sábado, 19 de agosto de 2017

Em tempo (para o Jorge Cláudio Ribeiro)

Agradeço ao Jorge Cláudio Ribeiro, por ter acreditado que eu fosse escritor. Naquela época é possível que eu fosse.

Uma escala acima (para Carlos Castelo)

Kafka é para principiantes cada vez mais avançados.

Relicário

Na gaveta favorita, com puxador de ouro, guarda o parnasiano o dicionário de rimas, seu maior tesouro.

Emulação

Hoje uma lagartixa
no meu banheiro matei.
Salve, mestre Hemingway.

Visão moderna

São importantes as rimas. Quanto menos, melhor.

Honra ao mérito

O frio no peito
será a nossa
última condecoração.

Cobrança

Casta na adolescência, hoje trintona, Luana vive de entreter homens na cama. Certas madrugadas, o vento sacode as janelas de sua casa, e ela é assombrada pelo fantasma de Hélio, primo que morreu virgem. Ele pula em cima dela e exige: "Me dá, Luana, me dá, me dá!"