sábado, 27 de maio de 2017

Haicai lapidar

Em tempo de secura
se mijarem em alguma
que seja na minha sepultura.

Homônimo

Não, Scott Fitzgerald
não foi aquele
que inventou a emulsão.

Cotação do dia (2)

Se me dessem uma mala, eu não saberia como carregá-la.

Caixinha de Pandora

A política é uma arapuca. Até macaco velho mete a mão em cumbuca.

Autocrítica

Sou um fracasso em verso e em prosa. Se fizesse uma delação premiada, não ganharia nada além de uma menção honrosa.

Cotação do dia

O homem que fui, e o que não fui, talvez possam esperar perdão. Mas o que usou a arte indignamente, como eu, há de morrer execrado.

Início de "Chão trágico", de Erskine Caldwell

"Spence Douthit passara o dia inteiro tentando comprar a crédito, fosse onde fosse, o tônico estomacal preferido por Maud. Já ia adiantada a tarde quente de agosto quando ele voltou a Poor Boy. Caminhando, fatigado, ao longo do canal dos navios, de onde via o chalé que o tempo acinzentara, com seu telhado de cinza enferrujado, surpreendeu-se ao ouvir que de sua casa vinham sons de música."

(Tradução Nair Lacerda, Editora Abril.)

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Doxomania

Minha vaidade acordou eriçada, miando alucinadamente, trepando pelos muros, roçando-se nos cacos, oferecendo frentes e atrases em troca de admirações passageiras e aplausos fugazes.

Nomes

Há nomes que teimam em ficar nos lábios, mesmo quando já se tornou amargo dizê-los.

Hoje no portal do Estadão...

... conto uma história de agudo ressentimento.

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/e-mail-para-lia/

Hoje

Estou livre enfim

Meus vivos
não me chamam mais
não me reivindicam

Meus mortos
esqueceram-se de mim.

Sonhos

Talvez uma pesquisa sobre minhas vidas passadas explicasse o fato de eu, em sonhos cada vez mais frequentes, me ver vendendo alfaces de porta em porta, com um carrinho de pedreiro. E com que alegria eu toco as campainhas!

Fifty fifty

De modo geral, os poetas podem dividir-se em duas categorias igualmente representativas: a primeira é a dos que, com certa modéstia, dizem ter inventado as flores e os passarinhos; a segunda é constituída pelos que dizem o mesmo, sem modéstia nenhuma.

Ornamentos

Incapaz de apreender a essência de uma rosa, não consigo nada além de adorná-la com adjetivos, como se pura, divina e imortal bastassem para dar-lhe uma definição.

Cotação do dia

Hoje, para sentir-me puro, preciso me concentrar.

Início de "O jogo da amarelinha", de Julio Cortázar

"Encontraria a Maga? Tantas vezes bastara-me chegar, vindo pela Rue de Seine, ao arco que dá para o Quai de Conti, e mal a luz cinza e esverdeada que flutua sobre o rio me deixava entrever as formas, já sua delgada silhueta se inscrevia no Pont des Arts, por vezes andando de um lado para o outro da ponte, outras vezes imóvel, debruçada sobre o parapeito de ferro, olhando a água."

(Tradução de Fernando de Castro Ferro, Editora Civilização Brasileira/Círculo do Livro.)

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Ponto de ônibus

"O que  é isto aqui mesmo, que você falou?"
"Eu já disse duas vezes. Você está tirando uma comigo."
"Fala, vai. Fala de novo."
"Braguilha."
"Bra o quê? Bra o quê? Eu não acredito. É o nome desta coisinha fofa?"

A pergunta

Era quase meia-noite quando, ao passar pela terceira vez diante do portão, eu a vi abri-lo para mim. Com o coração aos pinotes, hesitei. "Vem, vem logo", ela disse. Tomado pelo medo, retardei os passos, e ela quase me empurrou até a porta da sala. Fez-me entrar: "Não precisa ter medo. Ele acabou de ligar. Não vem hoje." Eu comentei tolamente: "Que sorte." Ela achou graça: "Sorte mesmo. Hoje eu me acabo." Abraçou-me e começou a me levar na direção do sofá. Senti que teria alguns segundos só antes que ela se atirasse aos beijos sobre mim. Já deitado debaixo dela, perguntei: "Leu o meu soneto?"

Confissão

Se fosse responder por mim, eu diria que a melhor motivação para um escritor está na vaidade. Excluindo a adolescência, em que talvez tenha sido verdadeiro o ideal que presumi mover-me, reconheço que o que há tanto tempo vem me levando a escrever é o desejo de ver recompensadas a fome e a sede do meu ego. Atirem-me um osso, ofereçam-me uma tigelinha de água, e eu o apanharei e a tomarei como nunca antes um cão abocanhou ou bebeu osso nenhum e nenhuma água. Mas me aplaudam, me façam festa. Mintam, mas me chamem de artista.

Quadrinha do dia

Se eu pela literatura
Um bem posso ainda fazer
É restringir-me à leitura
E nunca mais escrever.

Sonhos na Praia - Raul Drewnick e Antônio Ianovali

Gratidão

Tem-me comovido a delicadeza com que vêm me tratando os meus dias. Eles me recomendam cautela a cada passo, confortam-me se gemo e dizem que não, quando lhes pergunto se são meus dias derradeiros.

Metamorfose

Ridículo é o poeta que, tendo lidado a vida inteira com flores, repentinamente se descobre revolucionário e se julga capaz de reproduzir, com a retumbância das aliterações, a plúmbea voz dos canhões.

Chumbo

A retórica é aquele tambor que você ineptamente faz soar no instante em que afinal os periquitos, em revoada, se dispõem a cantar.

Dois bicudos

De todos os inimigos do amor, o mais comum é o amor-próprio.

Um trecho de Antonio Tabucchi

"Ela sabia qual era a coisa mais linda do mundo. Ele, ao contrário, não sabia. Como era possível que na sua idade, com tudo aquilo que vira e conhecera, ainda não soubesse qual era a coisa mais linda do mundo?"

(Do conto "Clof, clop, clofete, clopete", do livro O tempo envelhece depressa, tradução de Nilson Moulin, Cosacnaify.)

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Apelação final

Morrer é às vezes a última chance que temos de voltar à memória dos amigos.

Comunicado

Digo de peito aberto:
a poesia e eu
não demos certo.

País tropical

É coisa bem corriqueira
E uma verdade profunda:
Valem carnes de primeira,
Se as almas são de segunda?

Origens (para Silvana Guimarães)

O poema não vem
da vontade só
nem só do pensamento
vem da vontade
vem do pensamento
e algum tanto
tantos por cento
uma porção
(por que tanto
constrangimento?)
da emoção
e do sentimento.

Parágrafo inicial de "1984", de George Orwell

"Era um dia frio e ensolarado de abril, e os relógios batiam treze horas. Winston Smith, o queixo fincado no peito numa tentativa de fugir do vento impiedoso, esgueirou-se rápido pelas portas de vidro da Mansão Vitória; não porém com rapidez suficiente para evitar que o acompanhasse uma onda de pó áspero."

(Tradução de Wilson Velloso, Companhia Editora Nacional.)

terça-feira, 23 de maio de 2017

Um grau acima (para Rose Marinho Prado)

Sou a vaidade em pessoa. Seria mais se fosse em Pessoa.

Em juízo (para Márcia Marinho)

Sempre se pode alegar que a crase é uma questão de gosto.

Parágrafo único

No Brasil, o único erro imperdoável é escorregar numa crase.

Dica

Alpiste pode-se dar
Com a mão destra e com a sinistra,
De uma só vez, sem tardar,
Ou a se perder de vista.

Inépcia

De um poeta eu não tenho nada além da vontade. Sou o inepto dos ineptos. Se sair numa noite de chuva com a intenção de colher uma rosa, é certo que chegarei à casa da amada com a mão vazia e, se tirar os sapatos para não sujar a sala, de pelo menos um deles saltará o mais horrível dos sapos, para completar minha humilhação.

Recato

Convém que sejam sigilosos os acordos entre o poeta e a poesia, especialmente os que se referirem a concessões feitas por ela em nome de modernidades apontadas como necessárias por ele.

Pergunta do dia

Quem se safa é safado?

Reciclagem

Se modernize.
Jamais use competência
Se puder usar expertise.

Processo

Chamada a depor no julgamento do poeta, a rosa declarou que poderia apenas relatar alguns episódios, três ou quatro, ocorridos em distantes manhãs. Depois, com inequívoco despeito, sugeriu, para melhor avaliação do caráter do acusado, que se procurasse indagar o que ele e a lua, noite após noite, faziam.

"A Fernando Pessoa", poema de Antonio Carlos Secchin

"Se é corrigir o que se foi,
e pensar o passado na garganta do amanhã.
É crispar o sono dos infantes,
com seus braços de inventar as buscas
em caminhos doidos e distantes.
É caminhar entre o porto e a lenda
de um tempo dardejado contra o mar.
Domar o leme das nuvens, onde mora
o mito e a glória de um Deus a naufragar."

(Da antologia 26 poetas hoje, organizada por Heloisa Buarque de Hollanda, publicação da Aeroplano Editora.)

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Quadrinha moderadamente bélica

O melhor que um homem faz
É deitar o amor por terra.
Pode não ganhar a guerra,
Mas não perderá a paz.

