quinta-feira, 19 de julho de 2018

Frisson

O melhor dos romances policiais está geralmente no primeiro capítulo, aquele no qual a majestosa loira entra no escritório, senta-se, cruza as pernas e soprando tendenciosamente a fumaça de um longo cigarro insinua ao detetive que ele pode receber pelo trabalho algo mais valioso do que alguns dólares.

Arrepio

A voz da condessa eriçava todos os pelos do meu erotismo.

Questão de mérito

Cada dia ouço menos passarinhos cantando no quintal. Talvez eu não os mereça mais como antes, ou é a minha ameixeira que, velha também, não os acolhe em seus braços atrofiados como os acolhia.

Por que não?

Morrer talvez seja como um cochilo que leve a um sonho no qual se decida ficar.

Sobre a beleza

A beleza dói. Li isso há muito tempo em John Steinbeck e não conheço nenhuma frase que exprima melhor a beleza. O belo dói, sim, porque nós o desejaríamos eterno, quando seu maior fascínio talvez esteja em ser um fulgor, um clarão, um instante, nada mais que isso. A beleza nos fere quando se mostra e nos fere mais ainda quando, tentando apreendê-la, sentimos que é impossível. Incapazes são nossas consoantes, nossas vogais para esses acontecimentos únicos para os quais há séculos usamos adjetivos protocolares e tediosos como magnífico, lindo, maravilhoso.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Sonhos na Praia - Raul Drewnick e Antônio Ianovali

Perdoem os trancos e solavancos. Gravação de 1962!!!

Sonhos na Praia - Raul Drewnick e Antônio Ianovali

Perdoem os trancos e solavancos. Gravação de 1962!!!