A pergunta

Ao baixar a cueca, sentiu como pode ser mortal uma ironia, quando a mulher sorriu e perguntou: "Não vá me dizer que esqueceu ele em casa."

Experiência

Na primeira noite com Alícia, arranhado, mordido,  arremessado para fora da cama e cavalgado por ela, entendeu por que os furacões costumam ter nome de mulher.

Soma

Uma mentira várias vezes repetida passa a ser uma porção de mentiras.

Ab initio

A literatura é um daqueles males que, diagnosticáveis na infância, já nessa época devem ser combatidos, antes que se trensformem naquilo que os doentes adultos chamam de ideal.

Lógica

À noite não sais mais à rua.
Por que sairias?
Não há nada de novo sob a lua.

domingo, 10 de março de 2019

Hoje, na Rubem,

uma loira e outras ocorrências.
https://rubem.wordpress.com/2019/03/10/a-loira-e-outras-ocorrencias-raul-drewnick/

sábado, 9 de março de 2019

Em quatro linhas

O velho ofega,
O velho implora,
A moça ignora,
A moça nega.

Modernidade

Por bem ou por mal
o homem morre pela boca
na rede social.

Lugar-comum

Introduzir a palavra amor numa frase é ter a esperança de que ocorra algo antes do ponto final, ainda que seja aquilo de sempre.

Rancor

Repentinamente irada como um vento bíblico, a brisa do parque começou a sacuditro enforcado, como se ele estivesse vivo e ela pudesse ainda castigá-lo.

Charme

A condessa sabia em que tom de Raul me chamar quando me convidava pelo telefone para suas bandalheiras noturnas. E também durante elas, e depois.

sexta-feira, 8 de março de 2019

Fenômeno

Nas redes sociais
cada vez me entendem menos
e cada vez me amam mais.

Definição

Amor é aquele sentimento compartilhado por dois seres, dos quais um é sempre bem mais tolo que o outro.

Presa

Um tolo é reconhecido ao primeiro olhar pelo amor entre mil duzentas e trinta e cinco pessoas.

Negociação

Nas barganhas do amor
a quem nada pede
nada se concede.

Talento

Era o melhor declamador do município. Dizia-se dele, entre outras proezas, que ninguém matava tão convincentemente um cisne parnasiano.

Hora da verdade

É um desses tipos que todos acham normais, e até afetuosos, até o momento em que, exímios como os pistoleiros do Velho Oeste, sacam um soneto.

Peculiaridade

Em ombros alheios é que as mãos dos chatos gostam de estar, sempre úmidas e afetuosas.

Hoje no Estadão

Lembram-se dela?

https://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/capitu-2019/

quinta-feira, 7 de março de 2019

Atenuante

Se quem morre é um chato
é sempre mais fácil
aceitar-se o fato.

Prerrogativa

Gramaticalmente falando, é vantajoso ser masculino. Tem-se a certeza de que as crases não se engraçarão conosco.

Em vão

Pobres românticos antigos, envenenados, enforcados, exterminados pelas próprias mãos. Poderiam imaginar que morrer de amor se transformaria numa expressão corriqueira, como chover no molhado?

Suprassumo

Um morto é um ser perfeito. Nada pode melhorá-lo, nem os livros de autoajuda.

Frustração

Entregou-se ao amor como escravo e, se lamenta algo, é ter tão poucas cicatrizes no corpo para exibir.

Tarde demais

Sente-se desprezível. Não morreu de amor quando podia.

quarta-feira, 6 de março de 2019

Impulso

Está tão solitária que quase foi atender quando passou hoje à porta a van gritando Cândida.

Cotação do dia (2)

Eu gostaria de ser um ilusionista capaz de fazer desaparecer o próprio corpo.

Cotação do dia

Sinto-me como um morto antigo, do qual já nem a família se lembra muito bem.

Convalescença

O amor não lhe dói mais. Só o incomoda um pouco, quase agradavelmente, quando a memória teima em voltar àquela época em que a vida parecia resumir-se a noitadas que se arrastavam languidamente em salões, ao som de boleros.

Resíduo

Dos sonhos antigos conserva, ainda que  cada vez mais vagamente, o desejo de escrever coisas belas.

"Pós-escrito", de Giorgios Seferis

"Mas elas têm olhos brancos de todo, sem cílios,
E mãos frágeis como juncos.

Senhor, com elas, não. Conheci
A voz das crianças de manhã
Nas encostas verdes que elas desciam
Alegres como abelhas ou qual
Borboletas multicores.
Senhor, com elas, não, sua voz
Não sai sequer dos lábios,
Sai colada aos dentes amarelos.

O mar te pertence e o vento
Com um astro suspenso do firmamento;
Senhor, elas não sabem que nós somos,
Somente o que nós podemos ser,
Curando nossas chagas com ervas
Colhidas nas encostas verdes,
Aqui, bem junto, não lá longe.
E que respiramos  como podemos
Com uma prece tímida cada manhã
Que chega à praia caminhando
Nas falhas da memória.
Senhor, com elas, não. Que tua vontade se faça
De outra maneira."

(Tradução de Darcy Damasceno, Coleção Prêmios Nobel de Literatura, Editora Delta.)

Encantamento

Não se habitua a ler no micro. Gosta de ter um livro pousado entre as pernas, como se fosse um pássaro que vindo de longa jornada houvesse chegado para contar-lhe histórias de terras onde mesmo à noite, misturados às estrelas, se podem ver arcos-íris.

Revisão

Querermos que a poesia nos salve não deixa de ser uma demonstração de maturidade. Houve tempo em que nos presumimos dignos de encarregar Deus dessa tarefa.