Negócio

"Olhe, pelo estado da sua alma, o máximo que eu posso arranjar é... deixe ver... huumm... O quê? Escritor? Não, não dá."

De Henri-Frédéric Amiel, sobre a literatura

"A educação pelo sofrimento faz os bons, desperta a poesia, mas as obras sãs devem ser geradas pela saúde. Os melancólicos, os hipocondríacos, os ascetas, os aflitos, os sofredores, engendram apenas produtos sem vitalidade."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicação da É Realizações.)

domingo, 21 de maio de 2017

Compromisso

Um poeta deve ter o pudor de nunca revelar em quais seios colhe o leite com que alimenta suas rosas brancas.

Sem retorno

É preciso te destruíres inteiro, para que nem a compaixão alheia nem a tua te instiguem a semear-te de novo e a regar-te com tua pretensão e tua soberba.

Privilégio

Sentires asco de ti é algo que podes fazer com melhor conhecimento de causa do que mais ninguém no mundo.

Socrática

Conhecer-te a ti mesmo é só o que podes fazer antes de te julgares desprezível como os outros já te consideram.

Cotação do dia (5)

Quem oferecerá flores a um homem como eu? Olhem para mim. Vejam estes traços grosseiros, de camponês. Não é a cara de alguém capaz de, entre um zurro e um relincho, mastigar e engolir um feixe de rosas?

Cotação do dia (4)

Se houvesses feito o que andaste premeditando, não terias, como pensavas, livrado o mundo de um poeta.

Cotação do dia (3)

Bastaria que houvesses olhado tuas mãos. Basta olhá-las agora. Pode um dia ter passado por elas um grão, uma palpitação de luz, um suspiro de brisa provindos da poesia?

Cotação do dia (2)

O que leva um homem a se iludir a ponto de, estando todo dia consigo mesmo e sua miséria, julgar ser um poeta?

Cotação do dia

O domingo chegou desmazelado, como quem visita alguém que amanhã já não poderá falar nem bem nem mal de nada ou ninguém.

Hoje na revista Rubem

https://rubem.wordpress.com/2017/05/21/frases-curtas-ideias-simples-raul-drewnick/

sábado, 20 de maio de 2017

Procuração

Com as próprias mãos
não te destruas. Há mãos
mais eficazes que as tuas.

De João Pereira Coutinho, sobre a arte

"Para retomar as palavras de T.S. Eliot, a criação artística é um exercício de autossacrifício em que, para expressar uma personalidade, é necessário primeiro extinguir a personalidade. E encarar o processo criativo como o momento sacramental em que elevamos o que somos, o que não somos e o que gostaríamos de ter sido a um patamar sublime."

(Do livro Vamos ao que interessa, publicado pela Três Estrelas.)

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Castigo

Apesar das advertências da mãe, o menino continuou com suas visitas ao jardim da casa, até que certa manhã acordou e na palma da mão viu, nítida como uma tatuagem, a rubra imagem de uma rosa.

Hoje no portal do Estadão...

... falo de uma cruel coincidência armada ao som de um bolero.

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/ao-som-de-um-bolero/

"Pesquisa utilitária", de Carlos Saldanha

"De cem favoritos reais
noventa e seis foram guilhotinados.
É preciso conversar atentamente
com os quatro que sobraram."

(Da antologia 26 poetas hoje, organizada por Heloisa Buarque de Hollanda, Aeroplano Editora.)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Como era

Os poetas falavam com tanta frequência e desembaraço de flores que até as rosas pareciam seres corriqueiros.

"O riso amarelo do medo", de Francisco Alvim

"Brandindo um espadim
do melhor aço de Toledo
ele irrompeu pela Academia
Cabeças rolam por toda parte
é preciso defender o pão de nossos filhos
respeitar a autoridade
O atualíssimo evangelho dos discursos
diz que um deus nos fez desiguais."

(Da antologia 26 poetas hoje, organização de Heloisa Buarque de Hollanda, publicada pela Aeroplano.)

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Vida social (para Patricia Mesquita)

Há tanto tempo não tomo um cafezinho comigo mesmo, num restaurante, que nem sei mais me dizer se uso açúcar ou adoçante.

Indício

Só desconfiou que era sério
quando o carro preto
estacionou no cemitério.

Ordem

Recomenda-se aos morituros que se mantenham atentos ao painel e, quando chamados, compareçam ao guichê com os documentos à mão.

Coerência

Ando tão alienado
que mesmo a encontros comigo
tenho faltado.

Autodestruição

Subestimamos nossa condição,
conosco somos mesquinhos.
Quem sabe se os passarinhos
não sonham andar de avião
como nós andamos?

"Aquarela", de Antonio Carlos de Brito

"O corpo no cavalete
é um pássaro que agoniza
exausto do próprio grito.
As vísceras vasculhadas
principiam a contagem regressiva.
No assoalho o sangue
se decompõe em matizes
que a brisa beija e balança:
o verde - de nossas matas
o amarelo - de nosso ouro
o azul - de nosso céu
o branco o negro o negro."

(Da antologia 26 poetas hoje, organização de Heloisa Buarque de Hollanda, edição da Aeroplano.)

terça-feira, 16 de maio de 2017

Terceirização

Pedrinho matou a onça
e quem pagou o pato
foi monteiro lobato.

Contraste

Que tristes são os poemas concretos. Qual deles será um dia recitado como as menininhas de ontem e anteontem recitavam batatinha quando nasce esparrama pelo chão?

De João Pereira Coutinho, sobre "Cinquenta tons de cinza"

O filme vale a pena. Mas somente se você, leitor, for a uma sala com adolescentes. Eles são o coro perfeito para o que sucede na tela: por cada cena de sexo, por cada gemido, por cada açoite - a gargalhada é geral. Entendo. Essa é a geração que, na internet, encontra a pornografia hardcore instantânea e grátis. As cenas "transgressivas" de Cinquenta tons de cinza são, para eles, brincadeira de crianças. Literalmente."

(Do livo Vamos ao que interessa, Editora Três Estrelas.)

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Sobre o concretismo

Petrus Petronicus, expoente do concretismo, destaca no seu livro de ensaios Alicerces da nova arte que o movimento teria chegado a dominar  a cena literária mundial em meados do século XX, não fossem os problemas de transporte e de espaço. E cita o caso do poeta concretista português Nuno Seixo, que precisou destruir o teto de sua casa em Póvoa do Varzim porque um poema seu assumiu, por erro de cálculo e excesso de inspiração, a grandeza despótica de um edifício.

Feio demais

Anacoluto, como todos nós fingimos saber, é uma figura de sintaxe. Isso não vem ao caso. O que eu quero dizer é que anacoluto, seja o que for, é tão feio que traz em si mesmo, indiscutível, o direito de resposta: anacoluto é a puta que pariu.

Ideais

Olho para trás e vejo um bando de estropiados, rotos, mutilados. São meus ideais. Encaram-me com olhos acusadores. Perguntam-me por que os trouxe até aqui, por que confiei tanto neles, por que não desisti deles quando seus ferimentos ainda não eram mortais. Estrebucham, cospem o derradeiro sangue no chão, suplicam misericórdia. Que posso fazer senão aguardar que o último deles morra para morrer também, com a dignidade que reste a um general humilhantemente derrotado?

"Caminho da Gávea",de Antonio Carlos de Brito

"O táxi para na esquina e meu
coração está calcinado.
A paisagem é impecável no seu
espetáculo simétrico e lento. O sol cochila.
Do outro lado da rua e de mim
o mar deságua em si mesmo."

(Extraído de 26 poetas hoje, organização de Heloisa Buarque de Hollanda.)

sábado, 13 de maio de 2017

Cotação do dia

Às vezes, uma vontadezinha de ser alegre (feliz nem pensar).

"Eutanásia", de Lourença Lou

"o corpo
- poema em desconstrução -
lambe melancolicamente
as páginas de um rimbaud

a alma
- poesia em decantação -
aspira sofregamente
a fumaça do free azul

(e a vida vai escorrendo
aosom de blues da ampulheta)."

(De Equilibrista, Editora Penalux.)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Nomenclatura

À cerimônia de lançamento de um livro de poemas concretos se dava o nome de festa da cumeeira.

Jeito de encantar

Se um poeta quiser encantar sua amada com poesia, a recomendação é dar-lhe um livro do Quintana ou do Drummond.

Profilaxia

Receando ser contaminados pelo lirismo, os poetas concretistas só tocavam uma rosa, se precisavam fazê-lo, com as mãos enluvadas.

Hoje no portal do Estadão

Mãe é mãe.

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/ser-mae/

De Henri-Frédéric Amiel, sobre a arte

"Um rimador não é um poeta; um amador não é um artista. É necessário esposar a profissão para nela distinguir-se; é necessário possuir a fundo o seu instrumento para fazer parte do conjunto."

(Tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações.)

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Fama

Tudo de Clarice
virou mantra - até
o que ela não disse.

Viniciana

Jamais duvides de mim.
Te amarei eternamente,
Infinda, infinitamente,
Pelo menos até o fim.

"Sexta-Feira", de Saint-John Perse

"Risos ao sol,
marfim! medrosas genuflexões, as mãos nas coisas da terra...
Sexta-Feira! que verde era a folha, e que nova tua sombra, as mãos tão longas para a terra, quando, junto ao homem taciturno, movias sob a luz o azul cintilamento de teus membros!
- Agora presentearam-te com uma roupa usada, vermelha. Bebes o azeite das lâmpadas e roubas na despensa; cobiças as saias da cozinheira, que é gorda e cheira a peixe; olhas no cobre de tua libré teus olhos que se tornaram velhacos, e teu riso vicioso."

(Tradução de Darcy Damasceno, Coleção Prêmios Nobel de Literatura, Editora Delta.)

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Lógica literária

Melhor um jabuti na mão que dois nobéis voando.

Jurisprudência

Se for levado a um tribunal por praticar a poesia, um homem deve ter sempre um amor frustrado para apresentar como a mais legítima das defesas.

Isonomia

Os cisnes estão pedindo sua inclusão na lei que considera as estrelas, a lua, o sol, o passarinho e as flores patrimônios poéticos da humanidade.

Frase de Henri-Frédéric Amiel

"Lá aonde levamos a alegria, é certo que a encontramos."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações.)

terça-feira, 9 de maio de 2017

A melhor das culpas

Se nos acusarem de plágio, o ideal é que o nome de Shakespeare esteja várias vezes no processo.

Reputação

Um homem sensato só deve encontrar-se com a poesia em lugares públicos, e nunca à noite.

Birra

Ela nunca me chamou de tolo. Sempre se negou a reconhecer minhas virtudes.

Suspeita

Depois que, num dos meus textos, eu perdi a esperança, as outras palavras começaram a fugir de mim.

Estilo

Procrastinar é o modo mais afetado de adiar.

Má sorte (para Marisa Lajolo)

Os poetas concretistas chegaram tarde. Drummond já tinha tropeçado na pedra.

Ossos do ofício (para Paula Giannini)

Quando lhe perguntam como vai, o velho ator ator responde que no geral vai muito bem. Só a coluna lhe dói, mas é o preço que deve pagar por ter se curvado milhares de vezes para agradecer às plateias entusiasmadas.

Caso antigo

O último dos três meninos que riram dele no dia em que urinou na sala de aula, cinquenta anos atrás, morreu ontem. Religioso, rezou por ele, como fizera pelos outros, e aproveitou para agradecer: obrigado, meu Deus.

Vocação

Os pais descobriram tudo quando ele tinha quinze anos. Seus olhos e o rosto pálido eram um convite à investigação. Na terceira noite em que viram acender-se de madrugada a luz do seu quarto, entraram abruptamente e ele não pôde negar. Escondeu embaixo do travesseiro Anna Kariênina, mas não conseguiu ocultar Madame Bovary.

Desconstrução

E se lhe disserem que a Rita Lee nunca esteve na esquina da Ipiranga com a São João?

Técnica

Maturidade é o nome que se dá ao desencanto, no final das biografias.

Definição

Tentar definir uma rosa é um erro. Insistir no erro é poesia.

"Parábola", de Wislawa Szymborska

"Pescadores retiraram uma garrafa das profundezas. Nela havia um pepel e no papel estavam escritas estas palavras: 'Gente, me salvem. Estou aqui! O oceano me jogou nesta ilha deserta. Estou na praia esperando ajuda. Se apressem. Estou aqui."
   - Não tem data. Decerto já é tarde demais. A garrafa deve ter flutuado muito tempo no mar - disse o primeiro pescador.
   - E não diz onde é o lugar. Não dá pra saber nem qual é o oceano - disse o segundo pescador.
   - Não é nem tarde demais nem longe demais. A ilha Aqui está em toda parte - disse o terceiro pescador.
   Houve um desconforto. Fez-se silêncio. As verdades gerais têm isso."

(De Um amor feliz, tradução de Regina Przybycien, Companhia das Letras.)



segunda-feira, 8 de maio de 2017

Mãos

Olho minhas mãos e pergunto-me que tipo de insanidade me possuía quando as imaginei capazes de reter, ainda que por um instante, a beleza, mesmo que ela consistisse num raio de sol filtrado por minha espessa melancolia.

Etapa

Chego a um ponto do caminho em que, se quiser flores, preciso buscá-las na memória.

Carinho

Com a mão esquerda, dá três palmadinhas na direita, para consolá-la de culpa de nunca haver conseguido, com a caneta, nada além de falsos brilhos literários.

De Nabokov, sobre Kafka

"Kafka era, acima de tudo, um artista,  e embora possa se sustentar que todo artista é uma espécie de santo (eu próprio sinto isso muito claramente), não acho que se possa ler nenhuma implicação religiosa no talento de Kafka."

(De Lições de literatura, tradução de Jorio Dauster, Editora Três Estrelas.)

domingo, 7 de maio de 2017

Vai, Corinthians!

https://youtu.be/UgiFnIvJYu4

Hoje na revista Rubem...

... falo do que realmente me importa: miudezas.

https://rubem.wordpress.com/2017/05/07/o-martir-no-primeiro-e-a-morte-no-item-final-raul-drewnick/

Cotação do dia

Com a mão esquerda, dá três carinhosas palmadinhas na direita, para consolá-la da culpa de nunca haver sabido produzir, com a caneta, nada além de falsos brilhos literários.

Início de "O andarilho das estrelas", de Jack London

"Durante toda minha vida, tive consciência de outros tempos, de outros lugares. Sempre percebi outras personalidades inerentes a mim. Acredite nisso, você que vai ler este livro! Lembre-se de seus primeiros anos de vida e essa impressão também virá à tona, como uma experiência da infância."

(Tradução de Marco Castilho e Mariléa de Castro, Editora do Conhecimento.)

sábado, 6 de maio de 2017

Sorte de principiante

Estarás deitado, compenetradíssimo em teu papel de morto. Não ouvirás dizerem, ali perto: foi um grande homem. E não verás, depois da frase, teus parentes e amigos indo à sala de velório vizinha para conhecer o defunto merecedor do elogio.

Por assim dizer

Quando se usa a expressão sabe-se lá como, é porque não se sabe absolutamente nada.

Defeito original (para Bianca Almeida, Gianluca e Nicole Drewnick)

Um ajudante de Deus, um desastrado cujo nome não mereceu registro, espatifou a lua em milhões de pedaços, e até hoje ela tenta recuperá-los, chamando: estrelas, estrelas.

Quase definição

Um haicai costuma ser tão instantâneo e imaterial que é menos uma questão de visão que de crença.

Sotaque

Pelo jeito de se expressar, não-me-toques só pode ter raízes lusitanas.

Significado

Vicissitude é uma daquelas coisas que só começamos a sofrer depois que consultamos o dicionário.

Altissonância (para Bianca Almeida, Gianluca e Nicole Drewnick)

O passarinho que imaginava ser águia pousou diante da minhoca: "Decifra-me ou te devoro."

Perfil público

Se um dia eu me tornasse escritor, gostaria de ser um desses modestos que só depois de cinco ou seis convites aceitam receber prêmios.

Como estarás nesse dia

Te levarão para um lugar
desses abençoados
que apreciarias
e tu mesmo escolherias
se o pudessem ver
teus olhos fechados

Para lá te levarão
e lá te deixarão
depois que as pás
que não ouvirás
acharem para ti
um espaço na escuridão.

Cotação do dia

Quando ele se apalpa,
ainda se sente:
não está morto o suficiente.

Trecho de Henri-Frédéric Amiel

"A doença me causa sobretudo vergonha; humilha-me como um defeito físico, como um ridículo, como um olho inchado ou uma espádua torcida. Isso equivale a dizer que não conto com a caridade complacente dos meus semelhantes, e que a sua comiseração, tal qual é, me assusta."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, edição da É Realizações.)

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Dever de ofício

No meio da manifestação, tossindo, rogou a Santo Aristarco que lhe permitisse sobreviver para consultar, no dicionário, se era gás lacrimogêneo ou lacrimogênio.

Saldo

O problema dos fracassos poéticos é o que fazer com o encalhe de bem-te-vis e de rosas.

Bom-senso

Se eu tivesse juízo, as únicas palavras com que estaria lidando seriam as cruzadas.

Como se pedras

Ando cansado. Tudo me pesa. Ontem quis colocar duas rosas numa frase e precisei deixar uma no meio do caminho.

Prova

Sentiu-se de repente morto e começou a apalpar-se com reverência, como se deve apalpar um paradoxo.

Memória

Por sentir a morte próxima, ela começou a ter saudades de tudo e pediu que a levassem à casa onde havia passado a infância. sete décadas antes. Deixaram-na entrar e ela quis ir ao jardim do fundo. Olhou o roseiral, chamou uma flor de lírio,  outra de margarida, e, abaixando-se temerariamente, ficou procurando alguma coisa na terra. Perguntaram-lhe o que era, "Eu jurava que tinha escrito meu nome aqui, num dia de chuva."

Gatos-pingados

É um desses homens de  cujo sepultamento participam no máximo cinco pessoas - três, se excluídos os dois coveiros.

Se for (para Edilaine Lopes)

Se for para perder-se
que seja numa rima toante
nuns olhos verdes.

Dorinne e o professor Henrique no shopping

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/um-beijinho-so-ou-dois/

Cotação do dia

Sinto-me hoje como se fosse um morto muito distraído que, notando algo diferente, estranhasse não ver ninguém por perto a quem pudesse perguntar.

Nove versos de Emily Brontë

"Agora, é a noite;
O sol desce,
Escorrendo no horizonte o fulgor dos seus ouros;
A cidade, vagarosa, abandona o murmúrio
E docemente se mistura ao sopro que a afaga.