Nova versão

Amigo é quem está sempre conosco, nas épocas de bons sonetos e também nas más.

terça-feira, 5 de março de 2019

"O encontro", de Ezra Pound

"O tempo todo em que falavam de nova moral
Os olhos dela me exploraram.
E ao me erguer para sair
Seus dedos foram como a fibra
De um guardanapo de papel japonês."

(De Lustra, tradução de Dirceu Villa, editora Annablume.)

Daquele arquivo, lembra?

Assim que a luz no cinema se apagou, a mão da garota deslizou para a coxa dele. Tinham-lhe dito que era experiente e ousada. Ele não era nem uma coisa nem outra. Ainda não preparado para o avanço da mão, ela e a pegou e, levando-a à boca beijou-a, ouvindo imediatamente uma interjeição de desagrado, ao mesmo tempo em que a outra mão pousava sobre a coxa dele, um pouco mais acima dessa vez, e mais inquieta.

Para ler no colégio religioso

O barão do café, depois de comer todas as bolachinhas e tomar todo o leite, avisou à condessa que ia embora. Ela, que arquitetara planos de alcova para o encontro, moveu graciosa e tendenciosamente os lábios e com seu delicioso sotaque estrangeiro queixou-se em duas sílabas salivadas: "Mas chá?"

Praga

Quando você pensa que o romantismo está esgotado, passa um passarinho, e o que ele assobia? Danúbio azul.

Perícia literária

Amostras colhidas no local indicam que dos cem sonetos talvez se salve um, se melhorado o terceto final e substituída a chave de ouro.

Recíproca verdadeira

Se a poesia não lhe deu o que prometia, e você a censura, a mesma queixa ela tem de você.

A questão

Escrever todo dia
pode te fazer bem,
mas fará à poesia?

segunda-feira, 4 de março de 2019

De outro daqueles papéis meio clandestinos

Eram fios de fina seda, trigo, linho, que ele tocava reverentemente, como se sua mão fosse uma brisa branda, muito branda, capaz de acariciá-los com leveza igual à de uma formiga pequena, muito pequena, percorrendo e repercorrendo fio por fio, embriagada pelo morno perfume de cada um deles e de todos.

De uma safra antiga

Toda noite ela apaga a luz, deita-se, dá liberdade aos dedos e deixa que eles a explorem, subam, entrem, fiquem. Só se sente pecadora no momento em que começa a suspirar ai ai meu Deus e a gemer amor põe amor. E também, quase tanto, quando recompensa a mão com um beijo.

Escândalo

Hei de escrever ainda um livro de sacanagem daqueles que por três gerações envergonham a família do autor. Não será difícil: tenho tudo, ou quase tudo, na memória.

A palavra

Estocolmo seria o nome ideal para aquele tipo de mulher que, única na perturbadora opulência de sua carne, não faz senão recusá-la a vida inteira, obrigando os homens a melancólicas e insatisfatórias compensações manuais.

Possa-se

Você que vive a gemer
e diz que não pode isto
nem pode isso nem pode aquilo
ora vá se poder.

Sinal dos tempos

A decadência estendeu-se à venerável categoria dos fantasmas. Não existem mais aqueles que à meia-noite faziam soar o piano da casa. Os de hoje vêm com sua sanfoninha de feira e, em alguns casos, com uma gaitinha.

O máximo

A vida foi sempre uma ilusão
é certo mas jamais
como no tempo da Metro.

domingo, 3 de março de 2019

Formação (para Rose Marinho Prado)

Nasci tolo e fui me mantendo assim sem esforço nem premeditação, até descobrir como a literatura poderia ser útil para o meu aprimoramento.

sábado, 2 de março de 2019

Requisitos

Escrever é um vício barato. Bastam uma canetinha, um bloco e uma ingenuidade com pretensões de idealismo.

Talião

Os amores impossíveis não se resignam. Crescem reprimidos, ignorados, e engendram flores de odor ácido e frutos de letal veneno, regados pelo mais inapaziguável de todos os rancores.

40ºC

As madugadas são a hora em que nos visitam os amores impossíveis. Esperam que durmamos, ou finjamos dormir, e se põem sobre ou sob nós, e deixam que rompamos todas as sedas que em nossas noites de febre sempre julgamos inalcançáveis e intocáveis.

Calmaria e fúria

Enquanto os amores possíveis dormem nos ancoradouros, no horizonte os amores impossíveis, como transatlânticos, acendem todas as luzes e escancaram o convés onde a visão talvez não consiga distinguir, mas a luxúria pode facilmente imaginar loiras magníficas dançando umas com as outras, chamando por marujos de nomes exóticos.

Clandestinos

Os amores impossíveis
embarcam em nosso sono
nos despem
como sempre quisemos ser despidos
nos manuseiam
como sempre quisemos ser manuseados
e nos levam
aonde nenhum gozo
é negado
e nenhum ato pecado.

Demasia

Certos discursos fúnebres são tão escandalosamente laudatórios que o homenageado só não cora porque não pode.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Indícios

Cem metros antes de chegar, os poetas parnasianos eram denunciados pelo cheiro dos cisnes e das pombas e pelo tilintar das chaves de ouro.

Musiquinha

Os que morreram de amor
Têm hoje o nome reverenciado:
Afonso, o sonso,
Edgar, o muar,
João, o bundão,
Arnaldo, o tapado.

Aviso do dia

Se você ouvir minha voz,
Não se deixe enganar.
Pode um morto falar?

Hoje no portal

Esparramo algumas amenidades.

https://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/textos-miudinhos/