No entanto, creio ver uma planície fúnebre
E estou na escuridão. É outubro e tudo é plano,
Os pilares da noite ameaçam ruir,
Enchendo o negro céu e a abóbada de tormentas."

(Do poema "Como um fantasma repentino", extraído do livro O vento da noite, tradução de Lúcio Cardoso, Civilização Brasileira.)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

A coleção

Prezo minhas tristezas. Sou fiel a elas. Já com a primeira surgiu em mim a ideia de coleção. Ela vem crescendo desde o dia no qual, menino, eu soube que um gato podia ser morto por um homem cansado de, com sua espingarda, testar a pontaria em alvos monotonamente fáceis como latas.

Metrô

Eu podia estar furtando, roubando,
mas estou aqui na minha,
poetando, definhando.

Beleza e verdade

A maior de todas as belezas pode ser,  mesmo, a da verdade. Mas eu prefiro, ainda, a dos olhos verdes, mesmo que mentirosos como a esperança.

Cotação do dia (2)

A única importância que eu talvez ainda tenha é um resto daquela que eu mesmo presunçosamente me atribuí, há tanto tempo.

Cotação do dia

Venho escrevendo tão mal que agora há pouco me perguntei que desculpa eu poderia dar se alguém quisesse saber por que continuo. Forjei esta: escrevo, ainda, por expressa recomendação médica. É risível, eu sei, mas me compenso, com ela, de tantas vezes nas quais exprimi a verdade do meu coração e riram como se eu estivesse contando uma piada.

Um trecho de Henri-Frédéric Amiel

"Colocar-se em todos os pontos de vista, fazer viver a sua alma por todos os modos, isso está ao alcance do ser pensante, mas é preciso confessar que pouquíssimos aproveitam a permissão.Os homens estão em geral aprisionados e atarraxados nas suas circunstâncias, mais ou menos como os animais. Quase não desconfiam disso, porque não se julgam. Colocar-se dentro de todos os seus estados e perceber do interior a sua vida e o seu ser, é a função do crítico e do filósofo."

(De Diário íntimo, tradução de Mário Ferreira dos Santos, publicado pela É Realizações Editora.)

terça-feira, 2 de maio de 2017

Figurino

Os poetas românticos podiam nem ser dotados de muito talento, desde que fossem pálidos e tivessem o jeito certo de olhar para o céu.

Acessórios

Que sejam belos os olhos do poeta, para não se dizer que ele só tem as lágrimas a oferecer.

Estátua

Em Santos, Vicente de Carvalho, o Poeta do Mar, fica de costas para ele, cumprimentando turistas.

Ágrafos

De alguns escritores, diz-se que têm muito espírito e que, se alguém os acompanhar vinte e quatro horas por dia e anotar suas frases, o Nobel será para eles o mais irrisório dos prêmios.

Poema autodedicado

Não te preocupes, não temas.
Vais perder agora a paz?
Escreveste tantos poemas,
Coisa pior tu não farás.

2 de maio de 2017

Ao que parece
a questão dos gêneros
ainda causa espécie.

Plena

Maravilhosa é a palavra alma. Você a sente brotando nos olhos, oferecendo-se aos lábios, para que você a beba em sua íntegra pureza. Que prova mais você quer? Será preciso apalpá-la?

Truque (para Verônica Marzullo de Brito)

Às vezes precisamos nos doer para nos sentirmos vivos.

Cinco versos de Margaret Atwood

"Ou pare diante de um poço ou um lago
e deixe cair ali uma pedra.
O som que ouvirá é uma pergunta
que deveria ter feito.

A resposta também."

(Do livro A porta, tradução de Adriana Lisboa, Rocco Editora.)

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Ambição (para Rose Marinho Prado)

Eu gostaria de ser um poeta que me agradasse.

Dedicação plena (para Verônica Marzullo de Brito)

Todo o meu corpo se pôs à disposição do verbo doer.

Placa sob neblina (para Rose Marinho Prado)

Você não tem como errar,
Ninguém pode, ainda que tente.
É só seguir devagar;
A meta é ali logo em frente.

Cotação do dia

Estou mais para reumatismos que para romantismos.

Tanto tempo

Talvez tivéssemos merecido, um dia, melhor avaliação. Foi há muito tempo, certamente, tanto, tanto, que a memória já não poderia ser chamada como nossa testemunha, se quiséssemos.

Moeda antiga

Ter pena de mim é algo que já não faço com a mesma naturalidade, tantos anos depois. Sinto-me um impostor, como sujeito e como objeto.

No mínimo

Que pelo menos a nossa melancolia passe diante dos outros sem que alguém possa nos acusar de falsidade, como fizeram com todos os nossos outros sentimentos.

Negócio fechado

Minha vida ainda não acabou, é verdade. Mas, com a autocondescendência que minha idade talvez justifique, sinto-me tentado a lhe dar sete e meio, pelo conjunto, como nota definitiva. Amanhã ou depois, receio que nem sete ela valha.

Ovos, para que vos quero?

Agora há pouco passou aqui pela rua um exemplo de romantismo tardio. O carro do vendedor de ovos, apregoando a excelência da mercadoria e lamentando não poder ficar por muito tempo,,porque outras freguesias o esperavam nesta imensa cidade, repetiu o convite, com um final dramático: venham, venham logo, antes que seja tarde demais.

De Fernando Pessoa, sobre Henri-Frédéric Amiel

"O diário de Amiel doeu-me sempre por minha causa. Quando cheguei àquele ponto em que ele diz que sobre ele desceu o fruto do espírito como sendo a 'consciência da consciência', senti uma referência direta à minha alma."

domingo, 30 de abril de 2017

30/4

Abril reservou para o seu último dia a mais aguda punhalada.

Belchior

Como é fácil entristecer um domingo.

Um pouco, talvez, de poesia

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/um-pouco-de-tudo/

Sobre a verdade

Esperar que a verdade seja revelada por um poeta é depreciá-lo. A verdade é presumivelmente autossuficiente e maçante, e nem os filósofos se importam mais em descobri-la, embora mantenham seu ar empertigado e seus livros em quintas e sextas edições. Depois que surgiu o conceito de utilidade, qualquer parafuso ou arruela precisam responder para que servem. O que a verdade, se quisesse nos convencer, alegaria em sua defesa?

O grande erro

Repugna-me recordar ocasiões em que vi o amor com olhos que não eram estritamente os do espírito. Se lhe damos nomes, o amor começa a morrer quando passamos a gritá-los em noites de febre. O amor, se por algum nome for chamado, que seja por um que a brisa possa dizer numa manhã de sol, num parque.

Golpe baixo

Como é triste, em livros de ficção, o aviso: baseado em fatos reais.

Simples assim

Que delícia foi ouvir hoje, na feira, o vendedor responder que os caquis estavam docíssimos. Um pedante como eu teria dito dulcíssimos.

Rancor

Ela não me perdoou por eu lhe ter dito que jamais alguém a veria tão bela quanto a vi naquela manhã.

De novo

Deixou a chuva molhar seus lábios antes de dizer a palavra amor novamente com esperança, não mais toda a inicial, mas alguma - ainda que  tão ineficaz como todas as outras.

Um trecho de Nabokov

"Era comum aconselhar-se a todos os jovens escritores que evitassem a aliteração, e o conselho era válido para evitar seu uso exagerado. Não obstante, era em essência um disparate abominável, mero delírio do mais cego dos cegos. A beleza do conteúdo de uma frase depende implicitamente da aliteração e da assonância. A vogal exige ser repetida; a consoante exige ser repetida; e ambas clamam para serem eternamente variadas."

(De Lições de literatura, tradução de Jorio Dauster, Editora Três Estrelas.)

sábado, 29 de abril de 2017

Perfil do haicai

Ao haicai assentam bem a humildade e a modéstia. Ele não é um passarinho súbito aparecendo e desaparecendo no mesmo instante, com um fio no bico. Ele é só um passarinho que aos olhos certos pareça ter um fio no bico.

Agonia e êxtase

Atingido por Cupido, o poeta puxa do peito a seta com uma aliteração e uma rima e a beija, beija, beija, mártir abençoando seu martírio.

Regulamentação

Para evitar ridicularias, aos poetas românticos deveria conceder-se licença de acordo com sua idade, sendo a faixa inicial quinze anos, e trinta e cinco a última.

Como no início

Palavras como rosa, mar e primavera deveriam ser sempre ouvidas como se ditas a primeira vez por lábios maravilhados pelo  assombro.

Recaída

E no entanto
acabamos sempre voltando
a escrever.

Ele/ela

Ela era toda poesia
leveza rosa
ele era rudeza
áspera prosa

Amaram-se
cada qual dentro do seu gênero
ela um amor eterno
ele um romance efêmero.

O que te restou

Foram-se todos os dias.
Sobrou-te este, o derradeiro,
Igual, na dor, ao primeiro
E nas parcas alegrias.

Neutralidade

Meu bacalhau é norueguês
e da melhor marca.
Não me importa saber
o que há de podre
no reino da Dinamarca.

Ah, o futuro

Empolgada com o relato das aventuras amorosas da irmã de dezessete anos, a garota de doze espera que, quando chegar sua vez, lhe caiba também um namorado com uma bunda ampla, que ela possa acertar com o chute final sem precisar concentrar-se.

Um trecho de Vladimir Nabokov

"A literatura não nasceu no dia em que um menino chegou correndo e gritando 'lobo, lobo', vindo de um vale neandertal com um grande lobo cinzento em seus calcanhares: a literatura nasceu no dia em que um  menino chegou gritando 'lobo, lobo', e não havia nenhum lobo atrás dele. Pouco importa que, por mentir com frequência, o pobre garotinho finalmente tenha sido devorado por um animal de verdade. O importante é que, entre o lobo em meio ao capim alto e o lobo na história pouco crível, há um elo cintilante. Esse vínculo, esse prisma, é a arte da literatura."

(De Lições de literatura, tradução de Jorio Dauster, Editora Três Estrelas.)

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Um aqui, outro lá

Enquanto o poeta romântico prepara um cisne para o jantar, o concretista ronca e sonha com egitos e com pirâmides.

Requentando Drummond

Querer que a poesia
seja mais que uma rima
é licença poética,
não é uma solução.

Extremos no centro

É quando se aceita como tolo que ele se sente mais triste e mais feliz ao mesmo tempo. Tristeza aguda, felicidade plena. São ocasiões nas quais ele se lastima por Deus não o ter feito poeta. Talvez belas palavras pudessem nascer disso.

Utilidade única

Pelo que vejo na internet, os maridos não servem para nada, a não ser para as brigas e as reconciliações.

Preparativos

Pelo bem do teu futuro
acostuma-te com o frio
e habitua-te com o escuro.

Conselhos finais

Chega o tempo em que devemos aprender a lidar com enfermeiros e a mimar as mulheres que levam aos quartos a bandeja de comida, se quisermos garantir um punhado a mais de açúcar ou uma pitada extra de sal para os nossos últimos dias.

Novo recado para o gajo

Meu caro Fernando, morreste há tanto tempo, mas os semideuses que te aporrinhavam andam à minha volta. Gritam para dentro dos meus ouvidos versos mentirosamente tejanos e, se os ameaço, mandam-me comer dobradinha fria e proclamam jamais haverem levado porrada.

Quanto valemos

Se tivéssemos sido importantes, estaríamos aqui fora, entre os homens que recolhem o lixo? De dentro vêm gritos que esperam o ônibus tardio. Nenhuma voz é a nossa. Não nos permitiram sequer um lugar na plateia.

Estado de espírito

Indiferença, resignação e desistência são palavras que vão pertencendo cada vez mais ao meu modo de ver a vida. Não acrescento desdém para não parecer definitivamente um misantropo.

Início de "Adeus, Columbus", de Philip Roth

"A primeira vez que vi Brenda, ela me pediu para segurar seus óculos."

(Tradução de Paulo Henriques Britto, Companhia das Letras.)

Hoje, no portal do Estadão,

falo da inquietante palavra "tudo".

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/um-pouco-de-tudo/

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Terceiro ato, penúltima cena (para Luiz Carlos Cardoso)

Faz uma hora já que encomendei a cicuta.
Por Zeus e por todos os outros deuses,
Onde está aquele entregador filho da puta?

Haicai

Viver é uma goteira.
Só se morre depois
da gota derradeira.

Desventuras em série (para Herena Barcelos)

Depois de tantas rejeições, teme que também a Morte o ignore.

Má companhia (para o Gianluca e a Nicole)

É um gato muito pequeno. Ainda não aprendeu a lidar com seus sonhos. Neles costuma aparecer uma ratona que sempre finge ser sua mãe. Às vezes ele acredita e deixa que ela coma na sua tigela.

Sinopse

O resumo de minha história é simples. Não aprendi a linguagem da poesia; não há história.

Plágio

Basta a literatura dar um cochilo e lá vai a vida furtar-lhe uma história. Tantas Kariêninas e Bovarys que seriam perfeitas se não lhes faltasse um toque de Tolstói ou Flaubert.

... o que é de César

Às vezes, no meio de um texto, obrigo-me a dizer eu, para marcar meu direito sobre algumas coisas, principalmente as tristes.

Diploma

Uma de nossas mais frequentes bravatas é dizermos que estamos prontos para morrer, como se a morte fosse uma disciplina que se pudesse aprender com apostilas, empenho e provas bimestrais.

Voto vencido

Quando se lembra do amor, ele mesmo já está disposto a acreditar que tudo foi uma criancice, e essa simulação de maturidade acalma seu coração.

Burla

As mulheres que o visitam em sonhos não conseguem disfarçar-se, ainda que mudem o penteado e se vistam como se estivessem em 2017. São garotas da década de 1960, algumas cursaram o o colégio com ele. Uma delas, mais ardilosa que as outras, maneja um celular. Ele está para ser enganado quando desperta.

Outrora agora (para o gajo Fernando)

Nos sonhos do velho cão, ecoam às vezes ainda, certas noites, seus próprios juvenis latidos, e suas patas se movem como se fosse possível agora, finalmente, deter a caravana que, para escapar, se embrenha no âmago das trevas.

Salvaguarda

A razão, se não lhe impusermos limites, é bem capaz de negar, diante de nossos fascinados olhos, a existência de um arco-íris.

Trilha sonora

Não acredito em epifanias ruidosas, precedidas e acompanhadas por tambores e clarins. Talvez um violino, um só, que soe como se não soasse.

Havemos de ser perdoados
Como aos bons vivos convém
E aos mortos cabe também
Desde que bem- comportados.

Apoteose

Correu todos os riscos do lirismo e, quando começou a se erguer depois de estourar o nariz ao cair do trapézio, viu que tinha agradado. Entre gargalhadas, os espectadores gritavam: mais, mais. Voltou para o trapézio, principalmente pela moça cujos olhos verdes talvez não estivessem lacrimejando só pelo riso.

De Vladimir Nabokov, sobre "Ulisses", de James Joyce

"Qual é o tema principal do livro? Muito simples.
1. O passado irrevogável. O filho pequeno de Bloom morrera havia muito tempo, mas a visão dele permanece em seu sangue seu cérebro.
2. O presente ridículo e trágico. Bloom ainda ama a mulher, Molly, porém permite que o destino assuma o controle. Sabe que, às 4h30 da tarde daquele dia de meados de junho, Molly será visitada pelo charmoso Boylan, seu empresário e agente musical - mas nada faz para impedi-lo. Busca cuidadosamente afastar-se do caminho do destino, porém de fato, durante todo o dia, está sempre muito perto de esbarrar em Boylan.
3. O futuro patético. Bloom também fica se encontrando com outro jovem, Stephen Dedalus, e aos poucos se dá conta de que isso pode corresponder a mais uma pequena atenção do destino. Se sua mulher precisa ter amantes, Stephen, sensível e artístico, seria melhor que o vulgar Boylan. Na verdade, Bloom especula pateticamente que Stephen poderia ensinar Molly e ajudá-la a pronunciar palavras em italiano em sua profissão de cantora de ópera, exercendo uma influência benéfica em matéria de refinamento.
Este é o principal tema: Bloom e o destino."

(De Lições de literatura, tradução de Jorio Dauster, Editora Três Estrelas.)

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Sobre um amor tresloucado

http://emais.estadao.com.br/blogs/escreviver/oi-doidinha/

Gaveta do meio

Numa pasta de recortes cabe toda a minha fortuna crítica.

Mario Quintana (para Ernesto Ferreira, Lúcia Maia e Silvia Galant François)

Tenho a impressão de que os passarões abominados por Mario Quintana eram parentes dos poetas condoreiros.

Pés no chão

Foi certamente um poeta concretista, ou um simpatizante da causa, que criou a expressão "bens de raiz garantem futuro feliz".

Sintoma

Quando desfaço da poesia, todos imediatamente sabem que ela me negou alguma coisa.

Liquidação

Oferta de livraria: cinco paralelepípedos de genuína poesia concreta pelo preço de três. Frete gratuito.

Imanência

O haicai é um
gato preto no escuro
dormindo.

Regresso

O haicai é por onde
a poesia se esgueira
para o silêncio.

Mimos (para Ana Farrah Baunilha)

Ainda há quem considere um poema uma espécie de caixinha de bombons, se bem que uma caixinha de bombons, ah, uma caixinha de bombons...

Pistas (para Liberato Vieira da Cunha)

Poetas românticos, quando davam pela falta da alma, não sabiam se iam procurá-la no inferno ou na casa da donzela mais próxima.

Petições

Era comum as estrelas irem perturbar os sonos dodecassilábicos de Olavo Bilac para apresentar queixas sobre  os maus modos da lua.

Lampejo

Estamos mortos todo o tempo, a não ser naqueles instantes em que a poesia nos julga dignos de sua atenção e nos olha como se reconhecesse em nós o rapazinho para quem piscou na são joão, na manhã de 2 ou de 22 de outubro de 1951.

Amplitude

Vejam só que pé-direito, convidou o poeta concretista, erguendo o braço para abarcar todo o seu poema.

Logradouro

Num parque paulistano, devemos dar graças se só as dúvidas filosóficas nos assaltarem.

De Joseph Brodsky, sobre Anna Akhmátova

"Ela era positivamente linda. Com 1,77 metro, cabelos escuros, pele branca, olhos cinzento-claros semelhantes aos dos leopardos da neve, esbelta e incrivelmente graciosa, por meio século ela foi desenhada, pintada, esculpida, entalhada e fotografada por uma multidão de artistas, a começar por Amedeo Modigliani. Quanto aos poemas dedicados a ela, ocupariam mais volumes do que suas próprias obras reunidas."

(De Menos que um, tradução de Sergio Flaksman, Companhia das Letras.)

terça-feira, 25 de abril de 2017

Boletins médicos (para Deonísio da Silva)

De tantos em tantos anos, as reformas gramaticais vêm nos avisar como anda o estado de saúde dos hifens.

Transgressão (para Celina Portocarrero e Marisa Lajolo)

Nos melhores poemas parnasianos brasileiros há um calor clandestino, que passou sabe-se lá como pelos olhos frios dos mestres da escola. Bilac fez a maior parte dessas molecagens.

Um trecho de Joseph Brodsky

"Por mais modesto que seja o lugar que você ocupa, se ele tiver o menor resquício de decência, pode ter certeza de que algum dia alguém vai entrar e reclamá-lo para si ou, o que é pior, sugerir que você o divida com ele. Nesse momento, ou você luta por seu lugar ou o abandona. No meu caso, sempre preferi a segunda opção. Não que eu fosse incapaz de lutar, mas por absoluto nojo de mim mesmo: conseguir uma coisa que exerce atração sobre os outros denota certa vulgaridade em sua escolha. Não tem a menor importância o fato de você ter chegado lá primeiro. É pior ainda chegar primeiro a um lugar, porque aqueles que vêm depois sempre estarão com um apetite mais intenso que o seu, já em parte satisfeito."

(De Menos que um, tradução de Sergio Flaksman, Companhia das Letras.)

Síntese (para Silvana Guimarães)

tudo meu é passado
tudo fraco
tudo fosco
tudo opaco
tudo apagado
exceto o imaginado.

As sobreviventes (para Henrique Fendrich)

A crônica e a poesia são como gatos. Vivem morrendo e ressuscitando. Felizmente, parece que têm ressuscitado mais do que morrido.

A dúvida (para Alfredo Aquino)

O homem dava uma caminhada pelo parque quando teve uma dúvida: para que serve a poesia? Parou, coçou o queixo, não lhe veio a solução. Olhou então para cima e viu um passarinho. Interrompo a história aqui. Receio que a dúvida tenha persistido.

As três palavras

O lirismo está morto faz muito tempo - dizem que há anos, que há décadas, que há mais de um século. Mas a notícia não deve ter circulado como devia. Ainda, aqui e ali, se abre um jornal ou uma revista, mais comumente um blog, e lá estão, em maiúsculas, as inimagináveis palavras: SONETO DE AMOR.

Queixa

Há quem esteja satisfeito com o que recebe da poesia. A mim, ela não entregou nem a loucura básica que logo ao primeiro olhar vejo, com inveja mortal, no rosto dos seus eleitos.

Itinerário (para Edilaine Lopes)

Só as folhas sopradas por um vento poeta sabem como chegar a Pasárgada.

Gongorismo (para Djanira Pio)

Amo o dramalhão. Sou dos que gritam "ai, estou morrendo" com a saudável voz de gemadas matutinas.

Lançamento

Diante da fila alvoroçada, o poeta concretista começou a suar frio: havia esquecido em casa o preguinho de autografar.

Consciência

Ainda há poetas honestos que pegam as rimas, as cheiram e as examinam antes de colocá-las em circulação.

Um pouco de Lobo Antunes

"Foda-se, pensou o médico aterrado, inalando o perfume semelhante a gás de guerra de 14 que se soltava em rolos letais da nuca da mulher, o faria eu se estivesse em meu lugar?"

(De Memória de elefante, Editora Alfaguara.)

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Sem pensar (para Arlene Colucci e Carmen Ruiz)

Ficar triste é já, em mim, um hábito como sair de casa sem relógio.

Monumentalidade (para Alexandre Brandão, Luís Giffoni e Maria Helena Ferreira Penteado)

Para ser épico, um poema concretista precisa ter pelo menos dez andares.

Usos e costumes

A literatura é um vício que talvez um dia um homem possa admitir na hora mais clara de uma manhã de domingo.

Defesa do consumidor

Todo poema concreto deveria vir com um manual de instruções e cinco anos de garantia.

Estilo de vida (para Mariana Ianelli e Silvana Guimarães)

A meu modo sobrevivo,
Bem menos rico que pobre,
Bem mais vassalo que nobre,
Já bem mais morto que vivo.

Logística

Sempre que lhe fazem o pedido, o concretista Petrus Petronicus autoriza a exibição dos seus dois grandiosos poemas épicos, desde que os organizadores lhe garantam uma carreta apropriada.

Dica de almanaque

Rosas concretistas não precisam ser periodicamente regadas. Um lenço levemente embebido num bom lustra-móveis é suficiente para lhes manter o brilho.

Marcos

De boas intenções e de poemas concretistas o caminho do inferno está cheio.

O início

Uma trajetória poética costuma começar quando alguém pensa ter algo a dizer, geralmente uma tristeza, e não desiste imediatamente.

Entregas canceladas

Não gosto das gracinhas que faço. Tenho consciência de sua futilidade. Mas a tristeza vem falhando tanto comigo...

Código de obras

Num poema concretista
a chave de ouro
é o habite-se.

Catástrofe

Depois de dois dias de aguaceiro
o poema concreto
desaba sobre um formigueiro.

Martelinho de ouro

Não tenho visto mais aquelas pequenas lojas especializadas em consertar poemas concretos.

O que é

Morte com foice na mão
ou com tesoura
parece assombração
ou espantalho de lavoura.

Um trecho de António Lobo Antunes

"Espectador extasiado do próprio sofrimento, projectava reformular o passado quando não era capaz de lutar pelo presente. Cobarde e vaidoso, fugia de se olhar nos olhos, de entender a sua realidade de cadáver inútil, e de iniciar a angustiosa aprendizagem de estar vivo."

(De Memória de elefante, Editora Alfaguara.)

domingo, 23 de abril de 2017

Modelo (para Silvana Guimarães)

O poema ideal talvez fosse aquele que pusesse um cisne a flutuar num lago com a lua sem precisar de mais que quatro ou cinco palavras.

Material (para Marcos Gomes)

O céu de anil
dos concretistas
era puro suvinil.

Aspirações

Os parnasianos sonhavam com esculturas; os concretistas, com pirâmides.

Decadência

Já fui mais autêntico, já chorei melhor. As palavras têm me deturpado. Como era libertador aquele choro de soluços e de ranho lambido.

Saudade

O que falta ao meu sofrimento de hoje é aquela assunção de martírio, aquela esperança de poesia.

Medida

Por mais sonhador que seja, um poeta deve ter senso de proporção. Que seja o que puder ser, e que se considere até um pouco maior do que é, desde que não queira ser Camões.

Misticismo de ocasião

Em alguns, um poema tem o dom apenas de acentuar o tom aparvalhado, São os falsos místicos, para os quais o horizonte é sempre a mosca na parede.

Epifania

Na aula de física
a poética intromissão:
vento é o ar em movimento.

Exceções

Poemas concretos
com janelas para sonhos
eram para concretistas bisonhos.

Postura municipal

Os poemas concretos deveriam ser assinados não por um poeta, mas pelo engenheiro responsável.

www.rubem.wordpress.com

Hoje na Revista Rubem falo daquilo que melhor conheço: miudezas, bijuterias, inutilidades.

De Leandro Karnal sobre Shakespeare

"Somos todos anões. Subir no ombro de gigantes permite-nos contemplar um horizonte espetacular. Happy birthday, Will!"

(Da coluna de hoje no Caderno 2 do Estadão.)

sábado, 22 de abril de 2017

Perda de tempo

Ficar conversando com seus botões não dá camisa a ninguém.

Avaliação

Amor é uma palavra que ainda rende alguma coisa, ainda que seja só uma frase triste.

O nome

O salva-vidas que foi socorrer o poeta com a respiração boca a boca começou a sentir seus beijos retribuídos e a ouvir um nome: amélia, amélia.

Início de "Memória de elefante", de António Lobo Antunes

"O Hospital em que  trabalhava era o mesmo a que muitas vezes na infância acompanhara o pai: antigo convento de relógio de junta de freguesia na fachada, pátio de plátanos oxidados, doentes de uniforme vagabundeando ao acaso tontos de calmantes, o  sorriso gordo do porteiro a arrebitar os beiços para cima como se fosse voar: de tempos a tempos, metamorfoseado em cobrador, aquele Júpiter de sucessivas faces surgia-lhe à esquina da enfermaria de pasta de plástico no sovaco a estender um papelucho imperativo e suplicante:
   - A quotazinha da Sociedade, senhor doutor."

(Editora Alfaguara.)

Acordo

Minha loucura não me morde mais quando vou alimentá-la.

Cena

O bonde do modernismo já passou há um século, mas ainda há quem corra tentando alcançá-lo, gritando: ei, Oswald, ei, Mário. Os parnasianos continuam diante do Municipal, com aquele ar de indignação, esperando que cheguem os cocheiros com as majestosas carruagens.

Conselho

Talvez você esteja certo em sua opinião e não tenha jeito nenhum para a arte. Mas talvez seja esse o seu maior trunfo para não desistir. Faça a arte como se você fosse o único capaz de, até por autocondescendência, dar-lhe atenção. Talvez dois ou três, ou quatro ou cinco, acabem um dia achando interessante isso que você faz. Mais do que isso é já um começo de presunção.

Vocação

Com seis anos ele deu o primeiro sinal do seu talento poético: aprendeu a contar até doze e dedilhou um alexandrino.

O trunfo

Aos escritores que se mostram mais resistentes o Diabo reserva a tentação final: aparece-lhes num sonho como ruiva fatal e num beijo lhes introduz na boca a palavra Estocolmo.

Emergência

Foram socorrer o poeta que se afogava. Por dois minutos pareceu impossível salvá-lo, até que ele começou a verter pela boca os ahs, ós e ohs acumulados a vida toda.

Balcão

O Diabo conhece bem os escritores: querem dar a alma de segunda e receber obras de primeira.

Suspeição

Não leiam autobiografias de poetas. Eles são capazes de inventar que, quando garotos, a mãe, já lhes conhecendo a vocação, os fazia esvaziar alegremente panelas de sopa de letrinhas.

Como era

Os românticos não beijavam. Pousavam os lábios devassos sobre lábios virgens e desmaiavam em êxtases angelicamente carnais.

Sumo pecado

A transgressão mais voluptuosa de um poeta parnasiano era beijar uma estátua depois de contornar-lhe esmeradamente a boca de batom.

Difícil versão

Nas traduções de poesia concreta
às vezes não fica
pedra sobre pedra.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Conceito (*)

Arte é uma pá
dessas que lavram
o mundo.

(*) Isto me veio hoje como o sopro de um espírito. Ou será um plágio, há muito tempo incubado, finalmente conseguindo se expressar?

Solidez

Se concreta for a poesia
o ideal é fazê-la
em alvenaria.

Per aspera ad astram

Os escritores antigos eram excelentes guardiões de sua glória. Para evitar problemas, cuidavam com exemplar antecedência até dos dizeres de sua lápide funerária.

Stricto sensu (para Diego Moraes e Marcelo Mirisola)

Não há flores mais finadas do que as páginas de antologia.

Rosibéis (para Rose Marinho Prado)

Os poetas de megafone derrubam quarteirões com suas rosas suburbanas.

Atributos (para Aden Leonardo e Ana Farrah Baunilha)

O poeta é um ser tropeçante. Está sempre sujeito a quedas amorosas e suas recaídas.

Assepsia

Enjoadíssimo aquele poeta que não dava a ninguém a mão com a qual escrevia seus versos.

Negócio (para Alfredo Aquino, Deonísio da Silva e Liberato Vieira da Cunha)

Deu a alma ao Diabo e em troca recebeu inspiração para uma peça - Julieta e Romeu - na qual viria logo a notar um tom shakespeariano.

Haicai agrícola (para Gianluca Drewnick Sapuppo e Nicole Drewnick)

No mesmo prato não comem
o espantalho
e o lobisomem.

Revisão

Nos dias atuais, os sonetos seriam bem melhores que as emendas.

Qual anjo

O poeta devia ter alma pura e bons modos. Havia coisas que jamais podia fazer. Uma era emporcalhar sua harpa com gordura de sanduíche.

Autobiografia, capítulo I

Eu já nasci velho. Para piorar, deram-me leite parnasiano na mamadeira.

9,5

Nunca tive um poema censurado. Sempre fui um poeta ordeiro. Com dezoito anos, eu já era aplaudido por poetas quinquagenários. Para não me darem sempre nota dez, às vezes me censuravam um enjambement ou uma rima.

Sob medida (para Celina Portocarrero)

Haicai é a forma que a poesia
para si mesma cem
em cem vezes escolheria.

Oi, doidinha

Hoje no portal do Estadão (www.estadao.com.br) publico um modelo de mensagem romântica, com os chavões do gênero.

"Solidão", de Giuseppe Ungaretti

"Mas os meus gritos
ferem
como raios
a abafada campana

Despencam-se
apavorados."

(De A alegria, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, Editora Record.)

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Mesquinhez

Por que, Deus, tanto cansaço,
Tanto desgosto sofrido,
Tendes vós me retribuído
Com tão sovino fracasso?

São Paulo, SP

Como os outros meninos
eu conheci a geografia
de puteiros useiros
de hotéis clandestinos
de treme-tremes vezeiros

Hoje irremediavelmente velho
se fosse andar deveria
escolher caminhos sérios
respeitáveis hospitais
centenários cemitérios.

Persistência

Se já naquele tempo eu não fosse triste, hoje não me recordaria de nada. Quem há, de tantos anos depois, ter do seu dia mais importante a lembrança de uma gargalhada?

"Silêncio", de Giuseppe Ungaretti

"Conheço uma cidade
que cada dia se enche de sol
e tudo é raptado nessa hora

Dela parti uma tarde

No coração perdurava o limar
das cigarras

Do navio
laqueado de branco
vi
minha cidade sumir
deixando
por um instante
no ar toldado um abraço de luzes
suspensas."

(Do livro A alegria, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti, Editora Record.)

quarta-feira, 19 de abril de 2017

A senha

A lembrança do amor, se fomos nós que o matamos, deve ficar na gaveta mais distante da memória e precisará ser puxada aos poucos, lágrima a lágrima.

Mudanças

Cantar e proclamar são verbos que pertencem ao passado da poesia. Sugerir e insinuar parecem mais adequados e, talvez até, desistir e renunciar.

Naquela época

Aprendi alguns truques. Cheguei a pensar que neles estava toda a poesia. Se eu tivesse sido humilde, poderia continuar feliz até hoje.

Crédito

Foi preciso vir drummond
nos ensinar que num poema
a rima pode ser mais um problema
do que uma solução.

Leveza

O tom de poesia que hoje me convém está entre uma música leve, bem leve, quase inaudível, e o silêncio.

Trapaça

Como devem sorrir intimamente os que veem o estrépito religioso com que defendo a poesia, como se a representasse legalmente. Eu, que poderia, quando muito, redigir razoavelmente uma ata de condomínio.

Ativismo

Poesia é a escolha ideal se a intenção é atrair não menos de cinco e não mais de dez pessoas.

Blá-blá-blá

Como é enfadonha a sabedoria que gira em torno de si mesma, para sentir a vertigem do sucesso.

"Arguição da soberba", de Adélia Prado

"O que de pronto se mostra
palpitante e acabado
vazando precioso entre cacófatos
se ri do poeta
ocupado em limpar textículos:
ó truão,
no poema como no quadro
os olhos estão no umbigo."

(De Poesia reunida, Editora Record.)

terça-feira, 18 de abril de 2017

Vice-versa (para Silvana Guimarães)

Assim que se descobriu poeta, começou a ver outras coisas em todas as coisas. Ou foi o contrário?

... e caldo de galinha (para Liberato Vieira da Cunha e Deonísio da Silva)

Diga o que disser a gramática, convém escrever Diabo com a inicial maiúscula. Sabe-se lá onde estaremos amanhã...

Outros tempos

Os viadutos paulistanos há muito não veem aqueles jovens e tristes poetas que por dois segundos ou três conseguiam flutuar como flores atiradas a um lago.

Tanto quanto

O que há em subestimar-se
pior do que há
em glorificar-se?

Laudo

Por que não falar?
Acho que devo. Não valho
A bic com que escrevo.

Doce anonimato

Se ele e ela soubessem quem nunca fui, o passarinho não cantaria na minha ameixeira.

Soberba

Atrevo-me a escrever, ainda. Quando apreenderei o tamanho exato de minha pequenez?

O bigode branco da foto

Meu avô foi general. Ele não se orgulharia do neto.

Datas

Meu diário é simples. Nele ninguém lerá Paris 14 de setembro ou Nova York 31 de dezembro.

Alívios

Venho me consolando com miudezas: não ter sido quem disse um desaforo à dona Nilza nem quem atropelou o gato do seu Nicolau.

Biblioteca

Meus olhos vêm se recusando a se fixar na estante, certamente para me pouparem de comparações com o que escrevo.

Percepção

Escrever um diário é, no início, uma presunção: somos alguém, e esperamos que um dia todos saibam. Depois, vamos notando que nos repetimos e começamos a suspeitar dessa grandeza de tão parco repertório. E chegamos ao ponto no qual descobrimos que importante é o que narramos - uma gatinha recém-nascida, um pombo morto de frio -, não quem narra.

Balanço

Sempre fui um desses que procuram levar a sério todos os sentimentos. Busquei para eles as melhores palavras, as perfeitas, e descobri que nenhum deles as merece, nunca. Amor é, de todos, o exemplo mais triste.

Fachada

Eu gostaria de ter um olhar místico, uma insinuação de mistério no rosto. Sei que não melhoraria meu estilo, mas seria mais agradável sorrir para mim, na hora de me barbear.

Teste

Sou simples. Preciso me comover antes de tentar comover alguém.

Delivery

Nem a própria esperança nega
que de tudo que promete
nem metade da metade entrega.

"No lago", de Bai Juyi (772-846)

"dois monges da montanha frente a frente
jogam xadrez entre os bambus a sombra
entre os bambus frescor ninguém se vê
por vezes ouve-se uma peça move."

(De Antologia da poesia clássica chinesa - Dinastia Tang, tradução de Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao, LiEditora Unesp.)

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Historinha (para Rose Marinho Prado)

Há sessenta anos eu prometi viver para a poesia. Continuo vivo, cada dia mais gordo. A poesia deve estar no meu ventre, e não é uma flor.

Parentesco (para Gianluca Drewnick Sapuppo e Nicole Drewnick)

O poeta do município
era muito parecido com
o espantalho do sítio.

Acerto

Chegando à sombria esquina
o homem ofereceu ao poeta
um passarinho como propina.

Estátua (para Aden Leonardo e Tuca Kors)

Quem deu a esse
borba antipático
o sobrenome de gato?

Cena doméstica

Minha tristeza geme no sofá, como um gato desenganado.

Excluído

Um dos meus problemas é que, tantas décadas depois, ainda não fui  apresentado ao mundo atual.

Tecnologia

Nem sei mais do que vivo.
Já tive esperança
Mas perdi o aplicativo.

Prece (para Deonísio da Silva, Liberato Vieira da Cunha e Silvia Galant François)

Deus, ouça nossa voz:
livre-nos dos maus poetas,
ainda que eles sejamos nós.

Domingo no parque

O homem chega ao parque, pega o papel no bolso, começa a ler em voz alta embaixo de uma árvore.
Passarinhos vêm de todos os cantos e vão ocupando os galhos. O homem se entusiasma, lê com maior convicção seu poema. Sente-se como se estivesse num teatro. Três homens e três mulheres se aproximam e param. Correndo vem um menino de uns seis anos que pergunta: "O que é isso que ele tá falando?" Os adultos, que já ouviram o suficiente, dizem: "Nada. É só poesia." O garoto pede: "Quero poesia." Mas logo é puxado. Uma das mulheres convida: "Vamos pro escorregador." O menino aceita a troca sem perguntar o que é poesia. O poeta continua a declamar para os passarinhos.


Ocasião

Não é na ventura nem na felicidade que a alma costuma se manifestar.

Reflexão

Se o amor fosse mesmo grandioso como você o imaginou, você o mereceria?

Culpa

Serás cobrado por todos os teus atos, principalmente por aqueles que praticaste contra a poesia.

Horror

Sabe hoje perfeitamente o que é. E pensa, com uma suspeita que já vai se transformando numa quase certeza, se não era assim também na época em que se achava digno de lidar com a poesia.

Codinome

Ele teve acesso à planilha e descobriu que nela constava como Chorão.

Dourando o passado

O que você aprendeu com os sonhos é que eles são necessários para se poder, muito tempo depois, com o ar mais triste que se tiver, começar frases assim: ah, naquela época, eu...

Insanidade

Hoje, quando qualquer aspiração é risível, você se pergunta como pôde julgar naquele tempo que havia algo em você que lhe permitisse sonhar com a poesia.

Obrigação

Um poeta lírico deve ter, diariamente, pelo menos uma palavra a dizer sobre o amor, mesmo que seja a pior delas.

Jeito

Modere a força quando der aquele bico no amor. Não o chute para longe demais. Há arrependimentos que se manifestam já no dia seguinte, e tão clamorosamente.

Início de "Um século de boa vida", de Jorge Guinle

"A primeira vez que viajei a Nova York foi em 1949. Estava em Paris e a situação prenunciava estouro de guerra mundial. Abril. Dois meses antes, tinha feito 23 anos.Mussolini invadiu a Albânia. Tensão. Naquele tempo era difícil telefonar, mesmo em seu próprio país. Mas meu pai me alcançou num telefonema internacional e recomendou:
   "Meu filho, acho melhor você voltar para o Brasil."

(Editora Globo.)

domingo, 16 de abril de 2017

Haicai (para Celina Portocarrero)

O pombo sedento
bica a calçada seca
bebe água de cimento.

A mesma música (para Rose Marinho Prado)

Os domingos e feriados são parte da velha enganação. Fogos, bandeirinhas, fanfarras. O poeta deve vigiar bem sua alma, para que ela não vá correndo juntar-se aos que, levados pela música, exibem até o último e estúpido dente ao sol.

Moleque

Devias ter vergonha nessa tua cara. Quem te autorizou a falar do amor com tanta irresponsabilidade?

Cotação do dia (para a Pris)

Sei que te faço falta quando olhas para todos esses ao teu redor e não vês nenhum que possa ser o bobo da corte.

Olor de santidade

Tomara que as feridas do amor cheirem mesmo como as rosas. Elas começam a aflorar em todo o teu corpo.

Justa causa

O amor cresceu tanto nele que não coube mais no seu coração e escapuliu quando teve a primeira oportunidade.

Mais do mesmo

Tudo bem, denuncie o amor, vá em frente. Mas não faça esse escândalo todo, como se você fosse o primeiro. Há muito tempo, já, tudo que se diz do amor está catalogado na prateleira dos plágios.

Ordinais

A partir da segunda vez
e da terceira
o amor nunca mais é
como na primeira.

Estações

Só depois de muitos anos
Comecei a ficar velho.
Tristeza já é outra questão.
Ser triste foi em mim sempre uma vocação.

À meia-luz

Os livros espalham o amarelo do seu outono pelas estantes frias do sebo.

Chefe

Se na morte de um homem tolo estiver envolvido um sujeito composto, ao amor caberá a maior pena, sejam quantos e quais forem os outros participantes.

Agrafia

Não tive tempo de conhecer a letra dela. O único sentimento que lhe despertei foi o enfado, e quem há de escrever cartas para um ser enfadonho?

Prêmio

É comum, quando choramos, dizerem que parecemos crianças. Pode haver melhor incentivo para nossas lágrimas?

Disciplina

Chorar é um aprendizado. Sejamos gratos se o oferecerem e se o merecermos.

Astúcia

Sou um monstro. Sempre soube capitalizar meus infortúnios amorosos e colocá-los na próspera conta da poesia.

Felicidade

Fico feliz quando minha tristeza toca a campainha e atendem.

Gesto extremo

A poesia deve ser usada como último recurso, quando o amor tiver desdenhado todos os outros truques com aquele seu sarcasmo.

Operação Vate

A categoria dos poetas infiltrou-se no governo e conseguiu o monopólio das lágrimas.

"O que a musa eterna canta", de Adélia Prado

"Cesse de vez meu vão desejo
de que o poema sirva a todas as fomes.
Um jogador de futebol chegou mesmo a declarar:
'Tenho birra de que me chamem de intelectual,
sou um homem como todos os outros'.
Ah, que sabedoria, como todos os outros,
a quem bastou descobrir:
letras eu quero é pra pedir emprego,
agradecer favores,
escrever meu nome completo.
O mais são as maltraçadas linhas."

(De Poesia reunida, Editora Record.)

sábado, 15 de abril de 2017

Perfeição (para Rhuana Amaral)

O amor é o melhor photoshop que existe. Melhora até a alma.

Cotação do dia

Chegamos ao centro do palco, nos apunhalamos no peito, urramos amor com nosso último alento e a única resposta que temos é um riso de escárnio e o ruído de pipocas avidamente remexidas.

Drama

Chorar é a melhor forma que temos de mostrar a nós mesmos que estamos vivos. Mas somente a nós. Os outros não se importam conosco e nós também há muito já desistimos de os ver na plateia.

Glória

Superlativo é o inevitável momento em que um adjetivo assume sua vocação de prima-dona.

Pudicícia

O poeta chapa-branca
chama teta de seio
e bunda de anca.

Força do hábito

Os provérbios são tão presunçosos que até quando tossem imaginam estar transmitindo sabedoria.

Definição (para Celina Portocarrero)

O haicai é uma forma aprimorada de silêncio.

Imponência

Quando penso nos provérbios, imagino sempre velhos empertigados, de cachimbo, que podem dizer tudo, até que fumar é nocivo, entre artísticas baforadas.

Perfil

O tempo zomba de nossa pompa e de nossa vaidade. O rosto que imaginamos ter vai sendo alterado por ele até se transformar no que verdadeiramente é: uma caricatura.

Ideal

Fazer arte pela arte é um conceito difícil de sustentar, mas - justamente por isso - de uma extraordinária beleza.

Descuido

Mesmo quem escreve prosa há de manter o prazer das descobertas, dos pequenos milagres que podem, como na poesia, surgir aqui e ali, se o estilo não se mostrar demasiado autossuficiente. Esses prodígios dependem muito menos de técnicas que de confiança no acaso.

Mídia

Se você tentou expressar algo muito profundamente, e suas palavras soaram como as de um vendedor de produtos sanitários numa rua de periferia, tente a poesia. Talvez ela possa ajudá-lo, se o que você quer exprimir for, por exemplo, uma aflição de amor.

"Mandala", de Adélia Prado

"Minha ficção maior é Jonathan,
mas, como é poética, existe
e porque existe me mata
e me faz renascer a cada ciclo
de paixão e de sonho."

(De Poesia reunida, Editora Record.)

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Além do mérito

Se o Marquês de Maricá recebeu o título por suas frases, devia considerar-se muito bem recompensado.

Todos

Abandonei meus vícios, todos. O amor? Bem, eu...

Velozes

Os ideais são como passarinhos. Passam e deixam no ar, quando deixam, só um pio.

Das estações da carne

A carne também tem sua primavera, seu inverno, seu verão. Floresce, frutifica, sofre. E, no outono, assume a mais triste dos amarelos.

Haicai de quintal

O vento senil
presume uma rosa branca
e lambe uma calcinha no varal.

Ladinas (para Rose Marinho Prado)

As frases curtas não nos dão tempo de desgostar delas.

No "Estadão",

falo de minhas desventurosas aventuras na internet.

Jeito

No sucesso das frases curtas quase sempre há mais sorte, um jeito, certa boa vontade das palavras, do que propriamente o espírito que lhes é atribuído.